The Crown 4ª temporada: Diana e Thatcher são destaques (CRÍTICA)

Imagem de: The Crown 4ª temporada: Diana e Thatcher são destaques (CRÍTICA)
Imagem: Netflix/Divulgação

A 4ª temporada de The Crown foi uma das mais esperadas no universo das séries. Afinal, desde o seu lançamento, o seriado ofereceu uma visão geral da realeza britânica, um dos temas que mais atrai entusiastas e historiadores. Porém, nesta nova temporada, isso é ainda maior, já que duas das personagens mais icônicas da história da Inglaterra estão presentes: Margaret Thatcher e a Princesa Diana.

Confira o review completo da temporada.

Tudo sobre a 4ª temporada de The Crown

Disponibilizada na plataforma de streaming neste domingo (15), a nova temporada já atingiu o ranking de séries mais assistidas da semana. Dessa vez, o foco continua na coroa e na Rainha Elizabeth, interpretada por Olivia Colman. Porém, ela agora divide a cena com duas mulheres poderosas que transformaram a Inglaterra nos anos 1980.

Infelizmente, isso significa que alguns dos personagens com os quais já estávamos acostumados perdem espaço e destaque na nova temporada. O Príncipe Philip, por exemplo, foi completamente deixado de lado, enquanto a Princesa Margaret tem seu destaque muito reduzido, tendo apenas um episódio em que os holofotes ficam sobre ela.

(Fonte: Netflix/Divulgação)(Fonte: Netflix/Divulgação)Fonte:  Netflix 

Essa falta de destaque dos personagens que antes eram protagonistas não foi algo feito sem pensar, afinal isso foi justamente o que aconteceu na vida real. Quando Diana entrou na corte, todos os demais membros foram ofuscados pela sua personalidade e "brilho natural" — então,  provavelmente a escolha do diretor tem a ver com a semelhança "fora das telonas".

Emma Corrin é a princesa Diana em The Crown

Emma Corrin, a nova estrela da Netflix, interpreta a princesa Diana com maestria. Ela pode até parecer alguém comum no início, mas a verdade é que sua atuação retrata a princesa exatamente como ela costumava ser. Ao chegar na corte, Diana era 12 anos mais nova do que o príncipe Charles e dotada de certa ingenuidade, encantada pela promessa de uma vida na realeza britânica.

Conforme os episódios passam, a maturidade de Diana começa a aparecer cada vez mais. Corrin consegue desenvolver bem esses traços da personalidade da futura princesa, ajudando a moldar o caráter da personagem e abraçando a popularidade que foi criada logo no início de seu reinado.

(Fonte: Netflix/Divulgação)(Fonte: Netflix/Divulgação)Fonte:  Netflix 

Nesse quesito, um dos pecados da 4ª temporada de The Crown talvez seja o excesso de diálogos maçantes para mostrar os problemas de relacionamento entre o príncipe e a princesa. Talvez isso seja uma preparação para a próxima temporada, mas a verdade é que o príncipe Charles parece ofuscar um pouco o brilho de Diana e nos deixa com uma sensação de “quero saber mais” sobre a vida da princesa na corte.

Gillian Anderson assume o papel da primeira-ministra Margaret Thatcher

Por outro lado, a atriz Gillian Anderson rebate qualquer crítica negativa e não há como negar que ela é o grande destaque da 4ª temporada de The Crown. Durante os seus 11 anos de mandato, a primeira-ministra Margaret Thatcher ficou conhecida por bater de frente com a rainha Elizabeth.

Logo, essa personalidade forte da “Dama de Ferro” exigia uma atriz que conseguisse carregar o peso da personagem, e Anderson consegue fazer isso com maestria. Os embates entre a Rainha Elizabeth e Thatcher representam os momentos mais emocionantes dessa temporada, mostrando até mesmo um ar mais confortável de Olivia Colman no papel da rainha.

Assim, os momentos de tensão entre as duas mulheres mais poderosas da Inglaterra marcam essa como a melhor temporada já lançada da série sobre os luxos, os problemas e as crises da Coroa.

(Fonte: Netflix/Divulgação)(Fonte: Netflix/Divulgação)Fonte:  Netflix 

E aí, o que você achou da 4ª temporada de The Crown, recém-disponibilizada na Netflix? Deixe seu comentário abaixo e aproveite para compartilhar esta review nas redes sociais.

The Crown 4ª temporada: Diana e Thatcher são destaques (CRÍTICA)