Em nosso atual mundo portátil, imaginar maneiras impensadas de se produzir novos designs para aparelhos já tão explorados, como o telefone celular, pode não ser uma tarefa fácil. Ainda assim existem aqueles que surpreendem, como é caso do projeto Rimino.

O projeto Rimino, do sueco Amid Moradganjeh, rendeu uma boa nota para sua tese de mestrado, demonstrando um gadget conceitual que tem como foco explorar a interação homem/máquina ao limite, ficando ainda mais presente em nosso cotidiano.

No vídeo, é apresentado um aparelho do tamanho de cartas de baralho, com uma tela touchscreen de papel eletrônico e com uma interface dinâmica, que se molda de acordo com a necessidade do usuário. A ideia é usar o aparelho não só como um telefone ou um computador, mas também como um assistente eletrônico com o qual poderíamos interagir de uma maneira mais humana.

Além disso, o Rimino tem um grande apelo para a interação com outros dispositivos, podendo ser transformado em uma extensão de controles para o computador em casa, atuando como um controle remoto. Como o desenho da tela é totalmente liso e sem bordas, a interação entre vários aparelhos seria simplificada, podendo até serem usados como se fosse um só, de forma a facilitar a troca de informações.

O projeto conceitual demonstrado por Amid não é tão radical quanto o aparelho nanotecnológico da Nokia, mas, por ser algo mais próximo da tecnologia atual, já recebeu o suporte de empresas de peso, como a Microsoft. Mesmo assim, não há qualquer previsão de quando, ou se, o Rimino deixará de ser apenas uma ideia.