De acordo com a publicação CyberScoop, o FBI estaria marcando reuniões com representantes de grandes companhias norte-americanas para coagi-las a abandonar produtos da empresa russa de segurança digital Kaspersky. A companhia é conhecida por seus produtos antivírus e tem uma das melhores reputações atualmente no meio digital. Contudo, o FBI aparentemente acredita que a Kaspersky é uma ameaça à segurança nacional dos EUA.

Por isso, a agência estaria convencendo empresas, especialmente do setor de energia e de tecnologia, a cortar relações com a Kaspersky pelo simples fato de esta ser uma desenvolvedora baseada em Moscou.

Acusam superficialmente a Kaspersky de estar fornecendo dados de usuários ao governo russo

Outros argumentos acusam superficialmente a empresa de estar fornecendo dados de usuários ao governo russo e ajudando o país adversário a espionar nomes da política norte-americana. Essas informações foram obtidas pelo CyberScoop através de briefings internos vazados do FBI.

Ainda segundo a publicação, empresas do setor de energia que receberam agentes do FBI foram convencidas do suposto alto risco que a Kaspersky representa, acreditando em possíveis ligações entre a desenvolvedora e a agência de espionagem russa, KGB. Companhias do setor de tecnologia, por outro lado, estariam sendo bem mais resistentes dadas as “evidências pouco concretas”.

O que a empresa diz?

A Kaspersky negou as acusações e declarou oficialmente ao CyberScoop que tem tentado entrar em contato com o FBI para sanar dúvidas a respeito de sua índole. “O CEO Eugene Kaspersky se ofereceu repetidamente para se encontrar com agentes e também se mostrou disponível para dar um depoimento ao congresso norte-americano, além de ter oferecido o código fonte da empresa para auditoria e respostas para qualquer dúvida que o governo possa ter. Mas, infelizmente, a Kaspersky Lab não recebeu nenhum retorno”, disse um porta-voz ao veículo.

Segundo o site, a desenvolvedora estaria em busca de uma oportunidade para resolver a situação, mas as condições políticas norte-americanas impedem que isso aconteça. Fora isso, um ex-funcionário da NSA (a agência de espionagem dos EUA) inteirado no assunto explicou publicamente que essa perseguição contra Kaspersky por parte do FBI não passa de um movimento político, não tendo qualquer relação real com os produtos da companhia russa.