Público gamer brasileiro cresceu 7,1% de 2019 a 2020, diz estudo

2 min de leitura
Imagem de: Público gamer brasileiro cresceu 7,1% de 2019 a 2020, diz estudo
Imagem: https://unsplash.com/photos/eCktzGjC-iU
Avatar do autor

A sétima edição da Pesquisa Game Brasil (PGB), realizada em fevereiro por Sioux Group, ESPM e Blend New Research, ouviu 5.830 pessoas em 26 estados e no Distrito Federal e revelou que o mercado de jogos eletrônicos cresceu 7,1% no país de 2019 para 2020. O estudo abrange vários aspectos relacionados ao consumo de games digitais, como grupos separados por gênero, faixa etária e plataformas mais utilizadas.

Mulheres são maioria entre jogadores brazucas

O grupo gamer brasileiro é formado, em sua maioria, por adultos de 25 anos a 34 anos de idade, compondo 33,6% desse público. Em seguida, representando 32,5% da galera, vêm os jovens de 16 anos a 24 anos.

A PGB considera como gamer todo indivíduo que afirma ter o hábito de praticar jogos digitais, não importando o estilo, a frequência, a duração da atividade ou o conhecimento sobre games, softwares e hardwares relacionados. Sendo assim, ao contrário do que diz o senso comum, as mulheres são maioria entre os gamers brasileiros.

Fonte: Unsplash/Pan Xiaozhen/Reprodução(Fonte: Unsplash/Pan Xiaozhen/Reprodução)Fonte:  Unsplash/Pan Xiaozhen 

Desde 2016, ou seja, por 5 anos consecutivos, as mulheres são a maioria dos consumidores nesse tipo de mercado; na edição deste ano, a pesquisa indicou que elas representam 53,8% dos jogadores.

O peso do senso comum sobre esse dado pode ser reflexo da frequência da atividade: 67,5% são do tipo casual, enquanto 33,5% são aficionados. Se avaliarmos o primeiro grupo, que é bem maior, veremos que 61,9% são do sexo feminino; entre os aficionados, a maioria é do sexo masculino, formando 61,3% do total.

Esse dado mostra que, quanto mais engajado na atividade, maior é a probabilidade de que o jogador seja homem. Talvez por isso a sociedade considere que eles são a maioria absoluta, quando na verdade não são. No grupo menor, no entanto, estão os que mais compram games por ano: 22,4% dos jogadores hardcore adquiriram mais de 10 títulos ao logo de 2019 somente na plataforma de consoles.

Hábitos dos gamers brasileiros. (Fonte: PGB/Divulgação)Hábitos dos gamers brasileiros. (Fonte: PGB/Divulgação)Fonte:  PGB/Divulgação 

Celulares são a plataforma mais usada

A PGB mostrou que os smartphones são o dispositivo mais usado entre os gamers do Brasil, com 86,7% da preferência. Os consoles (43%) e o computador (40,7%) vêm em segundo e terceiro lugares. Os celulares também se tornaram a opção predileta para os jogos, tendo crescido 7% de 2019 para 2020 e atingindo 52% da preferência.

Esse número foi impulsionado pelo aumento da capacidade gráficas dos aparelhos e pelo surgimento de títulos de sucesso para os sistemas Android e iOS. Além disso, os celulares estão em muito mais lares brasileiros do que computadores e consoles.

Pais jogadores incentivam filhos

Entre os entrevistados que são pais, 78,7% afirmaram ter filhos que jogam. Considerando apenas os pais gamers, o número de filhos que jogam aumenta para 84,3%.

A edição da PGB deste ano ainda oferece um Painel LATAM, que busca traçar o perfil geral do jogador latino-americano, com 3.229 participantes de México, Argentina, Colômbia e Chile. Para saber mais, viste o site oficial.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Público gamer brasileiro cresceu 7,1% de 2019 a 2020, diz estudo