Video games resolvendo os problemas da humanidade [coluna]

4 min de leitura
Imagem de: Video games resolvendo os problemas da humanidade [coluna]
Avatar do autor

Alguns jogos adentram a dimensão que transcende a simples jogatina e apresenta uma nova realidade do universo gamer. Certamente você já deve ter pensado em nomes como Flower, flOw e Journey, Portal e Quantum Conundrum, toda a série Professor Layton — dos portáteis da Nintendo —, ou, quem sabe Captain Novolin (um jogo produzido por uma empresa farmacêutica com o intuito de ensinar as crianças sobre a diabetes).

(Fonte da imagem: Reprodução/MuseumdosGames)

Embora você esteja seguindo uma linha de raciocínio muito interessante, a designer de games Jane McGonigal tem uma opinião um pouco mais radical. Também estamos de falando de jogos massivos online, como World of Warcraft. De acordo com uma pesquisa realizada pela designer, os jovens no mundo inteiro investem, juntos, cerca de três bilhões de horas por semana jogando games online. McGonigal acredita que, para que os jogadores consigam ajudar a resolver os problemas do mundo, esse número precisa aumentar.

É isso mesmo que você leu. Essas horas, na realidade, não são suficientes para ajudar a resolver os problemas do mundo. Mas o que uma coisa tem a ver com a outra? De acordo com a criadora de jogos online, a maior enciclopédia livre online do mundo é a Wikipédia. A segunda maior fonte de informações massivas do planeta é a enciclopédia sobre World of Warcraft — construída em uma infinidade de idiomas diferentes e com informações incrivelmente confiáveis e úteis.

Organizando as ideias

Agora que você leu as informações acima, que tal incentivar você mesmo a cultivar hábitos saudáveis para a construção de um mundo melhor à sua volta? E não se trata de um universo online com mais itens, e sim de uma realidade “real” de verdade.

A revista Galileu publicou em seu site uma reportagem que diz: “Gamers ajudam a desvendar a proteína da AIDS. Jogadores descobriram em três semanas o que cientistas buscam há uma década”. E ainda tem mais: "Umeji Narisawa joga Bomberman para NES há 26 anos e diz que ele ajuda a manter a boa forma de seu cérebro".

(Fonte da imagem: Reprodução/Galileu)

Muitos estudos da Associação Médica Americana mostram uma correlação positiva entre a jogatina frequente com o aumento da memória e das capacidades cognitivas do cérebro. A isso, ainda podemos acrescentar que é durante o período em que você está jogando o momento em que você consegue obter seu maior nível de concentração. Sem contar que para ficar 100% concentrado em um jogo você precisa de no máximo cinco minutos...

Jane McGonigal propõe que a motivação recebida dentro dos universos dos jogos online possa ser diretamente revertida para o desenvolvimento intelectual da humanidade real. Mais do que isso, toda a qualidade de estímulos tem capacidade de formar hábitos heroicos para as pessoas obterem suas vitórias épicas na vida real — quando elas nem imaginavam que isso era possível (“Epic Wins”!).

Aumentando a qualidade de vida, no mínimo

Suponhamos que os jogadores de video game não tenham vocação científica nenhuma. De uma hora para a outra, aparece um game baseado em uma realidade futura e possível, ambientada num mundo no qual o petróleo não é mais uma realidade. A prerrogativa seria mais ou menos a seguinte:

“Estamos em um mundo sem petróleo, prestes a viver uma história intrigante e genial. Então, você tem que descobrir uma maneira de conseguir levar uma vida normal sem o extinto recurso e também precisa fazer com que isso afete o resto do mundo de uma maneira aceitável.”

Tudo isso seria um MMO(RPG?), com gráficos parecidos com os da série Fallout  e no qual as pessoas teriam liberdade para botar suas ideias em prática. Assim que você constrói sua solução, você é convidado a escrever um diário ou publicar seus resultados em blogs, postar vídeos do seu progresso e explicar como as coisas vão funcionar na maneira que você descobriu.

Quem diria que o futuro do abastecimento global pode ser descoberto pelo raciocínio de um jogador de video game?

Por favor, não é só isso

Os games nos incitam a ser mais cooperativos e a ter disposição para fazer o que realmente importa. Talvez, os jogos revelem a “melhor versão” de cada um de nós — pelo menos enquanto estamos jogando. Não que você não seja bom na vida, mas que tal usar a vivência online como fonte de inspiração?

(Fonte da imagem: Reprodução/YouTube)

A prova disso é a quantidade de gamers que acham que podem fazer toda a diferença no mundo virtual. Duvida? Quantas vezes você encararia uma mesma quest para derrotar um demônio em Diablo III ou em WoW , mesmo que você já tenha realizado esta tarefa em sua lista de desafios? Muitas, não é mesmo?

Estamos usando os games hoje para escapar de tudo o que não nos satisfaz na realidade. A próxima década promete ser um período especial para os gamers, que vão assumir um papel cada vez mais importante e sério na sociedade. Video game não é mais “coisa de criança” já faz algum tempo.

“Quando?”

O momento para você começar a usar a inspiração que você obtém nos games para fazer do mundo um lugar melhor tem previsão de chegada ainda para hoje, depois que você ler esta coluna, jogar um pouco e ir produzir um trabalho brilhante! Não perca, nem deixe para depois!

Via BJ

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Video games resolvendo os problemas da humanidade [coluna]