O dia 17 de junho de 1997 marcou a chegada de um clássico. Talvez nem mesmo a Electronic Arts tivesse a noção de que acabava de lançar um dos melhores jogos de futebol já desenvolvidos pela humanidade, mas foi exatamente isso que aconteceu com o lançamento de FIFA: Road to World Cup 98 — ou simplesmente FIFA 98.

Seja pela trilha sonora mais conhecida da série ou então pela grande quantidade de seleções disponíveis, o game trouxe uma série de inovações para a franquia, contou com melhorias que aprofundaram as novidades vista no seu antecessor e ajudou a redefinir os jogos de futebol, indicando o sucesso da aposta da EA no esporte bretão.

Woo-hoo, when I feel heavy metal ?

Se você é mais antigo no mundo da jogatina, provavelmente deve saber do que vamos falar agora. FIFA 98 inaugurou a era das trilhas licenciadas nos jogos de futebol, algo que persiste até hoje na franquia da EA e foi copiado também pela Konami no Pro Evolution Soccer/Winning Eleven.

A abertura do game era embalada por "Song 2", do grupo britânico Blur, e se tornou não só a mais icônica de todos os FIFAs, mas também uma das mais conhecidas de todo o universo dos games. A melodia suave e o refrão marcante grudaram na cabeça dos jogadores e ajudaram a tornar o título ainda mais icônico.

A caminho da Copa

A expressão “Road to World Cup” (A Caminho da Copa do Mundo) que servia de subtítulo ao jogo não estava ali por acaso. Isso porque o quinto título da franquia inaugurada em 1993 colocava nada menos do que 172 seleções à sua disposição. Sim, isso mesmo, quase todas as equipes nacionais filiadas à Fifa eram jogáveis.

Como a proposta de FIFA 98 era replicar as eliminatórias para a Copa do Mundo de 98, as 170 seleções que competiram por vagas no mundial da França podiam ser escolhidas em duelos amistosos ou torneios — ficaram de fora apenas Mali e Níger, que desistiram de disputar as eliminatórias. As outras duas eram França, classificada por ser a sede do mundial, e Brasil, campeão em 1994 (essa foi a última copa em que o campeão da edição anterior se classificava automaticamente).

FIFA 98

Para jogar a Copa do Mundo em FIFA 98, você tinha antes que passar pelas eliminatórias no modo Road to World Cup. Assim, ao selecionar uma determinada seleção, seu escrete devia enfrentar os concorrentes regionais dentro das regras definidas por cada confederação e só depois, caso se saísse bem, podia sentir a glória de disputar um mundial.

Jogo democrático

O aspecto democrático de FIFA 98 não estava apenas em adicionar todas as seleções que disputaram eliminatórias (mais Brasil e França) ao jogo. Os palcos dos duelos também tinham essa proposta global e o game contava com 16 estádios oficiais, em 16 países diferentes. Com uma praça esportiva em cada confederação regional da Fifa, até mesmo o Maracanã, ainda Maior do Mundo e mais icônico dos estádios brasileiros, estava lá.

Capas do FIFA 98 lançados no Reino Unido (esq.) e Itália.

Aqui também começa uma prática recorrente da Electronic Arts com o FIFA: a adoção de capas regionais. Diferente dos anos anteriores, quando o game trazia uma capa global e outra para a Europa ou para a América do Norte, FIFA 98 foi lançado com craques nacionais em diferentes países, como David Beckhan na versão do Reino Unido e Paolo Maldini na edição lançada na Itália.

Sem se esquecer dos clubes

Se essa montoeira de seleções não era o suficiente, tinha mais: 189 clubes de 11 ligas diferentes (Alemanha, Brasil, Escócia, Espanha, EUA, França, Holanda, Inglaterra, Itália, Suécia e Malásia) poderiam ser utilizados pelos jogadores em FIFA 98. Somando tudo, eram nada menos do que 361 equipes disponíveis em um único jogo.

Tudo bem que isso é quase metade dos 650 times disponíveis no FIFA 17, mas vale lembrar que o game mais recente conta com foco maior nas ligas nacionais e tem “apenas” 47 seleções masculinas e 14 seleções femininas — 61 ao todo.

Experiência personalizada

FIFA 98 inovou em relação aos títulos anteriores também no quesito personalização. A novidade de montar seu próprio time em FIFA 97 era ampliada e, agora, o jogador poderia fazer isso ao longo de um torneio, negociando atletas para reforçar a sua equipe — e cada time tinha um determinado valor para investir nisso.

E já que o foco do game eram as seleções, isso também estava disponível na disputa das eliminatórias. Aqui, você assumia o papel do Zagallo e poderia fazer a sua própria escalação ao longo da competição, pode escolher absolutamente qualquer jogador do país escolhido para tentar alcançar a Copa.

As personalizações não param por aí e FIFA 98 estreia também a função de customização dos clubes e seleções. E você poderia mudar absolutamente tudo em uma equipe, desde o nome até as cores e o modelo de uniforme — eis aqui uma vantagem dos uniformes não licenciados dessa época. Até mesmo o nome e a aparência dos atletas podiam ser modificados, outro recurso inédito no mundo dos games de futebol.

Jogabilidade

Até agora, as inovações de FIFA 98 eram todas estéticas, então, é importante também falar dos aprimoramentos técnicos do jogo. Além dos gráficos, a jogabilidade e a inteligência artificial do jogo estavam melhores, garantindo movimentações inteligentes dos atletas não controlados pelo jogador e também um controle melhorado daqueles comandado pelo joystick.

Os compilados de gols de bicicleta e outros movimentos plásticos disponíveis no YouTube dão uma ideia das melhorias aplicadas ao jogo. O sistema de força na cobrança de bolas paradas também foi aprimorado e dava mais precisão para o jogador na hora de bater uma falta ou um lateral, por exemplo.

Controles de força e direcionamento aprimorados, uma novidade do FIFA 98.

FIFA 98 foi o primeiro da franquia com a regra do impedimento bem implementada, recurso que também contribuiu para a fluidez de tudo. Até então, qualquer jogador em posição de impedimento acionava a marcação mesmo que não participasse da jogada. No lançamento de 1997, a EA conseguiu refinar essa característica que, apesar de ainda não estar perfeita, funcionava melhor do que nunca.

Melhor FIFA? Melhor FIFA!

Sem a ilusão nostálgica de que o antigo sempre é melhor, é óbvio que FIFA só evoluiu e os games recentes são bem melhores do que FIFA 98. Os gráficos e a jogabilidade cada vez mais realistas, sistema de licenciamento e duelos online são apenas alguns dos itens que tornam impossível comparar um jogo de hoje com lançamentos de 20 anos atrás. Além disso, classificar isso exige levar em conta o contexto e o impacto do game na época do seu lançamento.

Mas é claro que a nostalgia se junta às várias inovações apresentadas por FIFA 98 para classificar o game como um dos mais importantes da história dos jogos esportivos e, muito provavelmente, o melhor FIFA de todos tempos. Ele foi crucial para que o game da EA batesse de frente com outros grandes jogos da época, Actua Soccer e International Superstar Soccer Pro, e continuasse a sua trilha de sucesso até hoje.

Você jogou FIFA 98? Conta a sua experiência com o game aí nos comentários.

Cupons de desconto TecMundo: