Hora da aventura: relembre os melhores RPGs da geração 16 bits

4 min de leitura
Imagem de: Hora da aventura: relembre os melhores RPGs da geração 16 bits
Imagem: Sega
Avatar do autor

Quem é fã de RPG deve concordar que muitos dos melhores títulos aos quais tivemos acesso surgiram em gerações passadas. Em julho, publicamos aqui no Voxel uma matéria falando sobre os jogos do gênero para PlayStation e agora é a vez de darmos uma olhada no que tivemos de melhor na geração 16 bits.

Mais abaixo, você pode conferir alguns deles, apresentados sem ordem de importância – afinal, cada um tem a sua lista guardada no coração (aliás, aproveite para compartilhar os seus favoritos na seção destinada aos comentários).

Shining Force 2 (Mega Drive)

Fonte:  Sega 

Vamos começar com um dos clássicos do Mega Drive. Quem teve contato com RPGs certamente deve se lembrar dos combates táticos de Shining Force 2, game que rendeu dezenas de horas de aventura e vários momentos de exploração na expectativa de encontrar Mithril para forjar os melhores equipamentos ou mesmo completar a lista de personagens.

Super Mario RPG: Legend of the Seven Stars (Super Nintendo)

Fonte:  Nintendo 

Mario já havia se aventurado em diversos campos, mas muitos foram pegos de surpresa quando o personagem decidiu estrelar uma nova jornada no mundo dos RPGs. Mais que um pacote de qualidade, o game também reuniu diversos minigames, a possibilidade (até então única) de ver o bigodudo, Bowser e Peach lutando ao lado um do outro e até mesmo o carisma dos novos combatentes: Mallow e Geno.

Beyond Oasis (Mega Drive)

Fonte:  Sega 

Para quem curte games de RPG com uma pegada um pouco mais ação, Beyond Oasis claramente foi uma das melhores escolhas no Mega Drive. Além de um estilo de progressão mais livre (sem batalhas por turnos), o título ficou conhecido por trazer um estilo visual agradável e até mesmo um pouco de pancadaria à la Streets of Rage.

Breath of Fire 2 (Super Nintendo)

Fonte:  Nintendo 

A Capcom não botava muita fé no lançamento de Breath of Fire no mercado americano (o que explica o fato de ele trazer o logo da Squaresoft em sua caixa nos Estados Unidos), mas isso mudou e tivemos a oportunidade de jogar outros títulos da série posteriormente. Destacamos aqui o segundo game, que trouxe mudanças significativas, em especial no enredo, que trazia temas como morte de familiares, igrejas corruptas e muito mais.

Phantasy Star 4 (Mega Drive)

Fonte:  Sega 

A série teve seu primeiro game no Master System, mas talvez o quarto episódio de Phantasy Star seja o mais lembrado por muitos. Além de uma história ainda mais épica se comparada aos títulos anteriores, as batalhas estavam mais polidas e, visualmente falando, o título era bastante agradável. Por isso, é de se imaginar que ainda hoje muitos sonhem com uma sequência para a franquia tradicional.

Chrono Trigger (Super Nintendo)

Fonte:  Nintendo 

Eis aqui o título considerado por muitos como a pérola do console da Nintendo. Chrono Trigger trouxe diversos elemento que são utilizados de referência por alguns títulos até hoje, como os múltiplos finais e o estilo de combate, não demorando muito para cair no gosto do público. O fato de contar com veteranos de Final Fantasy (que vamos deixar de fora desta lista por já existir uma voltada à franquia) e Dragon Quest só cooperou para aumentar a popularidade e a qualidade do game.

Crusader of Centy (Mega Drive)

Fonte:  Sega 

Se a Nintendo tinha Zelda ao seu lado, aqueles que se divertiam no Mega Drive tiveram a chance de se aventurar em Crusader of Centy, que apresentou uma pegada muito parecida com a jornada vivida por Link em A Link to the Past. Um dos destaques do game era a possibilidade de colecionar animais com habilidades especiais para resolver quebra-cabeças e derrotar os chefes, elemento que acabou deixando o pacote visto aqui ainda melhor.

Earthbound (Super Nintendo)

Fonte:  Nintendo 

Verdade seja dita, Earthbound não recebeu a devida atenção quando chegou às lojas – tanto é que a Nintendo vendeu cerca de 140 mil cópias do jogo, o que o torna um dos mais caros de se adquirir completo hoje em dia (especialmente por ter uma caixa maior que o normal para abrigar o guia do jogo em forma de livro). Entretanto, aqueles que se arriscaram no jogo encontraram uma história extremamente agradável e divertida, diversas referências ao mundo pop e personagens que provavelmente ficaram na memória de muitos.

Shining in the Darkness (Mega Drive)

Fonte:  Sega 

Apesar de levar "shining" no nome, este título não lembra em nada a série de RPG tático. Na verdade, Shining in the Darkness aposta na exploração de um grande calabouço dividido em andares com uma visão totalmente em primeira pessoa. Aliás, o fato de o game ter chegado ao nosso país totalmente localizado para o português ajudou a popularizá-lo um pouco por aqui.

Terranigma (Super Nintendo)

Fonte:  Nintendo 

Talvez muitos não tiveram a oportunidade de colocar suas mãos nesse aqui, mas Terranigma integra uma trilogia da Enix (que tem Soulblazer como pontapé inicial, Illusion of Gaia como “continuidade” e este fechando o pacote) totalmente focada em exploração e ação. Nesse episódio, temos combates ainda mais dinâmicos, uma qualidade visual acima da média e até mesmo a presença do Brasil como uma das regiões a serem exploradas pelo protagonista.

Fontes

Hora da aventura: relembre os melhores RPGs da geração 16 bits