A briga entre Sony e Microsoft não vai acabar tão cedo, ainda mais porque ela é alimentada por uma base de fãs que (em vez de aproveitar seus jogos e ser feliz) leva em conta a questão do desempenho dos respectivos consoles de cada marca e briga arduamente para convencer o mundo de que um console é melhor que o outro.

Também, não é para menos. Depois que as duas fabricantes prometeram revolucionar a jogatina com aparelhos capazes de rodar jogos com gráficos incríveis na resolução Full HD e com uma taxa de frames elevada, os jogadores acabaram criando uma grande expectativa e agora qualquer notícia falando em resolução é suficiente para criar um combate de fanboys.

No fim, acabou que nem um nem outro são capazes de manter sempre o mais alto desempenho nos games mais recentes. Há jogos em que um se sai melhor e tem também aqueles títulos que rodam bem nas duas plataformas. Alguns jogadores culpam os desenvolvedores, mas há quem diga que o problema está no hardware limitado dos aparelhos.

Pensando nisso tudo, resolvemos colocar os dois produtos em uma batalha para ver qual está se saindo melhor. Acima, você pode conferir o desempenho de cada um com os principais títulos multiplataforma.

Abaixo, vamos falar sobre o hardware, o software e a execução de games exclusivos. Além disso, vamos comentar sobre o Wii U (e como a Nintendo está se saindo nesse quesito) e outras questões pertinentes ao assunto.

Apresentando os competidores

PlayStation 4

  • Processador: AMD Jaguar octa-core de 1,6 GHz
  • Chip gráfico: AMD Radeon GCN 800 MHz com 1.152 núcleos (1,84 TFLOPS)
  • Memória RAM: 8 GB GDDR5
  • Memória de vídeo: compartilhada com a memória principal

Xbox One

  • Processador: AMD Jaguar octa-core de 1,6 GHz
  • Chip gráfico: AMD Radeon GCN 800 MHz com 768 núcleos (1,23 TFLOPS)
  • Memória RAM: 8 GB DDR3
  • Memória de vídeo: compartilhada com a memória principal

Como você pode ver, as especificações dos dois aparelhos são bem parecidas, algo que nos leva a entender o porquê das limitações e semelhanças em questão de performances na maioria dos títulos.

Entretanto, mesmo rodando com um processador quase idêntico, os dois produtos utilizam arquiteturas diferentes e contam com grandes mudanças no chip gráfico. A tecnologia é a mesma nos dois produtos, mas as limitações no Xbox One são notáveis devido à redução de núcleos e ao tipo de memória RAM utilizado.

Quais as diferenças em termos de software?

Bom, quando falamos em execução de jogos, o hardware não é a única variável que gera impacto direto no desempenho. O software é também um aspecto fundamental para a reprodução de um game, visto que o sistema operacional e seus respectivos recursos são fundamentais para fazer a ponte entre os dados do jogo e o hardware.

Basicamente, um programa pouco otimizado (seja o jogo com sua respectiva engine, a API do console ou o próprio sistema operacional) pode reduzir a qualidade de um game e interferir no resultado visual e no desempenho geral.

O PlayStation 4 trabalha com um sistema operacional próprio. O sistema dele é uma versão adaptada do FreeBSD 9 com diversas otimizações para o hardware. A plataforma gráfica (a API) é a GNM/GNMX, que é baseada no OpenGL.

O Xbox One, por outro lado, roda o sistema Xbox OS, que é um software baseado no Windows. Como você deve imaginar, por se tratar de um produto Microsoft, o Xbox One usa o DirectX para rodar os jogos. Atualmente, os games são programados com o DirectX 11, mas o console vai receber uma atualização para o DirectX 12 que deve garantir melhorias de desempenho.

Não dá para dizer qual é API é melhor ou pior, pois ambas possuem suas qualidades e defeitos. Alguns recursos são mais fáceis em uma ou outra, mas, no geral, as duas conseguem resultados muito similares, motivo pelo qual não notamos tanta diferença nos títulos multiplataforma.

