Canal do YouTube usava strikes para chantagear criadores de conteúdo

1 min de leitura
Imagem de: Canal do YouTube usava strikes para chantagear criadores de conteúdo
Avatar do autor

Bastante criticado por vários criadores de conteúdo que trabalham com o YouTube, o sistema de strikes virou uma ferramenta de chantagem na mão de pessoas mal-intencionadas. No último final de semana, os YouTubers Kenzo e ObbyRaidz denunciaram um perfil que exigia o pagamento de valores entre US$ 75 a US$ 400 para retirar acusações que podiam prejudicar seus canais.

A chantagem funcionava a partir do princípio de que, a partir de certo número de denúncias de quebra de direitos autorais, a Google tem a política de deletar canais completos e todos os seus conteúdos. Sabendo disso, o chantagista pretendia usar as denúncias falsas como forma de garantir dinheiro fácil de quem não queria ver seu esforço sendo jogado fora.

Situação que pode se repetir

Em vez de ceder à chantagem, Kenzo entrou em contato com o YouTube que, após analisar a situação, afirmou que o pedido de strike era falso. “Esse é um exemplo de pedido legal fraudulento, pelos quais temos zero tolerância, então eliminamos esse canal”, afirmou o serviço. Mesmo quando são falsos, os strikes podem prejudicar canais, visto que a monetização de vídeos fica paralisada até a situação ser resolvida.

“Qualquer pessoa pode fazer isso. Eles tornaram tão fácil derrubar o canal de alguém — eles dão alguns strikes e seu canal é finalizado”, afirmou ObbyRaidz em um vídeo. “Da maneira como eu vejo isso, o YouTube colocou um band-aid em uma questão muito maior. Isso é algo que pode afetar mais canais no futuro e eles precisam consertar isso agora”.

Canal do YouTube usava strikes para chantagear criadores de conteúdo