A Maldição da Mansão Bly: uma viagem aterrorizante no tempo (REVIEW)

Imagem de:  A Maldição da Mansão Bly: uma viagem aterrorizante no tempo (REVIEW)
Imagem: Netflix/Divulgação

A antecipação em torno do lançamento de A Maldição da Mansão Bly não foi sem justificativa. Em 2018, a série de terror A Maldição da Residência Hill consolidou a Netflix como um nome forte em um gênero no qual a plataforma de streaming ainda não tinha investido: o terror. Por sua vez, a sequência lançada hoje, sexta-feira (9), usa os fantasmas do passado como terror.

A série é baseada na obra A Outra Volta do Parafuso, de James Henry, e também dirigida por Mike Flanagan. O seriado retrata a trajetória de Dani Clayton – interpretada por um rosto familiar, a atriz Victoria Pedretti, uma jovem babá que aceita cuidar de duas crianças em uma mansão: Flora (Amelie Bea Smith) e Miles (Benjamin Evan Ainsworth).

No início, tudo indica um trabalho simples e agradável, com crianças e uma equipe de empregados simpáticos. Porém, assim como na Residência Hill, nem tudo é o que parece.

(Fonte: Netflix/Divulgação)(Fonte: Netflix/Divulgação)Fonte:  Netflix 

Crítica completa de A Maldição da Mansão Bly

Enquanto A Maldição da Residência Hill deixava o espectador em um estado de ansiedade constante, muito provocada por cenas clássicas de terror, sua sequência aposta em outros elementos para assustar os fãs do gênero. Dessa vez, Mike Flanagan coloca o passado em perspectiva e prova que nossos demônios internos podem ser muito mais assustadores do que os fantasmas.

Ou seja, o luto, a perda, as tragédias e tristezas que acompanham os personagens criam seres maléficos, mas que são fáceis de serem compreendidos. Logo, a premissa de “não julgar um livro pela capa” torna essas mesmas criaturas mais humanas, consequentemente menos assustadoras.

Porém, isso não é um sinal de que as características familiares da série não estão presentes. O plano em sequência permite uma visão geral da mansão, contrastando com vultos e sombras que aumentam o estado de alerta. A quantidade de “pulos de susto”, os jump scares já conhecidos do gênero, é moderada, caracterizando a série mais como um romance gótico.

(Fonte: Netflix/Divulgação)(Fonte: Netflix/Divulgação)Fonte:  Netflix 

Um dos poucos fatores que tiram pontos da série de terror é a trama muitas vezes arrastada. Ao todo, serão lançados 9 episódios pela plataforma de streaming, mas com uma história que poderia facilmente ser contada em 5 ou 6 capítulos.

Portanto, quando não nos surpreendemos com diálogos arrasadores que colocam tudo o que conhecemos em perspectiva, a sensação é de uma história que demora para ser contada.

Por mais que tenham elementos semelhantes entre si, é difícil dizer que os espectadores podem esperar o mesmo gênero de A Maldição da Residência Hill. Apesar de fazerem parte da mesma franquia, as duas séries assustam de forma diferente, mas ainda sem perder a afeição pela estética que tornou a série de terror uma das mais aclamadas do gênero.

Os 9 primeiros episódios de A Maldição da Mansão Bly já estão disponíveis na Netflix. Assista e nos conte o que achou!

A Maldição da Mansão Bly: uma viagem aterrorizante no tempo (REVIEW)