Coringa: diretor comenta cena final do filme

2 min de leitura
Imagem de: Coringa: diretor comenta cena final do filme
Avatar do autor

Coringa já se tornou um dos maiores sucessos da DC nos cinemas. O filme que apresenta a origem do icônico vilão do Batman expõe o perfil psicológico do personagem como parte fundamental da trama. O diretor do longa, Todd Phillips, foi questionado sobre um momento específico do filme e comentou o significado da sequência final.

Leia também: Coringa: filme com Joaquin Phoenix investiga violência (crítica)

Atenção: este texto contém spoilers de Coringa.

Fonte: IMDb/Reprodução
(Fonte: IMDb/Reprodução)

Após o vilão do filme ser preso no Arkham State Hospital, ele passa por uma avaliação com uma médica que questiona o motivo da sua risada. Ele responde "Você não entenderia", e o filme se encerra com Arthur Fleck correndo pelos corredores do hospital. Phillips explicou que essa frase pode ter diversas interpretações.

"Quando [o roteirista] Scott Silver e eu nos sentamos para escrever, sabíamos o suficiente sobre os quadrinhos", disse Phillips. "Eu li quando era criança e sabia que ele [Coringa] não tinha uma história de origem. Também não quero dizer se é real ou não, porque acho que é parte da diversão. Mostrei a muitas pessoas e todas tiveram uma reação diferente. Algumas disseram: 'Entendi a última frase do filme como uma piada que ele estava contando'. A piada seria a história do filme? A piada seria alguma coisa importante? A ideia é que não gostamos de responder a essas perguntas porque é bom ver as diferentes coisas que as pessoas tiram delas", explicou o diretor.

Fonte: IMDb/Reprodução
(Fonte: IMDb/Reprodução)

A resposta de Phillips é interessante, pois, diferentemente da maioria dos cineastas, que optam por comentar e explicar cada detalhe dos filmes, ele deixa a dúvida no ar. Para ele, como o Coringa sempre teve diversas origens, explicar o fim do filme seria ir contra o conceito do próprio personagem.

"Essa foi a ideia, a ideia de que todo o 'meu passado é múltiplo'", afirmou Philips. "Eu gosto de pensar no meu passado como múltipla escolha, é um pouco como 'Espere, isso aconteceu?'. É realmente divertido quando você faz um filme com um narrador não confiável. Não existe outro narrador não confiável como o Coringa, e acho que isso ajuda a reação das pessoas em relação ao filme; eu gosto que as pessoas não saibam o que aconteceu. Há certas coisas que, se você vir de novo, notará sobre a sala branca no fim, que meio que começa no começo", concluiu Phillips.

Veja tambémCoringa divide opinião entre os votantes do Oscar

Coringa estreou nos cinemas brasileiros em 3 de outubro.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Coringa: diretor comenta cena final do filme