Contudo, apesar de trabalharem bem com as texturas, filtros e recursos gerais (iluminação, sombra, modelagem), isso não quer dizer que as duas oferecem o mesmo desempenho quando atuam com diferentes motores gráficos.

Assim, é perfeitamente possível afirmar que as APIs têm suas vantagens em determinados jogos, o que pode também causar impacto na questão da resolução e dos frames de cada game listado no começo do artigo.

PlayStation 4 e seus exclusivos

Conforme podemos conferir, os games exclusivos de PlayStation 4 (apesar de que há alguns dessa lista que ainda não foram lançados) rodam sempre na resolução 1080p. Os estúdios da Sony e os parceiros que estão criando games especiais para o PS4 vêm focando seus esforços na otimização dos títulos para garantir a qualidade máxima no quesito resolução.

Os frame rates de muitos games são configurados para 60 fps, o que garante a melhor experiência para o jogador, mas há um ou outro jogo que roda a 30 fps. Alguns títulos que ainda não foram lançados podem acabar tendo modificações em suas especificações de execução, mas, por ora, o PlayStation 4 tem mostrado os melhores resultados com seus games próprios.

Xbox One e seus exclusivos

O console da Microsoft, por outro lado, tem um catálogo de exclusivos que geralmente rodam na resolução de 720p, com um ou outro título rodando com melhor definição. Há somente dois jogos (Forza Motorsport 5 e Kinect Sports Rivals) que rodam em 1080p e alguns outros que são executados com padrões diferentes, como o 900p (Ryse: Son of Rome) e o 792p (Titanfall).

Quanto à fluidez, fica claro que as limitações do console acabam influenciando diretamente nessa questão. Mesmo reduzindo a resolução, o produto da Microsoft acaba rodando um ou outro game a 30 fps. Com isso, fica claro que o Xbox One está perdendo a briga por enquanto.

Como fica o Wii U nessa história?

  • Pikmin 3 - 720p a 30fps
  • Mario kart 8 - 720p a 60fps
  • Super Mario 3D World - 720p a 60fps
  • Wonderfull 101 - 720p a 60fps
  • Bayonetta 2 - 720p a 60fps
  • Donkey Kong Country: Tropical Freeze - 720p a 60fps
  • Sonic Lost World: 720p/60fps
  • Super Smash Bros: 1080p a 60fps
  • The Legend of Zelda: The Wind Waker HD: 1080p a 60fps
  • Rayman Legends: 1080p a 60fps

Bom, o Wii U é um console de nova geração, mas, por conta das diferenças de hardware (que são significativas), não achamos justo colocá-lo na comparação com os produtos da Sony e da Microsoft. Por ser algo que foi lançado muito tempo antes dos concorrentes, o video game da Nintendo tem alguma desvantagem em games multiplataforma.

Resolução x Frame rate

Quando tratamos de desempenho, há uma série de fatores em pauta que podem fazer a diferença na experiência geral do game. Contudo, geralmente as diferenças notáveis ficam por conta apenas de dois quesitos: resolução e frame rate.

A resolução serve para deixar o conteúdo mais nítido e definido, assim, basicamente, quanto maior a resolução, melhor será o visual do jogo (deixemos de lado aqui a questão das texturas, filtros e outros detalhes que são trabalhados ainda no desenvolvimento).

Nos consoles, muitos jogos atuais são executados com a resolução 720p (que é composta por 1.280 pixels na largura e 720 pixels na altura). Multiplicando esses números, você consegue saber que em um único quadro (ou seja, uma imagem estática de um jogo) é composto por 921.600 pixels.

Há, contudo, alguns títulos que podem ser reproduzidos com a resolução 1080p (1.920 pixels na largura e 1.080 pixels na altura). Esse padrão, por sinal, é o mais comum nas televisões da maioria dos jogadores, sendo a qualidade mais desejável para obter mais definição nos games.

Da mesma forma como deixa um jogo mais bonito, uma resolução mais elevada causa impacto direto na performance geral. Em resumo, quanto mais pixels forem necessários para compor uma imagem, mas trabalho será necessário do processador e do chip gráfico, o que, na prática, pode significar uma redução no frame rate (que muitos chamam de velocidade).

O frame rate é basicamente a taxa de frames do jogo, ou seja, a quantidade de quadros que é exibida por segundo. Como você já deve saber, um game, assim como um filme, ganha a característica de animação graças à sobreposição de quadros. É essa continuidade que dá a sensação de que os objetos estão se movimentando.

Então, quanto mais quadros são reproduzidos em um segundo, mais fluido será o jogo. Da mesma forma, quando um game é reproduzido com um frame rate baixo, o jogador tem a sensação de que as animações estão acontecendo em câmera lenta.

O que é melhor?

A verdade é que cada jogador enxerga um game de forma diferente. Alguns acreditam que não há diferença entre o 1080p e o 720p, alegando que a distância entre os olhos e a tela acaba impedindo a distinção, sendo que as diferenças seriam mínimas e não representariam grande vantagem.

Entretanto, precisamos considerar que, independente da sensação que o jogador tem quanto aos visuais, os consoles modernos deveriam ser capazes de trabalhar com a resolução mais elevada.

Quanto ao frame rate, caímos novamente no problema de percepção. Há quem diga que 60 fps é um desperdício de processamento, visto que o jogo já roda muito bem a 30 fps. Na verdade, há um ou outro título que realmente não apresenta diferença impactante quando são reproduzidos 30 quadros por segundo, mas a maioria fica melhor em 60 fps.

Há ainda que considerar que alguns jogos (como jogos de luta, FPS e corrida) devem obrigatoriamente rodar a 60 fps para garantir a fluidez nas animações e não causar estranhamento ao jogador.

Em computadores mais fracos, é possível conferir como há uma grande diferença ao rodar um jogo a 30 fps. Ao jogar Street Fighter X Tekken, por exemplo, até mesmo as animações na tela de seleção de personagem ficam péssimas. Como você pode conferir no vídeo abaixo, a luta acontece em câmera lenta e fica impossível realizar alguns combos.

Nos video games, isso geralmente não acontece, pois as desenvolvedoras sabem projetar seus games para oferecer uma experiência que seja no mínimo aceitável. Assim, mesmo os jogos que rodam a 30 fps não causam esse tipo de efeito indesejável. De qualquer forma, esse exemplo serve bem para você ter uma ideia de como a questão do frame rate é importante.

O ideal mesmo seria que os games para os novos consoles tivessem opções de resoluções e frame rates para o jogador decidir o que prefere. O jogo Final Fantasy XIV para PlayStation 4 é um título que vem com essa configuração, sendo que o jogador pode decidir se prefere executar o game com resolução Full HD (1080p) ou HD (720p).

A melhor experiência realmente é o 1080p a 60 fps, mas, na impossibilidade de rodar com esses parâmetros, às vezes — se o jogador achar válido — seria melhor sacrificar a resolução para ter uma experiência mais fluida.

Gráficos impressionantes somente na próxima geração

Enfim, levando tudo isso em conta, podemos dizer que o PlayStation 4 ainda está na frente no que diz respeito a resolução e frame rate, mas nem sempre ele consegue manter a experiência mais adequada. Atualmente, é possível afirmar que os jogadores que desejam a resolução Full HD (ou até 4K) só poderão se contentar com um computador de alto desempenho.

Quanto aos video games, podemos arriscar um palpite de que, mesmo com o amadurecimento das plataformas e a introdução de novos recursos para o desenvolvimento dos games, não veremos tantos jogos mantendo 1080p e 60 fps nesta geração. O uso excessivo de filtros e texturas de alta resolução impede o trabalho com tais características.

É bem possível que gráficos mais próximos daqueles que vemos nos computadores só apareçam na próxima geração de video games. De qualquer forma, não dá para menosprezar os visuais proporcionados pelo Xbox One e pelo PS4 — e até mesmo pelo Wii U, que, mesmo com especificações mais básicas, vem dando um show de visuais —, pois eles ainda são impressionantes e devem render muitas boas experiências.

O que você acha sobre tudo isso? É válido ficar se preocupando com tais detalhes?

Via BJ

Cupons de desconto TecMundo: