Liga da Justiça: executivo da Warner critica filme de Joss Whedon

2 min de leitura
Imagem de: Liga da Justiça: executivo da Warner critica filme de Joss Whedon
Imagem: IMDb/Reprodução
Avatar do autor

O corte de Liga da Justiça comandado por Joss Whedon foi alvo de críticas por um membro da produção do filme. No caso, um executivo anônimo da Warner Bros. revelou para a Vanity Fair que todos no estúdio sabiam que a versão finalizada pelo diretor seria uma “bomba”, o que resultou em fracasso nas bilheterias e amplamente alvo de críticas pelo público e mídia especializada.

“Foi espantoso quando vimos o resultado. O ladrão no telhado [na cena de abertura situada em Gotham] era tão bobo e horrível. [Inserir na trama] a família russa [na região da batalha principal do longa] foi algo inútil e sem sentido. Todo mundo sabia disso. Foi muito constrangedor, pois ninguém queria admitir que tipo de merd* era essa”, contou.

A fala vem após o recente anúncio de que a versão de Zack Snyder chegará ao HBO Max em menos de um mês. Vale lembrar que a saída do diretor do filme de 2017 foi devido a uma tragédia familiar, segundo comunicados oficiais. Contudo, sinais já apontavam o descontentamento do estúdio com sua visão original para retratar a equipe de super-heróis nos cinemas.

Em entrevista à mesma revista, ele falou sobre a dificuldade na época de ter o controle criativo sobre os rumos da trama do filme. Geoff Johns e Jon Berg, chefes da DC Entertainment, eram enviados diariamente aos sets de gravações para supervisionar os trabalhos de Snyder e garantir que o tom sombrio fosse minimizado.

Zack Snyder nas gravações de Liga da JustiçaZack Snyder nas gravações de Liga da JustiçaFonte:  Vanity Fair/Reprodução 

“Poderia dizer que eram como babás. Não me incomodou muito porque eles não eram tão ameaçadores. Eu apenas senti as ideias que eles traziam, onde tentavam injetar humor e coisas do tipo, não era nada que fosse muito ultrajante”, disse.

Nesse contexto, o estúdio teria impedido o desenvolvimento de algumas cenas no enredo, como um possível romance entre o Batman, de Ben Affleck, com Lois Lane, vivida por Amy Adams. Além disso, A Warner Bros. proibiu que o longa tivesse mais de duas horas de duração.

“Foi uma experiência estranha. Nós trabalhamos em um projeto por tanto tempo, em seguida saímos, e só depois poderemos ver o que aconteceu com ele”, comentou Deborah Snyder, produtora esposa do diretor. Segundo Zack Snyder, ela assistiu a versão lançada nos cinemas ao lado de Christopher Nolan — responsável pela trilogia do Cavaleiro das Trevas — e de outro membro da produção.

“[Após a exibição] eles vieram até mim e disseram apenas isso: ‘Você não deve ver esse filme, nunca’”, contou o diretor.