Os mais aterrorizantes e indispensáveis jogos de terror da década

14 min de leitura
Imagem de: Os mais aterrorizantes e indispensáveis jogos de terror da década
Avatar do autor

Nem parece, mas ano que vem já é 2020 e completamos mais uma década. Muita coisa aconteceu na indústria dos games e diversos jogos marcaram estes últimos dez anos; alguns que inclusive marcaram gerações passadas, como é o caso da reimaginação de Resident Evil 2.

Falando em indústria dos games, um gênero que parece ter alcançado novos patamares nesta última década, foi o de terror. Muitos jogos foram lançados, inserindo no mercado novas franquias e consolidando o gênero de terror psicológico, como é o caso de Layers of Fear e Outlast, títulos que conseguiram criar uma atmosfera intimidadora, colocando o jogador e estado de alerta durante quase toda a gameplay.

Vale mencionar os games Indies, que também conseguiram bons resultados e, apesar do orçamento limitado se comparado as grandes desenvolvedoras de AAA, criaram jogos como Visage (sucessor espiritual de P.T.) e Slender, este último desenvolvido pela independente Parsec Productions, na época em que o grandalhão branquelo estava em alta. Outro fator que possibilitou com que os games de horror atingissem novos estágios foi a chegada da realidade virtual que, convenhamos, proporciona uma imersão absurda a qualquer jogador.

Listaremos os games mais aterrorizantes dos últimos dez anos e, apesar de não ter nenhum Fatal Frame, Siren ou até mesmo nada da franquia Silent Hill, o gênero conseguiu se manter firme e forte com novos games e franquias. Apague a luz, pegue a pipoca e bora pra lista dos melhores jogos de terror da última década!

Lembrando que os títulos não estão ranqueados, então a ordem está aleatória.

Alan Wake (2010)

Produzido pela Remedy, Alan Wake simplesmente brilhou no Xbox 360 em 2010. É um jogo de ação/terror em terceira pessoa, repleto de fugas desesperadas e com um toque de Silent Hill em sua composição; mas é diferente de outros jogos do gênero. Carece de grandes sustos, mas em compensação, é uma história muito bem contada e recheada de reviravoltas.

O jogo se passa em Bright Falls, uma comunidade localizada nas montanhas, ao melhor estilo Twin Peaks. Lá, você está no controle do escritor Alan Wake, que está em uma busca desesperada pela sua mulher desaparecida. Na fuga, enquanto encontra páginas de um thriller de sua autoria - que nem ele mesmo lembra de ter escrito -, Wake precisa lidar com criaturas das sombras, com pouquíssimos recursos.

Alan Wake se distingue dos demais títulos de terror por ser um jogo divertido de jogar, conseguindo equilibrar uma história bem contada e uma gameplay fluída. Enfrentar um grupo de inimigos é desafiador, mas pelas razões certas, já que é necessário uma boa estratégia utilizando apenas uma lanterna e uma pistola. Está disponível para Xbox 360, One e PC.

Amnesia: The Dark Descent (2010)

Antes de começarmos a falar de Amnesia, temos que ter em mente que é um game de terror com uma proposta diferente, onde o objetivo não chega nem perto de "vencer" e zerar o jogo, mas sim uma experiência extremamente imersiva, onde o principal pilar é a ambientação. Segundo os próprios produtores do título - desenvolvido pela Frictional Games - "vencer não é o objetivo neste jogo aterrorizante".

Amnesia se passa em uma fortaleza, nas profundezas de um lugar sombrio, repleto de criaturas demôniacas e dos piores medos possíveis. Você terá de guiar o protagonista, Daniel, para fora deste abismo, mantendo a sanidade e ficando longe da escuridão. O pior de tudo talvez seja o fato de que você não tenha armas e nenhum tipo de preparo para lidar com os monstros, que aparecem da forma mais inesperada possível. A cada sala diferente, é um evento traumático que drena cada vez mais a sanidade de Daniel, sua missão é passar por estes traumas e sobreviver ao caos.

A melhor forma de jogar este jogo, conseguindo extrair o potencial máximo de imersão e medo (assim como em qualquer jogo do gênero), é jogando com a luz apagada e com um headphone. E aí, consegue?

O game está disponível para PlayStation 4, Nintendo Switch, Xbox One e PC.

Dead Space 2 (2011)

Espaço, survival horror e zumbis alienígenas? Isso mesmo! Dead Space 2 é a continuação do aclamado jogo de terror no espaço lançado em 2008, um dos aspirantes do gênero com um gigantesco potencial para desbancar a franquia Resident Evil, afinal, trazia a câmera sobre o ombro e o bom e velho survival horror, dando uma "nova" cara aos jogos do gênero lançados até aquele momento.

O game se passa 3 anos após os acontecimentos do primeiro título, novamente sobre a visão do engenheiro Isaac Clarke, que ficou preso em uma estação espacial abandonada, que não estava tão abandonada assim. Desta vez, Isaac está hospitalizado em uma colônia de humanos, localizado em uma das luas de Saturno. Como era de se esperar, a colônia é atacada pelos mesmos aliens, e novamente o engenheiro precisa escapar com vida dos Necromorphs.

Como um verdadeiro survival horror, Isaac constantemente é pego em situações de risco e com pouquíssima munição para enfrentar os perigos que aparecem. Grande parte da ambientação é perturbadora e, embora este título tenha recuado um pouco e não ter focado tanto no horror quanto o seu antecessor, ainda é um game indispensável nesta lista.

Dead Space 2 foi desenvolvido pela Visceral Games, estúdio da EA que fechou às portas em 2017, encerrando assim quaisquer esperanças de possíveis lançamentos futuros para a franquia. Está disponível para PlayStation 3, Xbox 360 e PC.

Lone Survivor (2012)

Considerado por alguns como o Silent Hill em 2D, Lone Survivor é um jogo de survival horror indie que, apesar de simples, é bem estruturado e estabelece algumas regras onde o protagonista - que da a entender ser o mocinho da história - precisa descansar e comer para não ter alucinações, que podem impactar na gameplay.

O mocinho de mascará é o único ser vivo do game - até onde se sabe - e sua missão é recolher suprimentos e escapar de criaturas que rastejam pelos cenários mal iluminados. Além dos perigos, ele ainda precisa manter a sanidade; para isso, periodicamente, precisa voltar ao seu apartamento para descansar e comer, evitando com que tenha alucinações. Quanto mais tempo ele ficar privado dessas necessidades básicas, mais difícil dizer o que é real e o que não é.

Lone Survivor é desenvolvido pela Superflat Games e está disponível para Wii U, PlayStation 3, 4 e Vita.

Outlast (2013)

Outlast é um jogo de terror que dividiu algumas opiniões em 2013, já que não era um game de nicho e era claramente direcionado para amantes e aficcionados do gênero. Possui uma atmosfera intimidadora e cheia de suspense, isso sem falar dos efeitos sonoros, que faz qualquer um tremer na base. O jogo é produzido pela Red Barrels, desenvolvedora com alguns produtores que trabalharam em grandes jogos como Prince of Persia, Assassins Creed e Uncharted.

Outlast se passa em um asilo abandonado, que de abandonado não tem absolutamente nada. Sua missão é desvendar os mistérios do lugar e para isso, Miles Upshur, um jornalista investigativo, estará sobre o seu comando. O jogo é assustadoramente bizarro, recheados de jump scares do início ao fim da gameplay.

Foi bem recebido pela crítica na época e ganhou prêmios como "melhor da E3" em 2013. Está disponível para PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch e PC.

The Evil Within (2014)

The Evil Within foi produzido pelo gênio dos jogos de terror, Shinji Mikami - criador da franquia Resident Evil - e foi um dos primeiros projetos de sua prematura desenvolvedora, a Tango Gameworks. Como se brinca nos memes da vida, as "víuvas do Mikami" ficaram desapontadas com a saída do desenvolvedor logo após concluir Resident Evil 4; vamos pensar em The Evil Within como um sucessor espiritual de Resident Evil.

Apesar das amarras na franquia de zumbis mais famosa de todos os tempos, The Evil Within conseguiu se manter forte na indústria, inovando e deixando o jogo com sua própria identidade. Aqui, o jogador assume o controle do detetive Sebastian Castellanos, que deve investigar uma série de homicídios junto de seus parceiros Joseph e Kidman. Após receber uma chamada de emergência, o detetive segue até o manicômio Beacon Mental Hospital e, a partir daí, uma série de acontecimentos bizarros se sucedem.

Para todas as "víuvas do Mikami", The Evil Within é um prato cheio com o melhor dos dois mundos: a inovação de uma nova franquia e os alicerces de Resident Evil 4. O jogo está disponível para PlayStation 3 e 4, Xbox 360 e One, e também para PC.

Alien: Isolation (2014)

Muitos jogos foram inspirados pela franquia Alien na indústria dos games, um grande exemplo disto é o próprio Dead Space, listado acima. Dito isto, Alien: Isolation pode ser o triunfo dos games da série, acertando de forma precisa no terror e na tensão de uma estação espacial abandonada.

