(Fonte da imagem: Reprodução/The Sydney Morning Herald)

Responsável pela fabricação de aparelhos como o iPhone 5C, a taiwanesa Pegatron está sofrendo investigações após não ter conseguido explicar os motivos que levaram à morte cinco de seus trabalhadores — entre eles, um jovem de apenas 15 anos. Embora a empresa negue que o ambiente de sua fábrica possa prejudicar seus empregados, o fato de vários deles terem morrido nos últimos meses gera suspeitas quanto a essas alegações.

“Considerando a morte súbita de cinco pessoas por razões similares, acreditamos que deve haver alguma relação entre as tragédias e as condições de trabalho dentro da fábrica”, afirmou Li Qiang, da organização China Labor Watch, ao Sydney Morning Herald. Entre os mortos está Shi Zhaokun, de 15 anos, que usou uma identidade falsa para convencer seus empregadores de que possuía 20 anos de idade.

Segundo a família de Zhaokun, o jovem era forçado a trabalhar em turnos de no mínimo 12 horas durante pelo menos seis dias por semana. No entanto, eles admitem que esse tempo não necessariamente reflete o quanto ele trabalhava, já que esse intervalo também pode estar considerando possíveis pausas e períodos de descanso — o trabalhador morreu de pneumonia em outubro deste ano.

O contrato da Apple com a Pegatron estabelece que os funcionários da companhia devem trabalhar no máximo 60 horas semanais — uma auditoria feita em junho de 2013 indicava que, em média, aqueles envolvidos na linha de produção do iPhone trabalhavam 46 horas semanais. Já em julho deste ano, a organização foi acusada de sequestrar os documentos de identidade de seus funcionários, oferecer más condições de moradia e de deixar de oferecer equipamentos de segurança adequados.

Cupons de desconto TecMundo: