Dia do Japão: jogos japoneses incríveis e curiosidades para celebrar a data

16 min de leitura
Imagem de: Dia do Japão: jogos japoneses incríveis e curiosidades para celebrar a data
Avatar do autor

*Se quiser conhecer o Japão, confira essas passagens no SkyScanner.

Japão, um dos países responsáveis por criar grande parte do conteúdo consumido por jovens e adultos na atualidade. O paraíso dos otaku, dos fãs de jogos eletrônicos, dos cosplayers e de todos aqueles que se interessam por uma cultura tão rica e diferente da nossa.

Entre animes, mangás, novelas e músicas, o país também abriga um dos maiores mercados do mundo: o dos videogames, contando com centenas de desenvolvedoras e distribuidoras, algumas delas localizadas entre as mais importantes da indústria, como Nintendo e Square Enix.

Foi justamente pensando nisso que nós preparamos para vocês uma lista com alguns jogos japoneses inesquecíveis para aproveitar bem essa segunda-feira. Afinal, dia 11 de fevereiro o país celebra o "kenkoku kinen-bi" ou "kenkoku kinen no hi", ou seja, o Dia da Fundação Nacional do Japão. E uma data tão especial como essa não poderia passar em branco, né?

Imagem: Benjamin Hung

Japão feudal, folclore e xintoísmo

Embora com o passar dos anos o cristianismo venha ganhando espaço no Japão, o xintoísmo permaneceu inalterado por milênios no país, sendo até hoje a religião central da cultura e história japonesa. Dessa forma, é natural que isso se manifeste através das diferentes mídias que englobam a cultura pop, como anime, mangá e, é claro, video games.

Em jogos ambientados no Japão feudal, por exemplo, é muito comum vermos o protagonista lutando contra inimigos baseados diretamente em figuras e divindades místicas, como os youkai, criaturas sobrenaturais presentes no folclore japonês.

Imagem: SGCAFE

Com certeza você conhece ou já ouviu falar de jogos japoneses que utilizam essa temática. Vamos dar uma olhada em alguns deles?

  • Kiki Kaikai: Tsukiyo Soushi (“Mundo Fantasmagórico Misterioso: Contos da Noite de Luar”)

Conhecido no ocidente como Pocky & Rocky 2, é o segundo título principal de uma série shoot ‘em up que teve início nos fliperamas japoneses. Desenvolvido e publicado pela Natsume, o jogo foi lançado para Super Nintendo em 1994.

Assim como os outros títulos da série, Pocky & Rocky 2 possui fortes elementos da cultura e do folclore japonês, a começar pela protagonista (Pocky), uma sacerdotisa de um templo xintoísta que tem como companheiro um Tanuki (Rocky, o guaxinim).

O tanuki é visto como um amuleto da sorte e prosperidade no Japão, por isso é comum encontrarmos estátuas de guaxinins nas portas dos restaurantes mais tradicionais. Os japoneses acreditam que isso atrairá clientes, já que o animal é representado como uma criatura que adora comer.

Imagem: Hosoda/Nagano Blog

Além deste, outros seres místicos bastante conhecidos dão as caras em Pocky & Rocky 2, como a Kitsune (raposa), Yuki Onna (Mulher das Neves), Tengu, Kappa e muitos outros. Se você se interessa por esse universo, vale a pena conferir!

  • Okami (“Grande Deus” ou “Lobo”)

Lançado inicialmente para PlayStation 2 em 2006, Okami com certeza é um dos jogos eletrônicos com maior influência da história e da cultura japonesa. O game conta com a presença de seres místicos como Amaterasu, Susanoo, Izanagi e Izanami, os deuses mais conhecidos da religião xintoísta no país.

Seu nome nada mais é do que um trocadilho de ideogramas. A palavra "okami" significa "lobo", e os dois símbolos, que estabelecem "grande" e "Deus", ao serem colocados juntos, levam a mesma leitura, significando “Grande Deus”.

Imagem: Site Oficial

Em Okami, nos colocamos no papel de uma loba chamada Amaterasu, a Grande Deusa do Sol, em uma jornada para remover a maldição e restaurar a beleza da Terra. Para isso, contará com a ajuda de outros seres mitológicos e de um “Pincel Celestial”, que permite “desenhar” coisas específicas na tela para ajudar em combates, puzzles e mais.

Além do uso do pincel que remete à tradicional caligrafia japonesa conhecida como Shodo, os gráficos de Okami são similares à uma pintura em aquarela, lembrando bastante uma ilustração japonesa feita a tinta.

Imagem: Site Oficial

Apesar de alguns seres místicos terem sofrido alterações, a criação de Hideki Kamiya interpreta de maneira divertida um dos contos mais importantes da mitologia japonesa. Para deixar a aventura ainda mais interessante, recomendo ler o Kojiki e o Nihon Shoki, os livros mais antigos sobre a história do Japão, que trazem detalhes sobre os deuses e outros seres mitológicos.

É claro que existem muitos outros jogos que se inspiraram no Japão feudal mundo afora, por isso, ficam as menções honrosas às séries Onimusha e Warriors, ao RPG de estratégia baseado em turnos Nobunaga’s Ambition, ao game Samurai Shodown RPG que nunca saiu do Japão e, é claro, ao soulslike Nioh.

Vamos passear em Tóquio

Se você é fã da cultura japonesa certamente já sonhou em viajar ao Japão e conhecer Tóquio. Infelizmente, nem sempre isso é possível devido à distância e aos preços altíssimos das passagens de avião.

Pensando nisso, separamos alguns jogos que retratam Tóquio e o Japão moderno quase que em sua forma real, permitindo que os jogadores mergulhem em um universo fictício convincente o suficiente para parecer que estão lá de verdade.

Imagem: Agathe Marty

  • Persona 5

A série Persona sempre foi uma das mais queridas pelos fãs de RPG no Japão e, apesar de também ser lançada no ocidente desde seu primeiro título, foi com Persona 3 que a franquia começou a se popularizar por aqui.

Ainda assim, Persona não era tão conhecido fora da Terra do Sol Nascente e foi o lançamento de seu quinto título para PlayStation 3 e PlayStation 4 em 2017 que tornou a franquia mundialmente conhecida, sendo hoje um dos JRPGS mais amados do mundo.

Em Persona 5 nos colocamos na pele de um estudante do colegial que junto de seus amigos deverá enfrentar os problemas da sociedade ao seu redor destruindo monstros conhecidos como shadows.

Imagem: Site Oficial

Assim como nos jogos anteriores da série, Persona 5 possui um enredo interessante, uma trilha sonora excepcional e uma mensagem importante para ser transmitida através de seus personagens principais e até inimigos, que são baseados em figuras lendárias e literárias.

O diferencial de Persona 5, no entanto, é que o jogo é o único da série que se passa em Tóquio. Embora seja uma ambientação fictícia e com algumas alterações, como nomes de lojas e outros estabelecimentos comerciais, o cenário é tão bem trabalhado e fiel à realidade que é difícil não se sentir nas ruas de Shibuya.

Imagem: Engadget

É um prato cheio de nostalgia para aqueles que já visitaram o Japão – e muito interessante para quem nunca foi, já que tudo é tão bem detalhado que podemos ficar horas e horas observando o ambiente, brincando nas estações de metrô ou observando o cruzamento mais lotado do mundo.

  • Judge Eyes: Shinigami no Yuigon (“Olhos de Juiz: Testamento do Deus da Morte”)

Conhecido no ocidente como Judgement, o jogo foi desenvolvido pelo estúdio Ryu ga Gotoku, o mesmo responsável pelo desenvolvimento da popular série Yakuza.

