Operação Red Sparrow: Jennifer Lawrence se arrisca em filme de espionagem (crítica)

Imagem de: Operação Red Sparrow: Jennifer Lawrence se arrisca em filme de espionagem (crítica)

Jennifer Lawrence volta a trabalhar com o diretor Francis Lawrence (dos três últimos filmes da saga Jogos Vorazes) em Operação Red Sparrow, adaptação do primeiro livro de uma trilogia do autor Jason Matthews.

Na trama, a atriz interpreta Dominika Egorova, uma bailarina russa que precisa deixar sua profissão após um acidente e é atraída ao perigoso mundo da espionagem. Nesse novo contexto, a personagem passa por um treinamento radical do governo para se tornar uma superagente que usa a sedução e a violência para extrair informações dos inimigos.

O longa-metragem funciona em grande parte como uma história de origem, apresentando a transformação de Dominika em uma poderosa peça do serviço de inteligência russo. Lawrence se entrega literalmente de corpo ao papel, realizando algumas das cenas mais fortes de toda sua carreira – com direito a muita nudez e trechos de violência sexual.

Após o ato inicial de desenvolvimento da personagem, Operação Red Sparrow mostra a primeira missão de Dominika, que deve se aproximar do agente da CIA, Nate Nash (Joel Edgerton), para descobrir quem é o informante americano dentro do governo russo.

Jennifer Lawrence e Joel Edgerton em cena de Operação Red Sparrow. Fonte da imagem: Divulgação/20th Century Fox

A narrativa segue a estrutura clássica de filmes de espionagem, que deixa os espectadores sem saber exatamente de que lado os personagens estão. Nesse sentido, a construção que se faz em torno de Dominika é realmente um trunfo, já que a ex-bailarina parece motivada, em primeiro lugar, a dar uma vida melhor para sua mãe, independentemente de suas alianças ou lealdade.

Em vários momentos, fica a impressão de que a protagonista não tem uma saída para a situação em que se encontra e apenas dá continuidade à sua missão sem um planejamento prévio. Por um lado, ela pode parecer ingênua e novata demais para transitar nesse universo. Por outro, ela pode se revelar uma força da natureza, uma figura incontrolável e indecifrável, com mais determinação e esperteza do que os outros agentes – seja americano ou russo.

Com essa premissa, Operação Red Sparrow se consolida com um ótimo exemplar do gênero de espionagem, construindo uma trama que prende a atenção dos espectadores do começo ao fim. E, quem sabe, poderá render à Jennifer Lawrence uma nova franquia cinematográfica.

https://youtu.be/b2CRirgAqf8

Você sabia que o TecMundo está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.