Um homem de 30 anos foi preso hoje (5) por supostamente jogar coquetéis molotov na sede da Google, em Mountain View, Califórnia, EUA. A polícia afirma que o homem, chamado Raul Murilo Diaz e morador de Oakland, acreditava que vinha sendo rastreado pela companhia.

As autoridades comentaram que Diaz disse que "sentia que a Google o estava observando, e isso o deixou irritado". Agora, ele está preso na cadeia do condado de Santa Clara.

Especificamente, as agressões aconteceram da seguinte maneira: no dia 19 de maio, um homem lançou dois projéteis inflamáveis em um carro do Street View estacionado ao lado da sede da Google. O veículo não foi danificado — ao que parece, as garrafas estouraram atrás do carro.

Diaz era um lunático ou realmente estava sendo observado?

Ontem (4), a polícia recebeu indicações de um homem que havia disparado projéteis de arma de fogo em direção ao prédio da Google. No local, foram encontrados vidros quebrados e janelas estilhaçadas.

Foram câmeras de segurança que deduraram Raul Diaz: o homem utilizou o mesmo carro SUV — um Volkswagen Touareg — para estacionar próximo do local durante ambos os ataques. Quando os policiais abordaram o homem, uma bomba caseira também foi encontrada dentro do veículo.

No final das contas, Diaz admitiu três crimes: atirar contra o prédio da Google, jogar coquetéis molotov em um carro do Street View e atacar outro carro autônomo por meio de explosivos.

Cupons de desconto TecMundo: