Spike Lee, diretor de Destacamento Blood, se arrepende de defender Woody Allen

Minha Série
Imagem de: Spike Lee, diretor de Destacamento Blood, se arrepende de defender Woody Allen
Imagem:

Após repercussão negativa, Spike Lee recorreu às redes sociais para se desculpar e esclarecer seus comentários em relação a Woody Allen. Em entrevista recente à rádio WOR, o diretor do filme Destacamento Blood, da Netflix, manifestou apoio ao cineasta sobre as acusações de que este teria molestado sua filha adotiva na década de 1990 e ligou o tema à atual “cultura de cancelamento”.

“Gostaria de dizer que Woody Allen é um ótimo cineasta e esse cancelamento não é apenas sobre Woody. E acho que, quando olharmos para trás, veremos que, além [disso] matar alguém, não sei se você pode apagar [uma pessoa] como se nunca tivesse existido”, disse Lee. Em adição a isso, declarou que seu “colega está passando por isso agora”.

I Deeply Apologize. My Words Were WRONG. I Do Not And Will Not Tolerate Sexual Harassment, Assault Or Violence. Such Treatment Causes Real Damage That Can't Be Minimized.-Truly, Spike Lee.

— Spike Lee (@SpikeLeeJoint) June 13, 2020

Contudo, no Twitter, Lee recuou sua defesa de Allen: “Peço desculpas profundamente. Minhas palavras estavam erradas. Eu não tolero e não tolerarei assédio, agressão ou violência sexual. Esse tratamento causa danos reais que não podem ser minimizados. Verdadeiramente, Spike Lee”.

Dylan Farrow acusou Allen de molestá-la quando ela tinha sete anos, relato negado pelo diretor na época. Mantendo a posição, ele reforçou sua inocência em um novo livro de memórias, de janeiro deste ano.

Texto escrito por Ricardo de Carvalho Isídio via Nexperts.

Spike Lee, diretor de Destacamento Blood, se arrepende de defender Woody Allen