The Good Doctor: tudo sobre a 3ª temporada da série (CRÍTICA)

Imagem de: The Good Doctor: tudo sobre a 3ª temporada da série (CRÍTICA)
Imagem: ABC/Reprodução

Composta de 20 episódios, a 3ª temporada de The Good Doctor provocou sentimentos mistos aos espectadores quando foi lançada em 23 de setembro de 2019. Exibida pela ABC, a mesma emissora de Grey’s Anatomy, a trama médica protagonizada por Freddie Highmore possui diversas nuances interessantes quando vistas de uma forma geral.

Ao longo dessa temporada, o público acompanhou um pouco mais sobre o triângulo amoroso formado pelo protagonista Shaun Murphy, Carly Lever (Jasika Nicole) e Lea Dilallo (Paige Spara), além de algumas soluções estilísticas que dividem opiniões entre os fãs.

No entanto, assistir a The Good Doctor atentamente sempre é garantia de um bom entretenimento.

(Reprodução)(Reprodução)Fonte:  ABC 

The Good Doctor 3ª temporada: casos, romances e dúvidas

A temporada se inicia com Morgan (Fiona Gubelmann) e Park (Will Yun Lee) diagnosticando um paciente idoso com câncer e competindo também para saber quem vai liderar a cirurgia dele. Esse pequeno conflito tem um certo vigor narrativo que alimenta as esperanças de bons embates ao longo dos próximos episódios.

(Reprodução)(Reprodução)Fonte:  ABC 

Paralelamente a isso, vemos Shaun desistindo de Carly e a evitando de todas as formas que pode. Nesse ponto, percebemos que talvez o triângulo amoroso formado anteriormente só estava se arrastando por meio das ações que aconteciam nas outras temporadas e caminhando para algo que talvez não fosse o mais interessante em termos narrativos.

É evidente que a presença de Lea e o amadurecimento de Shaun influenciou na anunciação de que esse desenlace estava próximo do fim. Entretanto, a 3ª temporada parece caminhar a passos lentos nesse desenvolvimento.

3ª temporada de The Good Doctor aposta ainda mais no melodrama

Para endossar certas reflexões e alimentar novos conflitos, muitos casos apresentados ao longo dos episódios aparecem sem um claro propósito investigativo no que tange às relações formadas inicialmente. Dessa forma, o melodrama se faz muito presente, apostando no emocional desmedido do público e induzindo-o muitas vezes ao "choque" com as revelações expostas.

Porém, muitas situações desconfortáveis, e até mesmo mortes de personagens, um tanto quanto importantes parecem não ser levadas tão a sério. Todas elas parecem estar distantes em termos estruturais de roteiro, além de não emocionarem ou impactarem diretamente o andar narrativo da trama. É como se fossem situações vazias criadas apenas para trazer elementos que chocariam as plateias.

Nesse sentido, se aproximando cada vez mais de Grey’s Anatomy, há algumas sacadas que poderiam funcionar se fossem tratadas de uma outra forma.

Um desfecho plausível para a 3ª temporada de The Good Doctor

É inegável ressaltar que a 3ª temporada de The Good Doctor trouxe também muitas mudanças significativas para os personagens da série, além de adicionar tensões em conflitos que o público já conhece. Também podemos ver, ao longo dos episódios, focos centrais mais trabalhados em torno de personagens necessários para o avançar da trama.

(Reprodução)(Reprodução)Fonte:  ABC 

É o caso de Claire (interpretada por Antonia Thomas), que traz aos espectadores alguns dos momentos mais interessantes dessa "leva de episódios". Dessa forma, por meio dela, vemos que o trágico se encontra em lugar de conforto na produção da ABC e que pode se sobressair seguindo uma lógica narrativa muito bem-orquestrada.

Porém, as relações amorosas é que dão o tom nos 20 episódios apresentados, como já mencionado. Não apenas as coisas entre Shaun e Carly se modificam, de certa maneira, para o mal, mas também entre Neil Melendez (Nicholas Gonzalez) e Audrey Lim (Christina Chang). Os personagens sofreram com um desenvolvimento conturbado e, nesta temporada, vemos um desfecho melancólico para um deles.

Provavelmente, esse desfecho não contribui positivamente para a resolução de conflitos ou a adição de novos embates. Ele traz mais desconfortos que possibilidades de renovação de ciclos e propostas. Dessa forma, a morte de um desses personagens provoca uma sensação de superficialidade perante a tantas possibilidades mais interessantes para a narrativa.

(Reprodução)(Reprodução)Fonte:  ABC 

A temporada ainda se completa com novos desafios para seu protagonista, que vão além das questões amorosas e trazem boas camadas para sua personalidade.

Muitas das pequenas pistas deixadas pelos episódios da 3ª temporada de The Good Doctor só poderão ser mais bem trabalhadas em outros momentos.  Ficaremos atento ao lançamento das novas histórias para saber como os personagens vão lidar com todas essas situações.

The Good Doctor: tudo sobre a 3ª temporada da série (CRÍTICA)