“Quero criar um sonho que possa ser sonhado coletivamente em uma sala de cinema”. É com essa proposta ousada que o diretor James Cameron apresenta ao mundo a sua mais nova criação: Avatar. Independente de sua qualidade, o filme deve se tornar um divisor de águas em termos de tecnologia de captura de imagens e projeção nos cinemas.

O filme, que chega às telas do mundo todo a partir de 18 de dezembro, já estreia nos cinemas trazendo alguns recordes em seu histórico: o principal deles, e o que mais contribuiu para aumentar a expectativa em torno dele, é o rótulo de “filme mais caro da história do cinema”, com um orçamento estimado em US$ 400 milhões, excetuando-se os investimentos em marketing – que segundo especialistas teriam custado mais US$ 200 milhões.

Mas afinal, o que faz de Avatar um filme revolucionário? Quais são as inovações que ele traz em termos de tecnologia que são pioneiras e que, sem dúvida, passarão a fazer parte do cotidiano das grandes empresas de efeitos especiais a partir de 2010? Seria o fim do cinema como conhecemos e o começo de uma nova era na indústria do entretenimento? O portal Baixaki pesquisou a fundo todas as informações relativas a estas novas tecnologias e traz um artigo especial para você entender o porquê de tanta badalação em torno deste lançamento.

 

Avatar

Star Wars, o princípio do sonho

James Cameron não imaginava que um dia trabalharia com cinema. Formado em Física na Universidade da Califórnia, Cameron trabalhava como motorista de caminhão para custear seus estudos e se sustentar. Na mesma universidade, chegou a cursar Filosofia. Mas foi ao entrar em uma sala de cinema que sua vida mudou por completo.

A convite de um amigo, James foi a uma sessão de Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança, filme considerado um marco na história do cinema em termos de tecnologia e efeitos especiais. O que viu na tela o impressionou de tal maneira a ponto de fazer o rapaz de 23 anos mudar completamente o rumo de sua vida.

Ele deixou a faculdade e passou a se dedicar obsessivamente a estudar a criação de efeitos especiais para cinema. Nas horas vagas, cultivava uma paixão por literatura de ficção científica. Também gostava de escrever contos sobre o tema. Seu perfeccionismo era tanto que, antes de produzir seu primeiro curta-metragem desmontou a câmera por completo apenas para entender como ela funcionava e, assim, poder extrair ao máximo todos os seus recursos.

 

James Cameron no set de filmagem de Avatar. Foto: Divulgação/20th Century Fox.

O tempo passou e suas ideias obsessivas aliadas à competência e ao talento o colocaram no topo das bilheterias por diversas vezes. Filmes como O Segredo do Abismo, Aliens – O Resgate, O Exterminador do Futuro e O Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final tornaram-se grandes sucessos de público e crítica.

Em 1994, no filme True Lies, foi o primeiro diretor a produzir um filme com orçamento superior a US$ 100 milhões. Três anos depois, em Titanic, foi o primeiro a dirigir um filme com orçamento superior a US$ 200 milhões. A produção, que chegou aos cinemas cercada de desconfiança, faturou US$ 1,8 bilhões e, até hoje, é o filme com maior bilheteria na história do cinema. É também o maior vencedor da história do Oscar, com 11 prêmios.

Um currículo como esse seria o suficiente para qualquer um se aposentar tranquilamente tendo escrito o seu nome na história do cinema. Não para James Cameron. Tão logo terminou Titanic o diretor percebeu que poderia finalmente criar algo similar ao que viu nos cinemas na década de 70.

Se a tecnologia não existe, então deve ser criada

Com a ideia pronta e o roteiro em mãos, Cameron se reuniu com os engenheiros e técnicos da Digital Domain, então uma das principais empresas de efeitos especiais em Hollywood da qual era um dos proprietários. Ao apresentar sua ideia e descrever a maneira como queria fazer o filme, a resposta foi categórica e unânime: impossível fazer isso, não existe tecnologia suficiente e a empresa provavelmente quebraria devido ao alto investimento.

Cameron poderia fazer o filme que quisesse, mas optou por esperar. Se a tecnologia não existia era preciso criá-la. Se ele não poderia fazer esse filme, então não poderia fazer outro. Foi preciso esperar outros seis anos até que outro filme o convencesse ser possível colocar a sua ideia em prática: O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei.

Para isso, foi procurar o próprio diretor do filme, Peter Jackson, em seus estúdios de criação de efeitos especiais na Nova Zelândia, a WETA Studios. Juntos, estimaram mais alguns anos de pré-produção e que algumas tecnologias, como o 3D, teriam que ser melhores desenvolvidas. Era hora de correr contra o tempo.

O filme

Mas do que se trata Avatar? A ação acontece em Pandora, uma lua que está na órbita de um planeta gasoso chamado Poliphemus, em Alfa Centauro. Em Pandora vive uma raça humanóide primitiva, mas bastante sábia, chamada Na’vi.

O ar de Pandora é irrespirável para os seres humanos. Então, para que pudéssemos entrar na atmosfera do planeta foram criados híbridos humano-Na’vi, chamados de Avatares. Esses híbridos são controlados por humanos, por meio de projeção de consciência, o que possibilita, em outras palavras, viver por meio deles.

A trama está centrada em Jake Sully, um fuzileiro naval ferido em combate que está paralisado, mas que em Pandora pode novamente andar graças ao seu avatar. Ameaçados pela expansão dos seres humanos em seu planeta, os Na’vi entram em conflito com militares da nossa raça, travando uma grande batalha.