Top Gun: Maverick - é preciso ver o primeiro filme antes?

Imagem de: Top Gun: Maverick - é preciso ver o primeiro filme antes?
Imagem: Reprodução

Lançado há 35 anos, Top Gun - Ases Indomáveis foi um marco na carreira de Tom Cruise e se tornou um clássico do cinema. Aproveitando a onda de revivals e remakes, a história ganhou uma continuação, Top Gun: Maverick, que chegou aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (26).

Com boas críticas até o momento, o segundo filme promete ser um sucesso nas bilheterias norte-americanas. Mas, afinal, é preciso assistir ao primeiro filme para entender Top Gun: Maverick?

A resposta é: depende. Se você já assistiu ao primeiro filme, a experiência com certeza será melhor, visto que o fator nostalgia estará "ativado". Isso porque, segundo o diretor Joseph Kosinski, algumas cenas do longa original serão recriadas na nova produção, como a cena da praia e o início, com os jatos decolando.

Por outro lado, se você não pretende ver o primeiro Top Gun antes de ir ao cinema, não se preocupe. A trama de Maverick não será diretamente afetada pelos eventos do filme anterior. Entretanto, a morte de Goose, melhor amigo de Pete (Cruise), é bastante lembrada durante o longa, com fotos do personagem por todo lado, além de ser a principal culpa na vida de Maverick. Portanto, não é necessário assistir ao primeiro filme, mas a experiência será melhor.

A trama de Top Gun: Maverick

No filme, "após mais de trinta anos de serviço como um dos principais aviadores da Marinha, Pete 'Maverick' Mitchell (Tom Cruise) está onde pertence: é um corajoso piloto de testes e continua evitando o seu avanço na patente, que o colocaria fora das aeronaves.

Quando ele precisa treinar graduados TOP GUN para uma missão especializada da qual nenhum piloto vivo jamais participou, Maverick acaba tendo que se envolver de alguma forma novamente com o tenente Bradley Bradshaw (Miles Teller), conhecido como “Galo”, filho do falecido amigo de Maverick e Oficial de Interceptação de Radar, tenente Nick Bradshaw, também conhecido como “Goose”.