Sempre que algum episódio violento acontece nos Estados Unidos, o governo tenta empurrar a culpa para cima de alguma coisa que normalmente tem nada a ver com o acontecido. Agora, um projeto de lei que tenta ligar massacres em escolas com videogames, propõe um imposto para jogos com classificação para maiores de 17 anos no país.

Chamada de "sin tax" ou "imposto do pecado", o projeto de lei foi criado pelo republicano Christopher B. Quinn, que já havia tentado emplacar o mesmo projeto em 2018, mas foi refutado pelo mesmo não apresentar dados fortes o suficiente para sequer ser estudado.

A ideia é que um imposto de 10% no valor de jogos seja aplicado em títulos com classificação M ou AO (Adults-Only) no estado da Pennsylvania. Esse imposto seria redirecionado para um fundo de proteção que teria como objetivo aumentar as medidas de segurança em escolas. Vale lembrar que uma das medidas levantadas, e depois completamente destruídas pela sociedade, era dar treinamento e armas para professores se defenderem de ataques.

O novo projeto de lei de Quinn se baseia em um trecho de um estudo do Nacional Center for Health Research que mostrava alguns pontos que ligavam jogos a comportamento agressivo, mas ignorando o mesmo estudo que afirma que "violência é uma forma de agressão, mas nem todo comportamento agressivo é violento". 

Imagem: Reprodução/Bethesda

O mesmo estudo ainda completa que não existem estudos que possam afirmar com certeza que jogos eletrônicos violentos podem levar a delinquência, comportamento criminoso ou alguém matar uma pessoa por isso.

O projeto de lei da Pennsylvania ainda está no estágio inicial, mas, caso seja aprovado, pode mudar a forma como títulos mais adultos são vistos dentro dos Estados Unidos e, subsequentemente, em todo o mundo.

Via  Voxel

Estado americano quer aplicar impostos em cima de jogos violentos via Voxel

Cupons de desconto TecMundo: