Cumprindo uma das promessas feitas por João Doria junto aos contribuintes paulistanos durante o período eleitoral, a Prefeitura de São Paulo finalmente deve aposentar os carros particulares ao recorrer a aplicativos de táxi. O projeto foi oficializado na última sexta-feira (7), quando a 99 venceu a licitação relativa ao novo método de transporte da casa, oferecendo um lance de R$ 2,46 por quilômetro.

O contrato no valor de R$ 50 milhões tem validade inicial de um ano, prevê que 1,7 milhão de quilômetros serão rodados no período e pode ser renovado por mais doze meses – se for de interesse de ambas as partes, claro. Com a parceria, a ideia é que os cofres da cidade tenham uma boa economia na hora de fazer com que 15 mil funcionários da prefeitura possam se locomover no exercício de sua profissão.

Um bom negócio para a 99

Afinal, em 2016, o gasto com esse tipo de atividade beirava os R$ 170 milhões para colocar 2 mil carros locados a serviço público. Com essa vitória em cima de outro apps e cooperativas de táxi, a 99 reforça sua presença na capital paulista e prepara terreno para uma expansão ainda maior. Segundo reportagem do Valor Econômico, Leandro Barankiewics, diretor de negócios da companhia, se esquivou na hora de falar se o preço oferecido impacta muito na margem de lucro da empresa, mas afirmou que o contrato foi sim “um bom negócio para a 99”.

Além de o executivo explicar que a atual estrutura da 99 dá conta da demanda extra gerada pela Prefeitura de São Paulo, ele também acredita que um case como esse pode ser importante para que parcerias semelhantes possam ser oferecidas a outras cidades ou até mesmo a governos estaduais. Se esse plano tiver sucesso, é bem possível que a marca acabe chegando mais perto da liderança do mercado, que atualmente fica com a Uber. E aí, você concorda com o novo projeto da prefeitura paulistana?