Você assume o papel de Amanda, filha de Ripley - protagonista de "O oitavo passageiro" - que está em busca da mãe, na mesma estação espacial em que ela lutou anos atrás. Você está constantemente em estado de alerta, isso significa muitos momentos em stealth e prendendo a respiração na grande maioria das vezes para não ser pego pelo terrível monstro espacial. A sinergia de efeitos sonoros e tensão traz uma experiência fantástica para qualquer aficcionado do gênero, o fazendo merecedor de estar na lista de jogos de terror da década.

Alien: Isolation é desenvolvido pela The Creative Assembly e está disponível para PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch.

P.T. (2014)

P.T. é um caso triste da industria e principalmente para os entusiastas do terror. A demo desenvolvida pelos gênios da indústria do entretenimento, Hideo Kojima e Guillermo Del Toro, seria nada mais nada menos que o novo game da franquia Silent Hill e, possívelmente, uma das grandes cartadas da Konami para esta década. Infelizmente, devido ao rompimento entre Kojima e a desenvolvedora em 2015, o jogo nunca veria a luz do dia.

Esta demo é um caso curioso. Apesar de ser uma simples demonstração, é possível concluir ela de diversas maneiras possíveis, fora que, mesmo depois de anos, o pessoal da internet ainda encontra coisa nova eventualmente.

O jogo rodava em uma engine altamente otimizada, utilizando fotogametria e altas taxas de quadros para deixar P.T. o mais próximo do real possível, forçando os jogadores a ter uma experiência imersiva sem igual. Infelizmente, a Konami tirou a demonstração do catálogo da PlayStation Store, dando o tiro de misericórdia nos fãs.

Felizmente, nem tudo é tristeza, pois o próprio Hideo Kojima disse em suas redes sociais que está trabalhando em novo projeto, com juras de ser o game de terror jamais antes visto na indústria. Bom, in Kojima we trust!

Until Dawn (2015)

Sabe aqueles filmes de terror que passavam na TV aberta, onde um bando de adolescentes se mete onde não devem e acaba geral se dando muito mal? Esta é a receita básica do jogo, só que ela funciona com maestria.

O divertido de Until Dawn é que você joga com cada um desses adolescentes, e cada um tem uma característica peculiar. Por exemplo, temos a patricinha, o fortão, o inteligente e a mocinha do grupo e, apesar de não ser toda hora, eles trabalham em sinergia e proporcionam uma história diferente e recheada de plot twists.

Enquanto muitos jogos nesta lista estão aqui apenas por causa do medo, Until Dawn ganha seu espaço por ser um jogo de terror que faz o jogador rir e ficar tenso ao mesmo tempo; fora o fator decisão, que pode impactar profundamente o desenvolver do jogo.

Until Dawn é desenvolvido pela Super Massive games e está disponível de forma exclusiva para o PlayStation 4.

Layers of Fear (2016)

Layers of Fear é ousado e, apesar dos sustos, o jump scare por aqui não é a prioridade, diferente de outros jogos de terror da década. Ainda que toda a ambientação seja típica de jogos de horror, o foco é o terror psicológico, focando nas alucinações de um pintor perturbado, que começa a ver suas obras de arte de forma macabra.

O game é ambientado na mansão vitoriana deste pintor, que está tentando concluir uma de suas obras, mas parece ter perdido todo seu talento por conta de um acidente. Cabe a você ajudá-lo a desvendar aquilo que assombra sua mente e deduzir se o que acontece no local é real ou fruto da imaginação do artista.

Envolver o jogador na mente perturbada do personagem é o foco de Layers of Fear. Elementos como exploração e puzzles também fazem parte do contexto do jogo, cumprindo seu propósito de survival horror com maestria. Está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Resident Evil 7 (2017)

A franquia Resident Evil se perdeu nos trilhos há alguns anos atrás, mas parece ter se encontrado novamente. O sétimo título da saga é um jogo que todo o fã pediu desde o longíquo Resident Evil 3: um survival horror que abusa na tensão e na péssima sensação perseguição.

Desta vez um personagem diferente, Ethan Winters, que nunca havia aparecido anteriormente em nenhum jogo da franquia. Ethan precisa ir até uma mansão abandona no meio do nada e enfrentar seus piores pesadelos para resgatar Mia Winters, sua esposa. A grande sacada aqui é ver um personagem totalmente despreparado para lidar com este tipo de problema, diferente dos jogos anteriores da franquia, onde todo mundo já sabe como matar zumbis.

O jogo traz uma narrativa maravilhosa, aliada de elementos de survival horror, jump scare e o fator perseguição, que proporciona um sentimento similar a quando Nemesis perseguia Jill nas ruas de Raccoon City. Como eu disse no começo do artigo, este é um dos games que revolucionaram no quesito VR, onde a imersão é absurdamente profunda e proporciona uma experiência jamais vista antes em jogos de terror.

Resident Evil 7 está disponível para PlayStation 4 (VR), Xbox One, Nintendo Switch e PC.

Little Nightmares (2017)

Existe uma mistura de conto de fadas com os maiores medos da infância neste jogo, que da uma identidade única ao mesmo. Criado pelos mesmos produtores de Little Big Planet do PS Vita, Little Nightmares é ambientado em um mundo de fantasia totalmente bizarro e recheado de criaturas monstrengas. Apesar do design um tanto quanto, infantil, não é adequado para crianças, a menos que você queira traumatiza-las.

A premissa do jogo é simples, basta percorrer um caminho recheado de puzzles que, apesar da temática 2D, é similar a um jogo de plataforma de 3D, com uma belíssima profundidade de cenário. Vale ressaltar o trabalho de iluminação, que deixa os ambientes com uma atmosfera intimidadora.

Você controla Six, uma personagem de estatura frágil, e precisa escapar de um mundo bizarro, chamado The Maw. Diante dos mais diversos perigos, devemos arrastar móveis para alcançar maçanetas mais altas, subir em pilhas de objetos, escapar de monstros, enfim, um digno survival horror com pitadas de stealth, terror e suspense.

Little Nightmares está disponível para PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch e PC.

Visage (2018)

O fato de P.T. nunca ter dado as caras não foi problema para alguns entusiastas do terror, já que alguns desenvolvedores independentes trataram de produzir um sucessor espiritual do falecido Silent Hills. Visage é um desses exemplos e consegue transmitir uma experiência bem parecida com a jogada na demonstração da Konami, que outrora estava disponível na PlayStation Store.

Como de praxe dos jogos de terror, Visage se passa em uma mansão gigantesca, onde muitas coisas horríveis aconteceram; o jogo cria uma atmosfera opressora e assustadoramente tensa. Dwayne é o protagonista do game e um sujeito que está sendo aterrorizado com os horrores da mansão; você deve ajuda-lo a desvendar os mistérios das entidades daquele lugar e escapar com vida de lá.

Assim como em Amnesia, Dwayne é totalmente indefeso, já que não possui nenhum tipo de arma e nem contra-ataque para se defender. Além de todas estas limitações, também haverá um "medidor de estresse" que dispara conforme o personagem enfrenta situações de muita tensão.

Visage é desenvolvido pela independente SadSquare Studio e está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Resident Evil 2 (2019)

Se por um lado a Capcom acertou com a reformulação em Resident Evil 7, por outro ela quase atingiu a perfeição com o remake de Resident Evil 2. Um toque de nostalgia, uma ambientação fiél e claro, a qualidade visual e efeitos sonoros em níveis de sinergia jamais visto em nenhum jogo da franquia. O game só não é perfeito por conta de deslizes na trama, mas isso é papo para uma outra hora.

Na reimaginação de Resident Evil 2 você revisita a caótica Raccoon City, em uma fuga desesperada da cidade infestada de zumbis. É incrível o jeito com que o jogo foi moldado e, principalmente, como foi balanceado para deixar zumbis desafiadores ao extremo, coisa que já não se via há muito tempo na franquia. Personagens icônicos, inimigos desafiadores, ambientes escuros e estreitos, tudo alinhado ao toque impecável do estilo que consolidou Resident Evil em outrora: o survival horror.

Apesar de mudar alguns pequenos detalhes da história original, o game se reinventa e traz uma experiência simplesmente magnífica, destacando o exímio trabalho com a RE Engine. Resident Evil 2 é o jogo de terror obrigatório da década, sendo indispensável na coleção de todos os amantes do bom e velho terror. Está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC.

O fim de uma década

Esta foi a lista dos melhores games de terror da década aqui do Voxel. Obviamente, esta lista não está escrita em pedra, e outros títulos também merecem uma menção honrosa, como é o caso de Dying Light, The Last of Us (apesar de ser um jogo voltado mais para o gênero da ação), Five Nights at Freddy's, The Walking Dead da Telltale, entre outros.

O que será que a próxima década nos reserva? Vale mencionar que já temos dois grandes jogos anúnciados oficialmente, que inclusive serão lançados já no ano que vem: Resident Evil 3 (3 de abril) e The Last of Us Part II (29 de maio) que, apesar da ação, ainda conta com elementos de terror.

Gostou da lista? Acha que existem outros jogos de terror indispensáveis dessa última década? Comente conosco!

Os mais aterrorizantes e indispensáveis jogos de terror da década