Dangerous Golf: novo game dos criadores de Burnout é pura destruição

2 min de leitura
Imagem de: Dangerous Golf: novo game dos criadores de Burnout é pura destruição
Avatar do autor

Os desenvolvedores por trás de Burnout podem não estar mais trabalhando em títulos da franquia, mas isso não quer dizer que eles pararam por completo com seus projetos. Muito pelo contrário: a equipe da Three Fields Entertainment, formada por ex-membros da Criterion, está trabalhando em um game ainda mais curioso – e igualmente cheio de destruição, chamado Dangerous Golf.

Caso você esteja se perguntando sobre o que há de estranho no título, basta dizer que Alex Ward, um dos desenvolvedores por trás do projeto, descreve o game como um “simulador de bagunça”. A descrição não é à toa, pois seu objetivo aqui é destruir o maior número possível de objetos por nível, usando uma bola de golfe superpoderosa para quebrar tudo pelo caminho.

Ah, sim. Esquecemo-nos de um pequeno detalhe: tudo isso acontece em cenários bizarros, como lojas de antiguidades, museus, salas repletas de prataria e muitos outros. Então, se você é daqueles que sempre pensaram em trazer um pouco de caos para esses lugares supermonótonos e organizados, essa é sua chance.

As regras de Dangerous Golf são surpreendentemente simples. Em cada fase, você deve primeiro mirar sua bolinha e dispará-la, tentando causar o maior estrago possível. Junte pontos suficientes e você poderá ativar o modo Smashbreaker, que transforma a esfera em uma bola flamejante: nessa “forma”, você tem maior controle do movimento da bolinha, e tudo ocorre em câmera lenta.

Mas e quanto à parte do golfe? Bem, você também deve tentar fazer a bolinha cair no buraco da sala antes de sua esfera perder velocidade. Caso ela pare sem ter acertado seu alvo final, o jogador perde metade dos pontos adquiridos.

Esses são apenas os elementos básicos de Dangerous Golf, é claro. Além dos diversos cenários, que incluem mais de 100 buracos diferentes e modos de jogo que incluem partidas competitivas e cooperativas on e offline, com o avançar das fases você também terá que lidar com elementos como cola e até mesmo bombas, junto com objetivos extras, que mudam a maneira de encarar os desafios.

O resultado, como você pode ver logo abaixo, é algo extremamente simples e totalmente insano – mas igualmente divertido. Obviamente, também não poderia faltar a possibilidade de desacelerar o tempo durante a partida, para que você possa observar as explosões e a destruição ao seu redor.

Um jogo com cara de motor de física

Se você achou a visão de toda essa destruição familiar, saiba que isso não é sem motivos. Segundo Ward, Dangerous Golf tem inspirações pesadas naqueles vídeos que mostram o poder de motores de física, nos quais objetos e até cenários inteiros são destruídos – algo que toda a equipe da Three Fields Entertainment adora ver.

Fazer um game como esses não é fácil como muitos podem estar imaginando, uma vez que o foco de Dangerous Golf pede da Unreal Engine 4 um trabalho do motor de física bem mais realista do que a maioria dos títulos do mercado oferece. Felizmente, após meses trabalhando com a NVIDIA (e indo contra todas as recomendações deles), a equipe chegou a um resultado que parece bastante satisfatório.

Pois é. O jogo do qual a Three Fields tanto estava falando, no fim das contas, não era um Burnout nem um sucessor espiritual, como pensávamos. Mas o que importa é que esse título promete muita diversão para quem estiver em busca de uma jogatina descontraída. Agora é esperar o lançamento do game – previsto para chegar digitalmente em 3 de junho deste ano no PC, PS4 e Xbox One – para saber se ele é realmente tão bom quanto parece.

O que você achou do game Dangerous Golf? Comente no Fórum do TecMundo

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Dangerous Golf: novo game dos criadores de Burnout é pura destruição