Um Moto G4 Plus, da Motorola, causou um incêndio em Maceió no início desta semana. O smartphone entrou em combustão espontânea enquanto carregava na tomada durante a madrugada da última segunda-feira (15). Os três moradores da casa afetada, Willians da Silva, sua esposa e filho sofreram queimaduras.

Silva contou ao GazetaWeb que sua esposa notou por volta das 04h da manhã que havia alguma coisa errada na residência. Quando ela abriu a porta do quarto, viu a sala em chamas. Enquanto ela foi buscar o filho no quarto, o esposo atravessou o fogo para abrir a porta da casa e salvar sua família do incêndio.

“Acredito que foi algo divino porque as chamas eram muito altas, e a porta de alumínio estava muito quente. Mesmo assim, passei pela porta e minha família conseguiu sobreviver”, disse o vendedor ao periódico alagoano.

Os vizinhos começaram a combater o fogo com baldes

Quando a família conseguiu sair da residência, o Corpo de Bombeiros foi chamado e, enquanto a brigada de incêndio não chegava, os vizinhos começaram a combater o fogo com baldes, mesmo com o bairro sem água por conta de um rodízio em Maceió.

Willians sofreu queimaduras de primeiro e segundo grau em 20% do corpo, mas se recupera. A esposa e o filho tiveram queimaduras menores. “Já entrei em contato com a fábrica do aparelho e ficaram de prestar assistência à família. Vamos conferir, né?”, disse Silva.

Através de uma nota, a assessoria da Motorola confirmou que vai prestar assistência aos feridos e investigar as causas do acidente. Confira o texto oficial:

“A empresa já entrou em contato com Willians da Silva para oferecer suporte e analisar detalhadamente o aparelho para entender o ocorrido. Por se tratar de um caso isolado, acreditamos que é prematuro especular as causas do incidente sem antes concluirmos todas as análises necessárias. A empresa reforça que todos os seus produtos são cuidadosamente projetados e fabricados com os mais altos padrões de excelência em qualidade, sendo submetidos aos testes rigorosos para oferecer ótimo desempenho para o consumidor”.