Em Judgement acompanhamos Takayuki Yagami, um ex-advogado que, após certos eventos, agora trabalha como detetive particular. Durante suas investigações, Yagami deverá enfrentar inimigos usando um estilo de combate similar ao da série Yakuza enquanto junta pistas para chegar até seus suspeitos.

Imagem: Site Oficial

A história de Judgement é ambientada no mesmo universo de Yakuza, em um local chamado Kamurocho baseado no distrito de Kabukicho, em Tóquio. Assim como acontece com jogos da série Yakuza, a ambientação é bem fiel à realidade, tornando possível encontrar restaurantes e outros estabelecimentos comerciais similares aos existentes no Japão.

Além disso, o jogo retrata muito bem o universo do entretenimento japonês trazendo elementos como os fliperamas chamados pelos japoneses de “game center”, o karaokê box muito popular entre jovens e adultos, e até mesmo os cabarés conhecidos como “host club”.

Imagem: Site Oficial

Judge Eyes foi lançado no Japão em 13 de dezembro de 2018 e está com lançamento previsto para ainda este ano no ocidente, então já vai preparando seu bolso para visitar virtualmente o distrito de entretenimento e da luz vermelha em Tóquio!

  • Zettai Zetsumei Toshi (“Uma Cidade em Desespero”)

Todos sabemos que o Japão é, infelizmente, a terra dos desastres naturais, como terremotos, tsunamis e até tufões. Já pensou como seria sobreviver a uma situação dessas? Acredite se quiser, é possível sentir na pele essa sensação através de uma franquia de jogos eletrônicos muito popular no país.

Imagem: Site Oficial

Zettai Zetsumei Toshi é uma série desenvolvida pelo estúdio Irem que tem como objetivo recriar a atmosfera e a tensão de sobreviver após alguns desastres naturais. Seu primeiro título foi lançado para PlayStation 2 em 2002 no Japão, chegando ao ocidente com o título de Disaster Report.

Graças ao seu sucesso no Japão, o jogo ganhou uma sequência em 2006 também para PlayStation 2, sendo lançado no ocidente não como Disaster Report 2, mas como Raw Danger! Um terceiro jogo da série surgiu em 2009 para PSP, mas esse infelizmente não chegou a vir para o ocidente.

Quem estiver em busca de algo mais recente, a franquia recebeu um quarto título para PlayStation 4 em 2018 no Japão. O jogo estava programado para sair em 2011, mas com o grande terremoto que atingiu o país na época, acabou sendo cancelado.

Imagem: Site Oficial

Com o cancelamento da série declarado pelo estúdio Irem, alguns funcionários demitidos acabaram criando o estúdio Grazella e comprando os direitos do jogo para continuar seu desenvolvimento.

Uma curiosidade é que, a fim de proporcionar aos fãs uma experiência ainda mais autêntica, os desenvolvedores se uniram ao corpo de bombeiros da cidade de Kobe para recriar cenários e situações reais, visto que Kobe sofreu um dos piores terremotos do país em janeiro de 1995.

Inclusive, fica a dica para você que está viajando ao Japão: existe um museu em Kobe dedicado a esse terremoto onde é possível ver detalhes de como foi o desastre e até vivenciar a experiência através de um simulador. Para maiores informações, acesse o site oficial em inglês do museu aqui.

Imagem: Site Oficial

Ainda não está convencido? Existem outros títulos que podem te ajudar a viajar para o Japão. Que tal combater o mal em The World Ends With You, mergulhar na máfia japonesa em Yakuza, enfrentar monstros gigantes em City Shrouded in Shadow, deixar as pessoas peladas em Akiba’s Trip – ok, pode pular esse – ou pichar a cidade em Jet Set Radio?

Os fantasmas japoneses

Você certamente já deve ter reparado que muitos jogos, filmes e obras literárias japonesas possuem fantasmas. Isso acontece porque a religião e a cultura do país estão profundamente ligadas a eles desde a antiguidade.

Os yuurei, como são conhecidos, permanecem no dia a dia dos japoneses até hoje e, embora no passado o termo fosse usado para designar vários tipos de espíritos, atualmente representa também pessoas que morreram e possuem sentimentos de raiva, vingança ou assuntos pendentes, o que impossibilita a partida para o outro mundo. Estes também são chamados de Onryo.

Imagens: Yokai.com

Normalmente, os yuurei possuem cabelos longos e aparência muito similar a de quando morreram. As roupas, geralmente brancas, representam a pureza presente no xintoísmo, cor que geralmente é relacionada a mortos e padres dentro da religião.

Em muitos casos, por serem espíritos vingativos, podem conter manchas de sangue que indicam a forma como morreram, deixando-os ainda mais assustadores, como é o caso das assombrações presentes nos filmes O Grito (Ju-On) e O Chamado (The Ring).

Inclusive, você sabia que no verão os japoneses contam histórias de terror envolvendo fantasmas, pois acreditam que o medo causa arrepio e ajuda a refrescar no calor? Além disso, essa é também a estação do ano em que o país comemora o Obon, um costume budista que celebra a visita dos antepassados.

Imagem: Ryukyuhattuken

Se você tem medo de fantasmas, deixe para visitar o Japão na primavera, outono ou inverno e não esqueça de pular a lista abaixo!

  • Yomawari: Night Alone

Lançado originalmente para PlayStation Vita em 2015, Yomawari: Night Alone é um survival horror desenvolvido pela Nippon Ichi Software que acompanha uma garotinha a procura de sua irmã em uma cidade assombrada, lotada de fantasmas e youkai.

Embora sua história principal possa ser finalizada em aproximadamente 3h, Yomawari consegue apresentar ao jogador diversos monstros bizarros baseados em seres do folclore japonês. Adicionalmente, a cidade do jogo possui uma arquitetura tradicional japonesa belíssima – e ao mesmo tempo assustadora – que torna a experiência ainda mais interessante.

Imagem: Steam

Yomawari foi lançado mundialmente para PC em 2016 e Nintendo Switch em 2018. Devido ao sucesso do primeiro jogo, uma sequência intitulada Yomawari: Midnight Shadows chegou para PS4, PS Vita, PC e Switch no ano passado.

Nanashi no Game (O Jogo Sem Nome)

Desenvolvido pela Epics e publicado pela Square Enix, Nanashi no Game foi lançado em 2008 somente no Japão para Nintendo DS. Seu nome se justifica pela presença de um “jogo amaldiçoado sem nome” disponível no universo do game onde aqueles que jogarem morrerão em sete dias.

Imagem: YouTube

Em Nanashi no Game tomamos o controle de um estudante universitário que recebe um jogo amaldiçoado de seu veterano Fumihiko Okada. Após o desaparecimento de Fumihiko, somos levados à uma investigação para descobrir seu paradeiro enquanto fugimos de vários fantasmas assustadores.

O jogo se passa em dois universos: o mundo real, onde jogamos com o Nintendo DS na vertical, e o mundo do jogo amaldiçoado, onde jogamos em um cenário feito inteiramente em 8-bits.

Imagem: Hatena Blog

Além destes, obviamente existem muitos outros jogos de terror japoneses com yuurei assustadores. Inclusive, caso esteja procurando por mais uma opção, tente a sorte com a franquia Fatal Frame e perca várias noites de sono tirando fotos de fantasmas bizarros enquanto vaga por cenários totalmente inspirados na cultura japonesa.

A música japonesa nos videogames

Embora não seja tão conhecido no ocidente quanto outras mídias da cultura pop japonesa, o mercado musical do Japão é tão importante para o país quanto anime, mangá e videogame. Com uma indústria enorme gerenciando todos os tipos de cantores, bandas e ídolos (ou idols, como são chamados por lá), o J-pop e o J-rock estão presentes em todos os lugares.

