Ouvir música não diz respeito apenas às canções, mas ao modo como você faz isso. Portanto, além de ter um bom aparelho para reproduzir seu som favorito, é fundamental que você tenha um acessório que também transpareça seus gostos. Por conta disso, alguns designers criaram conceitos de headfones em que o visual e as funcionalidades também são levados em consideração.

É o caso do Q-Sound, fones para quem quer adotar uma aparência futurista, mas sem deixar a preocupação com mobilidade e meio ambiente. Ele não utiliza fios e comunica-se com o dispositivo de áudio por Bluetooth, o que dá maior liberdade ao usuário.

Para suportar esse sistema, o headfone utiliza duas baterias de íons de lítio, o que permite até 40 horas de uso contínuo. Porém, o grande diferencial está na presença de painéis solares na armação do acessório, que fazem com que a energia seja recarregada enquanto você caminha e ouve suas músicas. Segundo os designers, estima-se que uma hora de luz solar seja o suficiente para manter os fones ativos por duas horas e meia.

Dubnium

Divulgação/Adrian Jankowiak

Já o Dubnium, outro conceito de equipamento, aposta em versatilidade. Ele é um híbrido entre fones de ouvido e caixa de som, em que o usuário decide para qual finalidade o aparelho deve ser utilizado.

O acessório, desenvolvido pelo designer Adrian Jankowiak, possui saídas de áudio tanto na parte interna quanto externa, que podem ser alternadas a qualquer momento. Ao alterar sua forma, a função também é modificada.

Desse modo, ao dobrar e fechar a estrutura, por exemplo, o headfone se transforma em uma pequena caixa, o que permite que outras pessoas escutem músicas ao seu lado. O mesmo acontece no processo inverso, em que só é preciso soltar o suporte para que o Dubnium volte a ser um fone de ouvido.

Entretanto, tanto este conceito quanto o Q-Sound ainda não saíram do papel. Apesar de possuírem artes e até mesmo vídeos promocionais, ainda não há nenhuma empresa por trás dos projetos, muito menos uma data ou valor de lançamento.