(Fonte da imagem: F-22 Raptor Team Web Site)

Boa parte dos caças que atualmente compõem os exércitos estão ultrapassados. A maioria já está em serviço há décadas e, mesmo que ainda seja capaz de enfrentar uma batalha, é fácil perceber que alguns deles simplesmente deveriam ser aposentados.

Mas isso não quer dizer que os exércitos não estejam cientes disso: muitos países já estão colocando novos caças extremamente poderosos em suas linhas de frente, para manter a supremacia aérea pelas próximas décadas. Para que você fique atento a essas novas máquinas de guerra, siga essa lista feita pelo Tecmundo.

1- F-22 Raptor

(Fonte da imagem: F-22 Raptor Team Web Site)

Considerado por muitos como o caça de combate mais poderoso do exército americano, o F-22 foi criado com o objetivo de ser imbatível tanto no ar quanto na terra. Para isso, ele conta com armamentos pesados, como sua metralhadora M61A2 e dois mísseis AIM-9, além de sua capacidade de atingir velocidades de até Mach 2.2 (2.410 km/h).

Ele também pode ser equipado com ainda mais poder de fogo, de acordo com a situação. Assim, ele ganha até seis mísseis AIM-120 AMRAAMs, para uma disputa ar-ar, ou ainda troca quatro deles por duas bombas de 1000 libras GBU-32 JDAMs para o caso de um bombardeio.

Embora não seja sua especialidade, o Raptor é capaz de fazer missões de reconhecimento graças à sua estrutura feita de materiais que o tornam praticamente invisível aos radares. A presença de vários sensores extremamente avançados também ajuda consideravelmente.

2- F-35 Lightning II

Ampliar (Fonte da imagem: F-35 Lightning II)

Se o Raptor é o caça mais poderoso, o F-35 é o mais versátil. Com um design semelhante ao do F-22, muitos consideram o Lightning II como uma versão menor do primeiro colocado dessa lista. Mas embora eles sejam parecidos, seu uso é um pouco diferente.

Isso porque enquanto o Raptor só consegue ser realmente útil em batalha, o F-35 pode ser usado para todas as ocasiões, de batalhas aéreas a missões de espionagem. Ele é menos veloz que seu “irmão maior”, atingindo Mach 1.6 (1.960 km/h), mas é o único caça existente da classe STOVL, ("Short TakeOff and Vertical Landing" ou "decolagem em distâncias curtas e pouso vertical").

3- T-50 PAK FA

Não são apenas os Estados Unidos que contam com caças poderosos, e o T-50 é o exemplo perfeito disso. Ele foi criado pelo exército russo especialmente para ser o rival do F-22, com especificações quase idênticas às do avião americano, mas custando três vezes menos que ele.

Atualmente, apenas dois protótipos do PAK FA foram apresentados ao público, mas mostraram que ele é realmente capaz de se igualar ao Raptor. Mesmo assim, o F-22 ainda deve ficar com a superioridade por mais algum tempo, já que a produção em massa do T-50 só começará a partir de 2014.

4- Su-47

(Fonte da imagem: Wikimedia Commons)

É difícil não reconhecer um Su-47, mesmo em meio a outros caças. Isso porque suas asas são invertidas, dando a ele uma aparência peculiar. Mas isso não é apenas por uma simples questão estética: com essas asas, ele consegue levantar voo e pousar em pistas menores, além de ter muito mais estabilidade e ser capaz de realizar manobras aéreas impossíveis para muitas aeronaves parecidas.

Assim como o T-50, esta é uma aeronave russa experimental. Seus quatro protótipos se mostraram promissores, mas ainda precisam de mais testes para poderem ser colocados em uso.

5- Eurofighter Typhoon

Não se engane pela aparência um tanto incomum desse avião europeu. Ele é uma verdadeira máquina de destruição, capaz de carregar uma quantidade enorme de mísseis e bombas.

 

O design único de suas asas (em forma quase triangular) permite que este veículo atinja velocidades de até Mach 1.6 (1.960 km/h) ao preço de perder em estabilidade — motivo pelo qual, no Typhoon, o canard (as asas menores ao lado da cabine) tem extrema importância para o controle da nave.

Este avião merece destaque por ter criado uma verdadeira família de caças: ele é atualmente usado por diversos exércitos, e para cada local teve diferentes alterações em sua estrutura. Alguns, por exemplo, contam com um revestimento para ser “invisível” a radares; outros, como no caso do modelo usado pela Arábia Saudita, têm seu canard invertido, para ganhar mais estabilidade nos voos.

Para aqueles que estão se perguntando o porquê da “boca” no Typhoon, a verdade é que aquilo não é nada especial. Ela é apenas a entrada de ar dos motores que, no lugar do design comum, dividido em duas passagens debaixo das asas, foi movida para debaixo da cabine.

6- Su-37

O irmão mais velho do Su-47 pode perder em avanços tecnológicos, mas nem por isso deixa de ter suas qualidades. O Su-37 foi desenvolvido para ser manobrável ao extremo. E pelo visto, esse objetivo foi alcançado com sucesso, como é possível ver no vídeo abaixo.