Black Friday é, sem dúvidas, uma das datas mais esperadas pelos e-commerces, que se preparam meses antes para alcançar um volume de vendas expressivo durante os dias de promoção. De acordo com um levantamento realizado pela NZN, um dos principais players para soluções de publicidade online do Brasil, a expectativa em relação a 2018 não apresentou grandes alterações quando comparada à do mesmo período no ano anterior (2017), quando a intenção de compras na data foi indicada como média para 41% dos respondentes.

Para os respondentes que apontam média intenção de compras no evento em 2018, o fator decisivo está relacionado à pesquisa de ofertas com preços realmente atrativos. Já para os 27% que afirmam ter baixa expectativa em relação à Black Friday, as compras só irão acontecer caso sejam impactados por uma ótima oportunidade, pois não expressam intenção de busca por promoções. Ao mesmo tempo, o quadro é bem diferente para 32% dos entrevistados, que se dizem dispostos e aguardando a data para aquisição de produtos com alta expectativa.

Comprar ou não comprar

O levantamento também analisou o comportamento dos 48% dos respondentes que nunca compraram durante a Black Friday. A principal justificativa do público em 2018 para não participar da ocasião é a falta de preços realmente atrativos (47%), seguido por falta de dinheiro no período do evento (39%) e falta de interesse em compras durante eventos promocionais (12%).

Para aqueles que já aproveitaram as ofertas em anos anteriores, o principal fator para efetuar uma nova compra durante a promoção, assim como aconteceu em 2017, é o preço, com 72% das respostas, seguido de confiança na loja (11%), produto (6%), condição de pagamento (6%), frete (4%) e tempo de entrega (1%).

Os mais aguardados

Sucesso em vendas em 2017, os smartphones comandam o topo da intenção de compra do público, com 58% das respostas. Logo em seguida, aparecem os acessórios de informática (46%) e hardware (43%), que incluem placas de vídeo, processadores, memória etc. Completando o ranking, logo abaixo estão os consoles e jogos de videogame, com 40% das menções, seguidos de dispositivos móveis (smartwatches, smartbands, câmeras portáteis etc.), com 40%, notebooks (31%), TVs (23%), roupas (21%), eletrodomésticos (20%) e tablets e eReaders (15%), que fecham a lista.

Sem enganos

Algumas práticas bem conhecidas, como aumentar o preço dos produtos para diminuir durante o período de ofertas, fazem com que muitas pessoas ainda se sintam desconfiadas em relação à veracidade das promoções. Por isso, utilizar ferramentas para encontrar a oportunidade ideal de compra é uma das alternativas a que os consumidores recorrem para escapar das falsas promoções. Plataformas como Buscapé e Zoom são as escolhas de 58% dos respondentes quando questionados sobre o recurso que mais utilizam para procurar preços de produtos durante a data. Já 49% dos respondentes pesquisam as melhores promoções da Black Friday no Google (49%); em seguida, aparecem indicações dos sites de conteúdo (38%) e, por fim, redes sociais (16%) e amigos (15%).

Por fim, o levantamento da NZN mostra que os consumidores com o maior interesse de compra na data têm de 18 a 34 anos e renda de até 4 salários mínimos.