Se financeiramente as coisas vão bem para a Samsung, não se pode dizer o mesmo do ponto de vista ético. Na mesma semana em que seu filho e herdeiro Lee Jay-yong foi solto da prisão graças à suspensão de sua pena pela suprema corte sul-coreana, o presidente do conselho diretor da empresa, Lee Kun-hee, é acusado de evasão fiscal.

Com 76 anos de idade, Lee está internado no Samsung Medical Centre desde 2014, quando sofreu um ataque cardíaco. Ele foi acusado de sonegar impostos na ordem de US$ 7,5 milhões, mas não pôde ser interrogado pelas autoridades devido ao seu estado de saúde delicado — ele quase não se comunica e também não apresenta sinais de recuperação.

Lee Kun-hee Lee Kun-hee (esquerda) é acusado de sonegar impostos na Coreia do Sul.

Segundo a polícia, Lee e outro executivo da companhia de Seul usaram 260 contas bancárias de funcionários da Samsung para evitar o pagamento de impostos.

“O presidente do conselho da Samsung, Lee Kun-hee, e um executivo da Samsung administraram fundos em 260 contas bancárias sob os nomes de 72 executivos, suspeitos de sonegar impostos no valor de 8,2 bilhões de wons [cerca de US$ 7,5 milhões]”, informaram as autoridades sul-coreanas.