Carros voadores, realidades alternativas, conquista de outros planetas e andróides caminhando em meio aos seres humanos com a mesma naturalidade que animais de estimação convivem conosco nos dias de hoje. A capacidade inventiva das histórias do cinema parecem não ter limites.

Em um mundo de ficção tudo é possível. E se é possível de ser imaginado, por que não, fazer com que muitos destes conceitos possam se tornar realidade? Diversos cientistas e engenheiros pensaram da mesma forma. O resultado você confere nesta seleção com cinco tecnologias que vieram ao mundo a partir do cinema e hoje já fazem parte do nosso cotidiano.

Celular

Parece improvável pensar no mundo como conhecemos hoje sem os celulares. Mais do que simples comunicadores, os aparelhos se tornaram verdadeiras centrais de mídia e comunicação, permitindo aos usuários ter acesso a praticamente qualquer tipo de serviço.

 

Comunicador de Star Trek e iPhone com app tricorder. Imagens: Trekbrasilis/Divulgação.

O embrião dos celulares surgiu na série de TV Star Trek, no final da década de 60. Na época o visual “moderno” nem em sonhos fazia parte das possibilidades da indústria. Anos depois, o criador do primeiro aparelho, declarou ter se inspirado na tecnologia da série para lançar o produto.

Para os fãs da série que possuem um iPhone, há um aplicativo chamado tricorder, que simula o visual antigo do aparelho utilizado, entre outras coisas, para detectar a presença de gases nocivos na atmosfera. Além disso, outras tecnologias como as portas automáticas também foram inspiradas na série.

Touchscreen

Quem assistiu ao filme Minority Report – A Nova Lei, lançado em 2002, ficou impressionado com as telas touchscreen trasparentes comandadas por Tom Cruise. A produção se passa no ano de 2054, mas felizmente não precisamos esperar tanto tempo assim.

Com o iPhone e os tablets em alta, a tecnologia com comandos de toque na tela já é mais do que realidade. E, como você pode conferir no filme abaixo, as telas com o visual do filme também já começam a dar as caras no mercado.

Um detalhe interessante: três anos antes do lançamento do filme Steven Spielberg reuniu 16 especialistas em tecnologia para realizar um brainstorm de como seria o ano de 2054. Muito do visual apresentado no filme é parte dessas discussões. Pelo visto só erraram na data.

A ideia do touchscreen já tinha aparecido na década de 90. Quem se lembra da novela brasileira Explode Coração (aquela do cigano Igor)? Pois é, a abertura criada por Hans Donner mostra telas do gênero, holografia e uma sala que lembra os home theaters mais modernos.

Realidade Virtual

Pode parecer simples demais hoje, mas no início da década de 90, O Passageiro do Futuro apresentou o que era então a nata dos efeitos especiais. No filme um jardineiro tem o seu poder mental ampliado ao extremo graças à realidade virtual, que cria um mundo onde tudo para ele é possível.

Nos dias de hoje, a realidade virtual já está presente nos games e em aplicativos para celulares. Ainda não somos capazes de ter clones ou substitutos, mas já é possível simular os estímulos cerebrais e experiências sensoriais advindas de experimentos do gênero.

Vídeo conferência

Imagine-se sentado em sua sala e, ao mesmo tempo, conversar com diversas pessoas através de um monitor, com áudio e vídeo sendo transmitidos em tempo real. Na década de 80, cenas como essas eram possíveis apenas nos filmes e a série De Volta Para o Futuro mostrava isso acontecendo no ano de 2015.

Felizmente, a inventividade do ser humano tornou isso possível com muito tempo de antecedência. Já no início da década – em meados de 2004 – a ferramenta já começava a se tronar popular entre os usuários. Hoje, conversas em vídeo em tempo real já são mais do que uma realidade.

As câmeras, aliás, estão presentes hoje por toda parte. Em tempo de Big Brother, tenha certeza que qualquer coisa que aconteça em um ambiente público terá grande possibilidade de estar sendo filmada. Conceito que, por acaso, já estava presente na década de 60, em filmes como Alphaville, e também em De Volta Para o Futuro, na década de 80.

Jogar videogame sem utilizar as mãos

Imagine jogar videogame sem usar as mãos? Parece algo irreal não é mesmo? Se ainda hoje a ideia ainda causa espanto e admiração para alguns, imagine então na década de 80? Jogar sem usar as mãos já é possível em alguns jogos de dança, mas neles há contato com uma plataforma.

Com a chegada do Project Natal, no final de 2010, a tecnologia apresentada no filme De Volta Para o Futuro irá se tornar finalmente uma realidade entre os consumidores. Mais uma vez, tudo aconteceu antes de 2015 e o ser humano mostrou estar um passo à frente da ficção.