Lojas enormes que ocupam vários andares de um prédio – ou até mesmo um prédio inteiro – marcam presença em diversas ruas do país, como a Tower Records e a HMV.

Imagem: Fortune

E se você é fã de videogame, com certeza já se deparou com alguns dos cantores mais conhecidos, como Utada Hikaru nas canções de Kingdom Hearts, Gackt interpretando o tema de Dirge of Cerberus: Final Fantasy VII e Tsukiko Amano com as músicas de Fatal Frame.

Pensando nisso, separamos alguns jogos que podem te ajudar a mergulhar fundo no universo musical japonês. Confira a lista abaixo!

  • Osu! Tatakae! Ouendan (“Hey! Lute! Equipe de Torcida”)

Lançado para Nintendo DS em 2005, Osu! Tatakae! Ouendan foi desenvolvido pela iNis e publicado pela Nintendo somente no Japão. O jogo, que tem um visual mais cômico inspirado em anime e mangá, acompanha uma equipe de torcida masculina que ajuda pessoas em situações desesperadoras através da música.

Imagem: Vooks

Utilizando a tela sensível ao toque do portátil, o jogador deverá realizar movimentos de acordo com o ritmo das músicas, tocando em pontos específicos para marcar pontos. O legal é que, entre as músicas presentes na biblioteca do game, temos diversos artistas famosos do pop e rock japonês da década de 90, como Morning Musume, L’Arc~en~Ciel, Orange Range e muitos outros.

Embora as músicas existentes no jogo sejam covers e não gravações originais, Osu! Tatakae! Ouendan é um jogo essencial para todos aqueles que se interessam por esse universo.

Vale lembrar que mesmo sem ter sido lançado no ocidente, Osu! Tatakae Ouendan se tornou bastante popular entre os fãs de cultura pop japonesa ganhando um sucessor espiritual ocidental chamado Elite Beat Agents com músicas de artistas americanos, como Avril Lavigne, Madonna e outros.

  • Idol Death Game TV

Desenvolvido pela Witchcraft e publicado pela D3 Publisher para PS Vita no Japão, Idol Death Game TV acompanha a história de várias garotas que almejam se tornar idols. Para isso, participarão de uma batalha de vida ou morte transmitida ao vivo em todo o país onde as últimas sobreviventes serão escolhidas para participar do grupo “Project 47”.

Imagem: Site Oficial

O nome “Project 47” se refere às 47 províncias do Japão e, dentro do universo do jogo, é o grupo idol pop mais conhecido do país. Inclusive, isso é uma referência a um dos grupos mais famosos do Japão, AKB48 (Akihabara 48), composto por várias meninas que participam de eleições anuais para se tornarem a mais popular – nesse caso sem mortes, claro.

As garotas participarão de vários julgamentos a fim de serem selecionadas, onde aquelas que falharem serão mortas. O jogo possui aproximadamente 200 meninas que podem ser escolhidas livremente pelo jogador, permitindo que a história seja acompanhada do ponto de vista de vários personagens diferentes.

Infelizmente o game não foi lançado fora do Japão, mas com certeza é uma experiência diferente para aqueles que querem se aventurar no universo dos idols japoneses.

Imagem: Site Oficial

Outro jogo de ritmo que merece ser citado é Taiko no Tatsujin, o simulador de tambor japonês. Originalmente lançado para fliperamas no Japão, o game se popularizou mundialmente, chegando a sair até mesmo para console.

Inclusive, em 2018 o simulador de taiko ganhou títulos para PlayStation 4 e Nintendo Switch, com uma edição limitada que vinha com um controle especial em formato de tambor. Além de poder experienciar como é tocar um tambor japonês, o legal da série é que possui diversas músicas conhecidas de artistas de j-pop, temas de anime, canções originais da Bandai Namco e muito mais.

