Ok, é verdade que, ultimamente, está bem mais fácil e prático escutar suas músicas favoritas pelos serviços de streaming, tais como Spotify e Deezer. Mesmo assim, ainda há aqueles que são apaixonados por música e fazem questão de manter suas coleções de arquivos MP3 muito bem guardadas no computador, os que adoram salvar faixa por faixa de um CD e até mesmo aqueles que compram os álbuns dos artistas digitalmente.

Se você tem — ou tinha  sua pasta de músicas, sabe perfeitamente como é fácil os arquivos se tornarem uma bagunça imensa: quem nunca salvou várias versões da mesma música, para ter a versão ao vivo, a de estúdio, a acústica e tantas outras? E aquela música que você baixou e nunca mais tirou da pasta de downloads? E, claro, não podemos nos esquecer da mesma música baixada duas vezes, porque você encontrou uma versão com qualidade melhor.

Para impedir que o caos tome conta da sua pasta, veja a lista que preparamos para você botar ordem na sua biblioteca. Aumente o som e vamos lá!

1. Reorganizando a estrutura da sua pasta de músicas

Antes de começar a mexer nos arquivos propriamente ditos, é preciso dar o primeiro passo: uma pasta de músicas clara e simples torna muito mais fácil a tarefa de encontrar uma faixa ou um cantor específico. Mesmo que você demore para colocar tudo em ordem, verá que vai valer a pena com o passar do tempo.

Uma boa ideia é criar uma pasta de Música com subpastas para cada artista e, dentro dela, mais subpastas para cada lançamento, ou seja, cada faixa e capa. Aliás, não se esqueça de utilizar o nome folder.jpg?w=700, para que o player reconheça a imagem como a capa do álbum.

2. Administre álbuns e artistas

Uma área que costuma dar trabalho é quando o usuário quer organizar os álbuns que têm faixas de artistas variados. Uma boa solução é juntar todos esses arquivos e colocá-los em uma pasta chamada Artistas Variados na biblioteca de mídia, sempre utilizando subpastas para cada lançamento. A vantagem de fazer a separação manualmente é que você tem certeza de onde cada arquivo vai ficar, já que, ao usar algum programa, talvez os arquivos sejam misturados ou diversas pastas sejam criadas sem necessidade.

3. Identifique e renomeie arquivos sem nome

Agora que cada coisa está no seu devido lugar, podemos começar o trabalho. Antes de ir direto utilizar o bom e velho ctrl + x e ctrl + v, por que não utilizar um programa que faça essa parte por você? O MusicBrainz Picard é um software gratuito, disponível para Windows, Mac e Linux. Ele identifica os arquivos e os renomeia automaticamente de acordo com os comandos dados pelo usuário, e depois os move para o local desejado na biblioteca. Fácil, né?

Você pode também utilizar o Bulk Rename Utility, que é gratuito e renomeia os arquivos e pastas em grupo. Além disso, é possível definir o critério que será aplicado para renomear e pré-visualizar o resultado.

4. Trabalhe os metadados

Você sabe o que são os metadados de uma música? Trata-se das informações extras que descrevem o arquivo, como nome da faixa, do álbum, ano de lançamento etc. É claro que você pode adicionar esses dados manualmente, mas isso é um pouco trabalhoso. Então, por que não utilizar  novamente  um software que já mecionamos aqui? O MusicBrainz faz isso por você.

5. Desduplique sua biblioteca

Estamos quase acabando! Se você costuma fazer o download de músicas, sabe que é bem provável que tenha arquivos duplicados perdidos pelas suas pastas. Porém, será que eles são cópias mesmo? Talvez sejam a versão acústica ou a ao vivo daquela música. Pode ser também a versão de estúdio. Ou pode ser que seja algo simplesmente com o nome errado.

Para que você não precise abrir um arquivo por vez para verificar o que está repetido e o que não está, também é possível utilizar programas que façam a tarefa. Uma sugestão é o Duplicate Cleaner, que busca todos os arquivos duplicados no computador. E você não precisa utilizá-lo apenas com as músicas, pois ele também funciona com fotos, vídeos, documentos etc.

Cupons de desconto TecMundo: