Crítica: Wagner Moura vive diplomata brasileiro em Sergio

Minha Série
Imagem de: Crítica: Wagner Moura vive diplomata brasileiro em Sergio

A participação de brasileiros na ONU é histórica. O carioca Oswaldo Aranha, hoje mais conhecido pelo prato que leva seu nome, foi presidente da primeira sessão especial da Assembleia Geral das Nações Unidas, em 1947, o que garante que o Brasil seja o primeiro a falar até hoje, mesmo não sendo um dos membros efetivos. 

É um dos modos pelos quais um país exerce seu soft power, influenciando decisões a partir da mediação. Talvez o grande exemplo recente seja Sérgio Vieira de Mello, figura central em Sergio, filme da Netflix que chega ao catálogo nesta sexta, 17.

Quem vive o diplomata é Wagner Moura, se virando em três para dar conta de todas as línguas que o Viera de Mello dominava – ainda que o filme seja majoritariamente falado em inglês. A trama parte do que talvez seja seu mais conhecido momento, o tempo em que ficou soterrado debaixo dos escombros em Bagdá depois de um atentado à bomba. 

Todavia, mais do que dramatizar esse período, apelando para o sensacionalismo barato, Sergio busca celebrar a vida de seu objeto de estudos, especialmente suas conquistas profissionais e a relação de amor com Carolina Larriera, uma funcionária da ONU vivida aqui por Ana de Armas.

Ana de Armas e Wagner Moura em Sergio Divulgação/Netflix 
Ana de Armas e Wagner Moura em Sergio

O melodrama, com foco na relação entre Viera de Mello e Larriera, dão o tom dramático, mas o que interessa mesmo são os feitos políticos do diplomata. Enquanto conhece a futura esposa, ele está em Timor Leste, país que sofreu por décadas sob a violenta dominação do governo indonésio. 

Ele é responsável pela criação de um governo local, fundando o primeiro estado do século XXI, como ele mesmo diz em um discurso para seus funcionários – feito curiosamente similar ao de Aranha, um dos grandes advogados da criação do Estado de Israel.

Seu espírito galhofeiro, aplicando o famigerado jeitinho brasileiro como método de atuação na política internacional, vai sendo entremeado nos dois casos. De um lado, como fazer a Indonésia reconhecer a soberania do Timor Leste, ao mesmo tempo em que os grupos do Timor se recusam a trabalhar com a ONU? De outro, como definir o papel da ONU no Iraque, escapando da imagem de mera fachada humanitária para os desmantes do governo americano? 

O que o filme insinua é que são as mesmas características de Vieira de Mello – ou seja, seu jeitinho – que foram responsáveis pelo seu sucesso e também pela sua ruína.

Ana de Armas e Wagner Moura em Sergio Divulgação / Netflix 
Ana de Armas e Wagner Moura em Sergio

A imagem mais recorrente em todo o filme é a de Sérgio Viera de Mello soterrado nos escombros, depois do atentado, esperando ser resgatado. O diretor, Greg Baker, alterna essas imagens com uma memória inventada. Viera de Mello nada nas águas do Rio de Janeiro, brinca com os filhos crianças e se encontra com Larriera. 

É inventada porque o diplomata só começa o romance com a personagem de Ana de Armas quando seus filhos, de um casamento anterior, já estão entrando na vida adulta. É um toque de lirismo que Baker permite, dando ao filme uma outra dimensão. O percurso até o atentado que vemos em Sergio pode ser lido como um homem moribundo que reflete sobre sua existência.

O lirismo faz sentido. Em 2009, Baker dirigiu um documentário sobre Sérgio Vieira de Mello, também nomeado Sergio (também disponível no catálogo da Netflix). Fazer Sergio, o filme de ficção, parte menos de uma necessidade de contar uma história e mais de tentar compreender a figura por trás do currículo. O que fez com que ele se tornasse quem é – um diplomata com trânsito pela Casa Branca de George Bush e possível nome para se tornar Secretário Geral da ONU depois de Kofi Annan, não tivesse Vieira de Mello o destino que teve.

Texto escrito por Luiz Gustavo Vilela Teixeira via Nexperts.

Fontes

Crítica: Wagner Moura vive diplomata brasileiro em Sergio