Imagem: GameShop Asia

E para aqueles que gostam de dançar, que tal se aventurar no Just Dance japonês? Sim, a franquia da Ubisoft recebeu uma versão japonesa lançada para Nintendo Wii e Wii U no Japão. Nele é possível dançar canções famosas do pop japonês e coreano com coreografias originais – ou muito parecidas.

Japonês através dos jogos

É óbvio que essa lista não estaria completa sem os jogos que ensinam – ou no mínimo facilitam o aprendizado – a língua japonesa, não é mesmo?

  • My Japanese Coach

Apesar de não ser um jogo japonês, My Japanese Coach é um título essencial para quem tem interesse pelo idioma. Desenvolvido pelo estúdio americano Sensory Sweep Studios e publicado pela Ubisoft, o jogo ensina desde os três alfabetos da língua japonesa (hiragana, katakana e kanji) até vocabulário e estruturas gramaticais.

Imagem: FluentU

Com vários minigames, exemplos e até opção de voz para treinar a pronuncia, o jogo torna muito fácil memorizar as letras e o vocabulário. Inclusive, as lições são separadas por cidades do país, ensinando não somente sobre a língua, mas apresentando também detalhes culturais de cada região.

My Japanese Coach foi lançado para Nintendo DS em 2008. Se você sempre quis aprender japonês de forma divertida e diferente, sem depender de livros maçantes e complicados, essa é a hora!

  • Pokémon

Para aqueles que já possuem um conhecimento básico ou intermediário da língua japonesa, a franquia de monstros de bolso pode ser uma mão na roda para praticar leitura e compreensão de texto.

Já no início dos jogos, o usuário pode escolher o idioma de preferência. Para a língua japonesa existem duas opções: kana (hiragana e katakana, os dois alfabetos básicos) ou kanji (ideogramas chineses).

Imagem: Mantan Web

Ao fazer isso, será possível aprender não só os nomes dos monstrinhos de bolso em japonês, como também seus tipos, várias palavras em inglês e até onomatopeias. Visto que muitas dessas palavras são repetidas constantemente, a memorização também se torna mais fácil e rápida.

Adicionalmente, caso você queira aprender a língua japonesa em qualquer lugar, isso também é possível com Pokémon Go! Trocar o idioma de jogo e do seu celular para japonês é uma ótima opção para aqueles que já estão mais adiantados e querem continuar praticando. Fica a dica!

Imagem: App Bank

Gostaria de deixar uma menção honrosa ao game Learn Japanese to Survive, série de RPG desenvolvida pelo estúdio Sleepy Duck e lançada para PC. O jogo introduz de maneira divertida os alfabetos básicos da língua japonesa, sendo um facilitador e tanto para aqueles que querem começar do zero.

Outro jogo interessante é a série Persona, visto que possui bastante diálogo e muitos dos termos se repetem constantemente. No entanto, esse fica para aqueles que já possui um conhecimento mais avançado do idioma, pois as legendas do jogo fazem uso de kanji o tempo todo.

Imagem: ShapeWin

Existem milhares e milhares de títulos japoneses – e não japoneses também – que se inspiraram na história e cultura japonesa para sua composição. Buscamos trazer nessa lista alguns dos mais interessantes em aspectos culturais e históricos, além, é claro, de títulos pouco conhecidos no ocidente ou que nunca chegaram a ser lançados por aqui.

Enquanto isso, aguardamos ansiosos pelos próximos lançamentos inspirados na cultura japonesa, como Sekiro: Shadows Die Twice, Shin Megami Tensei V e o jogo não-japonês Ghost of Tsushima. Quais são as suas expectativas para esses títulos?

Gosta de algum outro jogo japonês com elementos culturais marcantes como os citados aqui? Deixe suas impressões nos comentários abaixo!

Via  Voxel

Dia do Japão: jogos japoneses incríveis e curiosidades para celebrar a data via Voxel

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Dia do Japão: jogos japoneses incríveis e curiosidades para celebrar a data