Notas de Rebeldia traz aspecto inconsistente (REVIEW)

Minha Série
Imagem de: Notas de Rebeldia traz aspecto inconsistente (REVIEW)

O isolamento social desencadeado pela pandemia do novo coronavírus segue tornando a Netflix uma grande aliada contra o tédio, já que a possibilidade de tirar o pé para fora de casa se limita a ir a um mercado ou a uma farmácia. 

Então, nossas janelas para o mundo continuam sendo parcialmente as telinhas e o que a gigante do streaming tem a exibir de novo (ou não) nelas. O filme inédito da vez é Notas de Rebeldia, cujo o título original é Uncorked — mais um caso de localização risível. Mas será que a revelia é realmente notável nessa sugestão?

No menu, temos Elijah, um jovem determinado a se tornar um grande sommelier chancelado pela refinada associação Masters of Wine. Todavia, o aspirante a especialista deve enfrentar a reprovação de seu pai, que, ao invés de apoiá-lo, deseja que o filho toque um tradicional restaurante da família. 

A direção é de Prentice Penny, sobretudo conhecido por ter escrito bons episódios de Brooklyn Nine-Nine, mas também apresentar trabalhos competentes como Insecure Happy Endings, não tão conhecidos em terras tupiniquins.

Em Notas de Rebeldia existe uma pegada novelesca proveniente da base familiar que dita os rumos do longa, com direito a transições musicais e passagem do tempo — misteriosamente ausentes depois de certo tempo. Mas há um descompasso em ornamentar batidas de trap e hip-hop, por exemplo, com o marasmo de um roteiro descorado. 

Por um lado reflete a sobriedade com que Penny decide aplicar nos 104 minutos de projeção, e funciona quando comparado à nossa realidade no sentido crônico, porém perde em efeitos dramáticos e não há muito com o que se defrontar no filme, nem mesmo a ‘rebeldia’ está lá, afinal. 

A mensagem geral, que é louvável e assertiva na outra ponta, vem completamente desaromatizada. O que resta aqui são as relações familiares instigantes e as aulas de vinhos, que são bem legais.

Correr atrás do sonhos ou manter um legado? Netflix/Reprodução 
Correr atrás do sonhos ou dar continuidade a um legado?

Parte do elenco consegue dar alguma consistência que a produção desfalca. Mamoudou Athie, de Jurassic World e O Círculo, traz um Elijah de fácil identificação por ser esforçado, astucioso e ocasionalmente cabeça dura. Sua relação ganha contorno com a presença de Courtney B. Vance (Law & Order), seu pai, que é capaz de impor dureza ao passo que mantém sua serenidade intacta (e aí está o brilho dele). 

Também temos Niece Nash (When They See Us), a mãe protetora na qual é possível enxergar nossas próprias mães, além de Sasha Compère (Gilmore Girls), namorada por vezes passiva que absorve o que há de pior e melhor em seu parceiro. O outro lado do balcão é complementar, com Matt McGorry (Orange is the New Black) e Gil Ozeri (Brooklyn Nine-Nine) encabeçando os amigos/rivais e vice-versa.

Apesar de trazer uma química familiar interessante juntamente com  uma boa mensagem de persistência e superação — além de ser um aulão de vinho —, Notas de Rebeldia não tem a força necessária para transformar a experiência do espectador. Dejavú de produções semelhantes sobre "filhos que querem trilhar um caminho próprio a contragosto dos pais". 

Vale assistir em modo off, mas desta quarentena, você sai a mesma pessoa que entrou.

Texto escrito por Fabrício Calixto de Oliveira via Nexperts.

Fontes

Notas de Rebeldia traz aspecto inconsistente (REVIEW)