A fabricante de chips Intel anunciou em uma conferência da CES 2015 que investirá US$ 300 milhões (R$ 805 milhões) em três anos para atrair mulheres e outras minorias a seu quadro de funcionários. Como uma empresa de tecnologia típica, a sua demografia de empregados é formada basicamente por homens brancos ou asiáticos.

O dinheiro também será usado para patrocinar 20 alunas de faculdade para irem a conferências de games, de acordo com o The New York Times. Tendo em vista que se trata de uma parceria com a International Game Developers Association, deve estar incluída no programa a GDC de São Francisco, o principal evento do mundo para desenvolvedores de games.

Com isso, a associação espera dobrar o número de mulheres trabalhando na indústria de games na próxima década. "Estou torcendo para que a liderança da Intel nessa questão encoraje outras companhias a segui-la e faça as mulheres perceberem que este é o momento delas", comentou Kate Edwards, diretora-executiva da International Game Developers Association.

Mais diversidade

Com isso, a empresa almeja apagar o vexame que passou em outubro do ano passado, quando retirou anúncios publicitários do site Gamasutra por pressão de apoiadores do GamerGate, um grupo que defende o status quo da atual cultura gamer, predominantemente masculina.

Em agosto, o site havia publicado um texto de opinião em que criticava a postura da indústria em ver o público masculino como a principal demografia de jogadores. Depois, a Intel se arrependeu da atitude e voltou a veicular a publicidade no site.

De acordo com relatórios das companhias de tecnologia, cerca de 70% de sua força de trabalho é composta por homens, e os negros representam apenas entre 2% e 7% da demografia, o que, obviamente, não espelha a diversidade da população de países como os Estados Unidos.

Via Baixaki Jogos

Cupons de desconto TecMundo: