A relação das pessoas com os video games é muito mais profunda do que qualquer criador extremamente otimista de softwares nos anos 80 poderia ter imaginado. Em meados de 1980, os gamers que tiveram acesso às primeiras centrais interativas de diversão eletrônica, que conhecemos como “Atari”.

Em se tratando de Brasil oitentista, podemos relembrar que a economia do país estava se recuperando de um baque que viria a ser retrabalhado um ano depois da metade da década, com as primeiras eleições diretas depois de muitos anos de militarização do governo federal. Isso quer dizer que para comprar um Atari Polyvox 2600, o cara tinha que “ter bala na agulha!”.

Os salgados preços praticados com no lançamento do gerava muita repercussão dos pais, principalmente quando eles diziam que era preciso cuidar "com carinho" do Atari porque ele havia custado muito, mas muito caro mesmo. Pensando por esse sentido, duas informações recentes nos levam a pensar sobre o custo relativo e absoluto das plataformas quando elas são lançadas.

O quão válido é reclamar?

A primeira das curiosidades é que neste ano o Atari comemora seu aniversário de número 35. Na sequência, no próximo dia 18 de novembro, a Nintendo pretende lançar o novíssimo Wii U. O console foi anunciado com preços iniciais, nos Estados Unidos, a partir de US$ 300 (R$ 608, de acordo com a cotação do dia). Claro que esse valor não é o real para os brasileiros, pois o país pratica altíssimas cargas tributárias nos produtos importados.

(Fonte da imagem: Reprodução/Gamasutra)

Mesmo assim, quanto será que um Ataria custaria, se fosse lançado hoje? Será que os trezentos e poucos dólares do Wii U são justos ou será que a Nintendo poderia ter reduzido ainda mais os gastos? Você se lembra de Mega-Drive, Game Cube, NeoGeo e as relações de preços entre as plataformas e a época de lançamento?

O site Gamasutra publicou recentemente duas tabelas, contendo uma relação de preços dos video games na época em que eles foram lançados, já submetidos ao acréscimo incidido pela variação sempre crescente na inflação. As informações contidas nas imagens são impressionantes e nos dizem uma grande variedade de detalhes sobre a existência de inúmeras plataformas famosas ou menos conhecidas.

(Fonte da imagem: Reprodução/Gamasutra)

Quanto custaria um Atari?

O console inicial da era dos video games, o patriarca da vampiresca safra de consoles, foi lançado no mercado mundial com o preço de US$ 200. Atualmente, se um Atari estivesse prestes a desembarcar no porto mundial de lançamentos, somando vários anos de inflação e muitas reviravoltas na economia, a plataforma deveria estar sendo comercializada por estrondosos US$ 756 — nos Estados Unidos.

Já no mercado brasileiro, quando alguém compra um console que não é fabricado no Brasil, o consumidor é obrigado a pagar em torno de 60% a 70% do valor do produto, correspondendo somente à carga tributária aplicada a ele. Portanto, o Atari partiria de US$ 756 ou R$ 1.600 na cotação de hoje, mais 60% a 70% do valor de importação, contando IPI e demais tributos. O preço final do console que seria praticado nas lojas deveria girar em torno de R$ 2.800 a R$ 3 mil — contendo um controle, um cabo para ligar o console na TV e um cartucho simples.

(Fonte da imagem: Reprodução/WikiPedia)

Logicamente que não podemos simplesmente tirar uma relação direta de valores, sem pensar no contexto da época do Atari e no potencial industrial dos dias atuais. A tecnologia de produção está muito evoluída, bem como os custos de produção tiveram um decréscimo considerável no preço dos produtos finais.

Tudo isso, somado à padronização dos produtos, aos países que disponibilizam mão de obra mais barata e à maior abundância dos insumos tecnológicos nos possibilita entender um pouquinho melhor se o Atari era caro demais mesmo.

Casos peculiares

Ao olhar para os dois gráficos, duas barras saltam da figura e chamam mais atenção de nossos olhos. São os preços do NeoGeo e do 3DO — os consoles mais violentos do mercado, na época. A violência é no sentido de ambas as plataformas serem mais “especializadas” em títulos de luta, principalmente em gamers que povoavam os fliperamas da época.

(Fonte da imagem: Reprodução/360blog)

O NeoGeo foi lançado por US$ 650 enquanto o 3DO saía por US$ 700. Se fossem nos dias atuais, o primeiro console seria comercializado por US$ 1.138, o equivalente a exorbitantes R$ 2.307, de acordo com a coação de hoje. Já o segundo seria vendido por US$ 1.113 ou R$ 2.256 para quem tivesse condições financeiras de comprá-los.

Por outro lado, outro dado marcante na lista fica por conta dos baixos preços de lançamento de Dreamcast e de GameCube. O console da SEGA custava US$ 200 (R$ 559,59) e, se fosse hoje, custaria US$ 276, um preço bem abaixo dos atuais consoles lançados no mercado.

(Fonte da imagem: Reprodução/MediaCommons)

O GameCube também contava com o mesmo preço de lançamento e, atualmente, teria custo de US$ 258. Em termos de custo inicial, essa relação custo-benefício deveria ter provido muito mais sucesso para ambos os consoles, tendo em vista a breve longevidade compartilhada pelos dois. A qualidade motora tanto da plataforma da Nintendo, quanto a capacidade de processamento da máquina da SEGA eram excelentes.

No entanto, o lançamento do PlayStation 2 — que custada pelo menos 50% a mais do que o DC — conseguiu sobrepujar as vendas do concorrente, de uma tal maneira que a SEGA desistiu do mercado de consoles.  Já o GC ofereceu bem mais resistência, mas acabou perecendo devido a sua escassez de jogos e ao crescente poder carismático do Highlander da Sony.

Relação com consoles atuais

É bastante fácil concordarmos que a chegada do Wii U pode representar um marco na história da indústria de games. As interações únicas do novo console com o controle em formato de tablet e as capacidades online do console pretendem justificar o título de “video game mais caro já lançado pela companhia”.

(Fonte da imagem: Divulgação/Nintendo)

A média de preço atual para um console é US$ 300 (R$ 608, na cotação de hoje). Com exceção do oneroso PlayStation 3, que saiu por salgados US$ 500 (aproximadamente R$ 1.106), o preço dos video games sofreu uma pequena queda, oscilando com ligeiras altas.

A chegada dos próximos consoles deve encarecer um pouco essa lista de valores, sem pensar que é sempre preciso desembolsar uma quantia extra para comprar alguns jogos.

Preço razoável

Dito tudo isso, podemos concluir que o preço das plataformas não variou tanto assim com o tempo. Mesmo com saltos tecnológicos e com a alta melhoria na produção de equipamentos, a estimativa de custo permaneceu com uma certa regularidade. Tirando algumas exceções um pouco absurdas, como o 3DO e NeoGeo, o custo dos consoles nos EUA flutua sempre entre 300 e 400 dólares — bem razoável.

(Fonte da imagem: Reprodução/BJ)

Se convertêssemos esse valor para a nossa moeda, certamente teríamos uma emoção muito grande ao ver video games das gerações mais atuais sendo lançados por valores que não alcançam os mil reais. No entanto, a carga tributária, que atrapalha a vinda de indústrias, acabaria com a alegria dos fãs brasileiros e elevaria os preços para um patamar quase “impagável”.

Por outro lado, não adianta muito lançar um console barato, se não há muito que jogar nele. Você compraria um Atari 2600 hoje?

Fontes: Gamasutra, 1UP, Critical Hits

Via BJ

Cupons de desconto TecMundo: