(Fonte da imagem: Reprodução/SlashGear)

Desde que surgiram os primeiros rumores acerca do smartwatch da Samsung, muitos esperavam que ele teria funções independentes e funcionaria como um smartphone — ou seja, que ele teria funções para ligações, mensagens e navegação completamente autônomas. Mas a verdade é que o Galaxy Gear (como deve realmente ser o nome dele) será apenas um acessório para smartphones Android.

Não há informações concretas sobre como será o funcionamento e quais as funções especiais que um smartwatch desse tipo pode oferecer aos consumidores. O que sabemos é que ele vai “funcionar com smartphones”. Em resumo, o Galaxy Gear deve seguir os mesmos padrões de outros aparelhos similares que já estão no mercado ou mesmo os que estão para chegar: sendo limitado a notificações, alertas e pequenos controles.

Apesar de isso ser um pouco frustrante para muitos consumidores, precisamos pensar que as limitações não são maiores do que se esperava. Relógios possuem pouco espaço para o armazenamento de uma bateria e funções mais pesadas exigem mais autonomia de energia. É só fazer as contas para perceber que os smartwatches ainda não podem ser tão independentes como se esperava.

Mesmo assim, o Samsung Galaxy Gear ainda pode trazer algumas surpresas para os consumidores e para a imprensa. Além do design, que permanece sendo um mistério para todos, também podemos ter algumas especificações bem interessantes no hardware do aparelho. Isso pode incluir processador Exynos dual-core de 1,5 GHz e GPU avançada para funções gráficas. Será? As respostas devem chegar na IFA, que acontece ainda neste mês.

Cupons de desconto TecMundo: