Round 6: série da Netflix empolga com cenas chocantes (crítica)

Imagem de: Round 6: série da Netflix empolga com cenas chocantes (crítica)
Imagem: Netflix/Reprodução

ATENÇÃO, POSSÍVEIS SPOILERS À FRENTE!

Na última sexta-feira (17), a Netflix lançou a série sul-coreana Round 6. Composta por sequências verdadeiramente absurdas em uma trama repleta de agilidade e violência, a produção de nove episódios conquistou os espectadores, sobretudo por conta de todas as construções dramáticas impostas pela narrativa.

Confira todos os detalhes da 1ª temporada de Round 6 lendo nossa crítica completa!

Round 6: uma competição extremamente caótica e ao mesmo tempo divertida

Na última década, o público conheceu Katniss Everdeen em um mundo pós-apocalíptico, no qual os famigerados Jogos Vorazes aconteciam. Dessa maneira, a audiência se acostumou com o gênero distópico e se encantou com todas as suas possibilidades dramáticas. Nesse sentido, Round 6 apresenta uma trama enquadrada nesses mesmos termos, apresentando personagens complexos em uma competição extremamente caótica.

(Netflix/Reprodução)(Netflix/Reprodução)Fonte:  Netflix 

Em linhas gerais, a série sul-coreana apresenta um jogo bizarro no qual a sobrevivência é algo primordial para manter os competidores ligados em todas as próximas etapas.

O objetivo dos participantes é ganhar muito dinheiro, levando em consideração que cada um deles possui suas próprias ambições, desejos e outros pormenores. Ao todo, são 456 pessoas dispostas a fazerem de tudo para chegarem à fase final; todos eles são confinados em um local secreto, no qual diversos mistérios dão o tom da narrativa.

E para que a competição tenha ainda mais energia, há inspiração direta em muitos jogos infantis tradicionais do país. Com isso, a série adiciona um fator lúdico a esse emaranhado de violência, levando em consideração os cenários deslumbrantes, os figurinos chamativos e o uso gradativo de cores complementares.

Obviamente, com todas essas construções narrativas colocadas na tela, o roteiro de Dong-hyuk Hwang se destaca em diversos níveis, sobretudo quando utiliza muito bem seus mecanismos de linguagem audiovisual em favor da história. Tudo isso está bem orquestrado ao seu trabalho como diretor dos episódios, trazendo um ritmo frenético às cenas e a apresentação dos personagens.

O elenco é composto, principalmente, por Jung-jae Lee como Gi-Hun, Stephen Fu como Sang-Woo, Paul Nakauchi como Deok-Su, Hideo Kimura como Il-Nam, Vivian Lu como Sae-Byeok, Donald Chang como Jun-Ho e também Rama Vallury como Ali.

Curiosamente, todos conseguem apresentar performances genuinamente ambíguas para o público, deixando um tom de dúvida latente na atmosfera dramática — o que, sem dúvidas, garante ainda mais interesse aos espectadores sobre o que ainda pode acontecer.

Inclusive, Gi-Hun é um protagonista repleto de camadas interessantes, com muitos sentimentos guardados e tramas pregressas verdadeiramente angustiantes. O personagem surge como um homem comum, que vive com sua mãe após ter se divorciado.

Dessa maneira, ele contrai inúmeras dívidas bancárias e se envolve com criminosos para conseguir algum dinheiro. E para conseguir se livrar dessa situação, podendo proporcionar ainda um pouco mais de conforto para sua família, ele decide se envolver com uma competição avassaladora, que não garante nada sobre sua vida.

Um fator curioso que segue todos os episódios da série da Netflix é a progressão dramática dos personagens, que parecem não possuir nenhuma expectativa com relação ao que pode acontecer em suas vidas tão desgastadas. Além disso, há um conjunto grandioso de personalidades, que parecem já terem aceitado suas condições no mundo, em um estado de apatia constante e sem grandes remorsos.

(Netflix/Reprodução)(Netflix/Reprodução)Fonte:  Netflix 

Por esse motivo, a violência é algo quase inerente à trama, mostrando que nem os choques constantes que ocorrem ao longo da apresentação dos jogos impactam os competidores. E com o mistério crescente da narrativa, o interesse do público só aumenta. Nesse sentido, todos são recompensados com um desfecho interessante e ao mesmo tempo absurdo, que traz críticas sociais enfáticas.

Com todas essas nuances, Round 6 é uma série quase imperdível que está disponível atualmente no streaming, empolgando os espectadores em todos os aspectos. Não deixe de assistir!

Fontes