O que achamos de Han Solo: Uma História Star Wars (crítica)

Imagem de: O que achamos de Han Solo: Uma História Star Wars (crítica)

Han Solo: Uma História Star Wars, o mais novo spin-off da franquia, estava fadado a ser lembrado mais pelos bastidores de produção do que pelo resultado nas telas em si.

Os fãs devem lembrar que o longa teve uma troca emergencial de direção depois que a dupla Chris Miller e Phil Lord foi demitida pela Lucasfilm perto do final das gravações e Ron Howard foi contratado para rodar praticamente todo o filme de novo.

Não dá para dizer que o longa saiu completamente ileso dessa confusão nos bastidores, pois é perceptível certo conflito de tom e ritmo no decorrer do filme. Mesmo assim, o resultado é melhor do que poderíamos esperar.

Um dos destaques é o ator Alden Ehrenreich que faz uma ótima caracterização como o jovem Han Solo. O galã tem carisma de sobra e sabe dosar a malícia, a arrogância e o ímpeto inconsequente que tanto conhecemos de Solo. É verdade que ele parece sorrir demais e fazer mais poses do que o necessário (com sua camisa sempre desabotoada), mas Ehrenreich consegue expressar as características do personagem sem tentar copiar Harrison Ford.

O elenco de apoio é também muito eficiente, com destaque para Woody Harrelson (com mais tempo de tela do que imaginávamos), Emilia Clarke, Thandie Newton, Donald Glover e Paul Bettany (roubando cenas como um dos antagonistas da história).

Han Solo: Uma História Star Wars se beneficia também por apresentar um dos melhores droides já inventados na franquia, a hilária L3 – possivelmente a melhor coisa do filme. A companheira de Lando é uma revolucionária que luta pela igualdade de direitos dos droides e seus discursos são tão hilários quanto contundentes.

A produção apresenta uma trama mais leve e menos dramática do que os últimos filmes de Star Wars. Han Solo é uma legítima aventura, em estilo matinê, com mais diversão e menos seriedade – o que é uma grata surpresa.

Desde que a franquia voltou aos cinemas, os novos filmes parecem preocupados demais em replicar o sucesso de O Império Contra-Ataca e sua dimensão dramática, mas esquecem que Star Wars se estabeleceu primeiro como uma aventura intergaláctica em Uma Nova Esperança. Nesse sentido, Han Solo parece resgatar a proposta do filme original da saga e nos faz lembrar de tempos mais simples e sem o “lado sombrio” da força.

https://youtu.be/EQpr5HXTvmg

Veja também: Quem é o personagem surpresa de Han Solo: Uma História Star Wars?

O Minha Série está com uma novidade: a newsletter Intervalo! Semanalmente, a news entrega conteúdos exclusivos em um formato divertido e informal, que te deixará por dentro dos assuntos mais quentes do mundo do entretenimento. Assine aqui!