Confissões de Uma Garota Excluída é retrato fiel da adolescência (crítica)

3 min de leitura
Imagem de: Confissões de Uma Garota Excluída é retrato fiel da adolescência (crítica)
Imagem: Divulgação/Netflix
Avatar do autor

Quem nunca se sentiu um peixe fora d'água nos tempos do colégio? Se você respondeu que não, é bem provável que não tenha precisado de terapia... Brincadeiras à parte, é fato que a fase da adolescência é uma das fases mais dramáticas e sofridas de uma pessoa. É nela que quase todas as “primeiras vezes” acontecem: o primeiro amor, a primeira decepção amorosa, e assim por diante. Além, é claro, da vontade insaciável de pertencer a uma panelinha de amigos.

É sobre este momento tão turbulento que fala o filme Confissões de Uma Garota Excluída, novo título da iniciativa Mais Brasil na Tela, proposta da Netflix para aumentar as produções nacionais no streaming.

Inspirado no livro homônimo da famosa escritora Thalita Rebouças, o filme acompanha Tetê, uma menina de 16 anos que não se sente aceita na escola, nem em casa. Quando seus pais, desempregados, precisam se mudar para a casa dos avós, a adolescente precisa recomeçar em um novo colégio, onde tentará de tudo para não sofrer bullying novamente, e talvez, fazer amigos.

Laura Campanella/NetflixLaura Campanella/Netflix (Divulgação)

Temas delicados

Em coletiva de imprensa, Klara Castanho, Gabriel Lima e Marcus Bessa comentaram sobre as adolescentes que passam pela mesma situação de bullying vivida por Tetê. Castanho lembra que nunca é culpa da vítima.

"Você não é menos ou pior do que ninguém porque as pessoas resolveram praticar bullying com você. Na verdade, quem está praticando isso é a pessoa mais insegura da história, porque não consegue lidar com os próprios defeitos e inseguranças e tem que partir para cima de uma outra pessoa para conseguir se sentir melhor e mais confortável", afirma.  A atriz ressalta a importância de procurar ajuda, seja da família ou profissional.

“Não se desespere, encontre sua tribo, porque tem gente que gosta das mesmas coisas que você. Se aceite do jeito que você é", completa Gabriel Lima. Sobre a abordagem de temas como bullying, orientação sexual e padrão de beleza - apresentados no filme - o diretor Bruno Garotti, explica que são temas da juventude e deveriam aparecer.

"O livro aborda essas questões de uma forma muito leve, mas também ressaltando como a adolescência é um momento muito difícil e complexo. O nosso objetivo com a trama, então, foi se  manter fiel à forma como a Thalita [autora] retratou todos esses assuntos", conta.

Melhores momentos

Entre os momentos favoritos do elenco está a cena em que o trio está junto na praia. Segundo Marcus Bessa, foi o momento de maior conexão entre eles. "Não sabíamos que essa cena ficaria tão bonita. Aquilo demonstra realmente a amizade entre eles. Embora a gente seja o time dos excluídos, estamos felizes sendo quem nós somos, nos divertindo. Foi uma cena muito gostosa, embora a água estivesse gelada e nublado. A gente saiu de lá tipo: ‘Nossa, dever cumprido’".

Já o colega Gabriel Lima afirma que a cena da exposição de Tetê na diretoria foi o dia mais marcante das gravações. "Aquele dia foi bem tenso, e muito bom de filmar. Tem uma curiosidade também sobre a Julia Gomes que, durante o andamento de toda essa história, ela começou a chorar por quatro horas seguidas.”

Retrato adolescência

Com pouco mais de 1h e meia de duração, o filme aborda questões centrais na vida de uma adolescente, desde o medo de não se encaixar, a ansiedade do primeiro amor, até os conflitos familiares. Ao longo da trama, outros assuntos delicados como bullying, orientação sexual e padrões de beleza, que muitas meninas enfrentam desde cedo, incluindo — ou principalmente — no ambiente familiar são retratados.

Os assuntos, é claro, são apenas pincelados na história, mas aparecem tempo o suficiente para causar possíveis reflexões no público-alvo da produção, a audiência infanto-juvenil. Aliás, quem dera eu ter assistido a filmes que tratavam assuntos delicados com a importância que deveria na infância e adolescência.

Parte disso se dá pela boa interação do elenco entre si, mas o destaque fica nas mãos do trio principal, vivido por Klara Castanho, Gabriel Lima e Marcus Bessa. A dinâmica da amizade entre os personagens surge de forma orgânica ao longo da trama e, de longe, funciona como um alívio em meio ao caos da adolescência de Tetê.

Laura Campanella/NetflixLaura Campanella/Netflix

O final, infelizmente, fica com um gosto agridoce de “bom demais para ser verdade”, por apresentar um desfecho muito fora da realidade, mesmo para um filme infanto-juvenil. Ainda assim, o título consegue retratar diversos dilemas da adolescência com veracidade, mas sem passar muito do ponto.

Resumidamente, se você quer assistir a um filme despretensiosamente com os seus filhos, Confissões de Uma Garota Excluída é uma boa pedida!