Hitman: do pior ao melhor, segundo a crítica

7 min de leitura
Imagem de: Hitman: do pior ao melhor, segundo a crítica

Carecas mal-encarados no mundo dos videogames temos tantos. Guerreiros gregos, lutadores tailandeses, cientistas malucos e assim vai. Mas um careca mal-encarado com um código de barra na nuca e que trabalha como assassino de aluguel só existe um.

Com o lançamento de dois games recentes, decidimos fazer a atualização dessa série tão amada pelos fãs de games stealth. Vocês pediram, votaram e aqui está o do Pior ao Melhor da franquia Hitman. Aqui estão nossos critérios, prestem bastante atenção:

  • As notas apresentadas são baseadas no agregador de notas Metacritic. Se o título foi lançado para mais de uma plataforma inicialmente, pegaremos as notas de cada uma das versões e faremos uma média aritmética.
  • Nós só consideramos os principais jogos da franquia, então spin offs e coleções não entraram.

8) Hitman: Codename 47 (2000) - 73

https://cdn.akamai.steamstatic.com/steam/apps/6900/0000001540.1920x1080.jpg?t=1599829728

Em último lugar, temos o game que introduziu o Agente 47 ao mundo. Hitman: Codename 47, lançado em 2000, apresentou o clone humano geneticamente alterado que trabalha para a International Contract Agency, organização global de assassinatos contratados.

Seguindo a premissa, os níveis são divididos em contratos com áreas bem grandes em que o jogador deve se esgueirar e se disfarçar para passar despercebido pelos adversários e assim cumprir suas missões. Caso não consiga chegar ao objetivo de mãos limpas, uma variedade de armas, tanto de fogo quanto brancas, estará disponível para ceifar vidas.

O jogo foi muito elogiado pela sua premissa interessante e pelos seus gráficos lindos, mas acabou vacilando no posicionamento da câmera, diversos bugs e glitches além do baixíssimo valor replay por conta dos eventos das missões serem muito scriptados. Sua nota é 73.

7) Hitman: Contracts (2004) - 77,3

https://www.gamingdragons.com/images/game_img/screenshots/hitmancontracts/5cdf9bfba5929595ac06f8ce70f76e91.jpg

Hitman: Contracts, lançado em 2004, funciona como um remake de Hitman: Codename 47 mas também como uma continuação de Hitman 2: Silent Assassin. Na história, o Agente 47 está se recuperando de uma missão e começa a refletir sobre seu passado.

As missões misturam algumas do primeiro jogo da franquia mas também são apresentadas diversas novas. Assim como no antecessor, os jogadores são ranqueados de acordo com a quantidade de balas atiradas, o número de guardas alertados e a quantidade de NPCs mortos. Além disso, o medidor de suspeita e as ações sensíveis de contexto, em que um botão pode realizar diversas ações de acordo com o ambiente, também estão de volta.

O game foi elogiado pelos analistas por diversos elementos de gameplay melhorados, gráficos, trilha sonora, seu tom mais sombrio e sua atmosfera, mas ele era muito igual aos seus antecessores, não trazendo nenhuma grande inovação para a série. Sua nota é 77,3.

6) Hitman: Absolution (2012) - 80,3

https://hips.hearstapps.com/digitalspyuk.cdnds.net/12/22/gaming_hitman_absolution_5.jpg?crop=1xw:0.8888888888888888xh;center,top&resize=1200:*

Hitman: Absolution foi lançado na 47º semana de 2012 e acompanha nossa máquina mortífera careca favorita tendo que proteger da ICA uma jovem geneticamente alterada chamada Victoria, que teria como destino se tornar uma assassina como ele.

Os desenvolvedores afirmaram que esse seria um dos games mais acessíveis e fáceis, ao mesmo tempo que se manteria fiel às raízes da franquia. Com isso, foi introduzido um sistema de instinto, que facilita o monitoramento dos adversários. Além disso, os jogadores podem matar os adversários utilizando o ambiente, fazendo parecer que as mortes foram acidentais.

O game também conta com um modo online chamado Contracts, em que um jogador pode criar missões para os outros jogarem. É possível escolher lugares da campanha e decidir qual NPC vai ser morto, qual arma deve ser usada pra eliminar o alvo, qual disfarce é necessário e assim vai.

Entre os elogios, temos os gráficos, os ambientes, as variedades de gameplay, as missões e o valor replay, mas as criticas ficaram pra IA fraca e diversas sequências lineares. Sua nota é 80,3.

5) Hitman: Blood Money (2006) - 82

https://cdn.cloudflare.steamstatic.com/steam/apps/6860/0000001409.1920x1080.jpg?t=1599829743

Hitman: Blood Money, lançado em 2006, é o quarto jogo da franquia a chegar ao mercado. Nele, acompanhamos o Agente 47 com a missão de acabar com a Franchise, uma organização rival de assassinos contratados que está ameaçando os empregados de sua contratante, a ICA, e que estão em busca da mesma tecnologia de clonagem que criou o nosso assassino favorito. 

O game introduziu um sistema de notoriedade que é baseado nos sucessos e fracassos do protagonista, fazendo com que seja mais fácil identificar o agente no meio da multidão. Evitar câmeras e se manter na espreita tornará as missões mais fáceis. O jogo também trouxe melhorias nas armas corpo-a-corpo, podendo atirar algumas delas nos adversários, e introduziu os assassinos rivais.

Os analistas gostaram dele e elogiaram o bom valor replay, a variedade de armas realistas, a construção das missões e a possibilidade de ser sorrateiro ou meter o Rambo. Já os problemas ficaram para o comportamento pouco realista no combate, o sistema de notoriedade que não parece tão pronto e diversos problemas conhecidos da série que não foram consertados. Sua nota é 82.

4) Hitman 3 (2021) - 82,4

https://i1.wp.com/noticiasetecnologia.com/wp-content/uploads/2020/08/Hitman-3.jpg?fit=850%2C478&ssl=1

O mais recente game da série, Hitman 3, lançado em 2021, ficou em quarto lugar. Desenvolvido e publicado pela IO Interactive, o jogo finaliza o arco conhecido como World of Assassination, acompanhando o Agente 47 e seus aliados na caçada dos líderes da Providence, uma organização secreta que controla os negócios mundiais.

O título se passa em 6 localizações: Dubai, Dartmoor, Berlin, Xunquim, Mendoza e nos Cárpatos. O game foca na liberdade dada ao jogar para resolver os assassinatos. Mesmo que algumas formas sejam sugeridas pelo jogo, muitas ideias malucas podem acabar funcionando. Ele recebeu features pro PSVR, mas ele não tem modo multiplayer, diferente de seu antecessor.

Hitman 3 recebeu muitos elogios relacionados aos seus gráficos, seus cenários detalhados, suas missões inteligentes e seu fator replay, mas sua campanha curta e sua história pouco criativa não impressionaram, fazendo com que o game ficasse com 82,4 de nota.

3) Hitman 2 (2018) - 82,6

https://s2.glbimg.com/XLdknI7QCf8Aut9MJvqxLfRzwzQ=/0x0:1200x678/695x393/s.glbimg.com/po/tt2/f/original/2018/11/28/screen_05-h.jpg

Hitman 2 foi lançado em 2018 e é uma sequência de Hitman, lançado dois anos antes. Dessa vez, o Agente 47 está caçando o Shadow Client e seus aliados, que estão querendo destruir a organização Providence. Depois de uma grande revelação, alguns objetivos são revistos pelo protagonista.

No total, são 8 missões que se passam em diversas localizações diferentes. O game introduz o concussive gadgets, que deixam os NPCs inconscientes, e reintroduziu a maleta, que permite ao jogador esconder e carregar armas maiores em público sem levantar suspeitas.

Há um modo cooperativo chamado Sniper Assassin, em que o jogador deve eliminar diversos alvos dentro do tempo limite. Infelizmente a parte online, incluindo o Ghost Mode, foram retirados antes do lançamento de Hitman 3.

O título foi elogiado pelas melhorias em relação ao seu antecessor, as novas mecânicas, a apresentação no geral e seus níveis de arquitetura complexa, mas ele possui problemas que já estavam presentes no game anterior e não foram corrigidos. Sua nota é 82,6.

2) Hitman (2016) - 84

https://www.wsgf.org/f/u/imagecache/node-gallery-display/contrib/dr/29415/ingame_16x9.jpg

Hitman, lançado em 2016, marcou uma nova fase da franquia, chamada de World of Assassination, que se passa seis anos antes dos eventos de Absolution. Aqui, o nosso protagonista viaja pelo mundo resolvendo o mistério de diversos assassinatos aparentemente não conectados. O game foi lançado no formato de episódios que chegaram entre 11 de março e 31 de outubro.

O jogo reimagina a série e foi descrito pela desenvolvedora como um game de puzzle com elementos de ação e stealth. Os ambientes são sandboxes e cheios de eventos acontecendo, como aglomerações para ver fogos de artifícios ou desfiles de moda e o agente tem que se infiltrar para cumprir seus objetivos. Após cumprir sua missão, o jogador deve encontrar uma forma de sair do lugar. O jogo também conta com o modo online Contracts, presente previamente em Absolution.

Os níveis lotados de NPCs, as milhares de opções disponíveis, o incrível valor replay e a dificuldade na progressão foram muito bem vistos, mas as longas telas de carregamento, a dificuldade de entender como os NPCs te reconhecem e alguns requerimentos online chatos desagradaram. A nota do lançamento inicial é 84. Agora, se formos considerar todos os episódios lançados, ela cai para 78,64.

1) Hitman 2: Silent Assassin (2002) - 84,75

https://http2.mlstatic.com/D_NQ_NP_800829-MLB29411063670_022019-O.jpg

E em primeiríssimo lugar, temos o segundo jogo da franquia. Hitman 2: Silent Assassin, lançado em 2002, se passa após os eventos de seu antecessor, com o Agente 47 se aposentando e tentando viver na tranquilidade, mas quando seu único amigo é raptado, ele decide voltar aos negócios para rastreá-lo e salvá-lo.

O game segue a mesma base do primeiro jogo e não apresenta grandes novidades na gameplay, mas melhora e arruma tudo o que foi apresentado no mesmo, além de tornar as fases pouco lineares, dando uma maior liberdade para o jogador resolver os problemas da forma que bem entender.

Ele foi muito elogiado pelos analistas, que disseram que ele era tudo o que eles esperavam para o primeiro game. Os elogios focaram na evolução técnica e gráfica em relação ao seu antecessor enquanto as críticas pesaram na Inteligência Artificial e nos resumos das missões. Ele vendeu quase 4 milhões de cópias e ficou com 84,75 de nota.

...

E aí, qual é o seu Hitman predileto? Deixe abaixo a sua própria lista!

Hitman: do pior ao melhor, segundo a crítica