A Netflix quer ampliar investimentos em conteúdo original e em novas aquisições e já tem um plano para isso: vender títulos de dívida. A ideia é usar esse método de negociação para reunir a quantia de US$ 2 bilhões, informou hoje o site Deadline, mas o caminho pela frente não deve ser exatamente simples.

Os títulos seriam negociados majoritariamente em euros e dólares e teriam como destino compradores qualificados. Segundo a publicação, a Netflix gasta atualmente US$ 12 bilhões anuais em conteúdo próprio, tendo adicionado cerca de 700 horas de conteúdo próprio ao seu catálogo entre julho e setembro de 2018 — quantia 50% superior em relação ao trimestre anterior. Daí a necessidade de novos investimentos para manter esse ritmo.

Muitos analistas de mercado, porém, questionam o método de negócios da empresa, que investe bastante em suas próprias produções e acumula alguns prejuízos mesmo com um crescente número de assinantes e um avanço de 60% no valor de suas ações apenas em 2018. A visão de Wall Street é de que a empresa não seria capaz de sustentar esse panorama a longo prazo, por isso a sua avaliação junto aos investidores é considerada baixa.

Só o tempo dirá, porém, se a Netflix conseguiu convencer possíveis investidores e, depois, foi capaz de manter a sustentabilidade desse ecossistema.