(Fonte da imagem: Reprodução/Bitell)

Você se lembra de quando falamos sobre aqueles computadores colossais desenvolvidos especialmente para minerar bitcoinsPois é, eles já ficaram para trás. Viraram brincadeira de criança. Com o aumento exponencial da popularização e valorização dos BTCs, torna-se cada vez mais difícil ganhar quantidades razoáveis da criptomoeda.

E, da mesma forma, são necessários hardwares ainda mais complexos e poderosos capazes de trabalhar ininterruptamente, concentrados no único objetivo de gerar o máximo de dinheiro virtual que for possível.

O investimento necessário para adquirir ou montar um maquinário desses é capaz de desanimar até o mais ávido amante das moedinhas digitais, mas não é um problema suficientemente complicado para a empresa chinesa conhecida como AsicMiner. Conhecida por vender equipamentos de mineração direto para o consumidor (alguns deles podem inclusive ser encontrados em território brasileiro), a companhia parece estar disposta a fazer o que for preciso para continuar lucrando com o mercado de bitcoins.

Recentemente, o jornalista e empreendedor chinês Xiaogang Cao (também conhecido pelo pseudônimo “Winnie” Cao) publicou uma série de fotografias perturbadoras em um blog asiático especializado em criptomoedas. Trata-se das primeiras imagens de uma verdadeira fortaleza de mineração criada pela AsicMiner, que reservou um andar inteiro para montar uma espécie de “datacenter de mineradoras” em um prédio da cidade de Kwai Chung, Hong Kong.

Winnie Cao posa na frente de hacks repletos de máquinas mineradoras da AsicMiner (Fonte da imagem: Reprodução/Bitell)

Mineração levada a sério

O estabelecimento (que é descrito por Cao como “tão silencioso quanto uma biblioteca”) abriga centenas de placas de processamento e avançados sistemas de refrigeração que mantêm todos os computadores operando em uma condição térmica apropriada. De acordo com o jornalista, a construção do complexo foi iniciada em agosto de 2013 e foi finalizada em apenas três meses; em outubro do mesmo ano, as máquinas já iniciaram seu trabalho de mineração.

Infelizmente, as informações mais relevantes – quanto custaram as obras e quanto em BTC as máquinas conseguem gerar – não foram divulgadas, mas a AsicMiner certamente deve ter feito um negócio com um excelente custo-benefício. Cao também observa que a companhia é dona de outras construções semelhantes, mas cujos endereços ou capacidades não são revelados. Esses chineses...

Quem quer ser um milionário?

Mas não se preocupe: há formas de participar dessa “corrida pelos bitcoins” sem um investimento tão alto quanto o feito pela AsicMiner. Há uma série de empresas especializadas que continuam atualizando seus produtos e comercializando máquinas preparadas especialmente para a prática de mineração por um preço que pode ser considerado justo – óbvio, se você pensar nos lucros a longo prazo. No momento em que esta matéria foi escrita, um BTC estava valendo US$ 904 (ou R$ 2,2 mil de acordo com o Mercado Bitcoin).

Sendo assim, talvez valha a pena gastar US$ 5,9 mil (R$ 14,1 mil sem adição de impostos) em uma CoinTerra TerraMiner IV, uma das melhores máquinas de mineração disponíveis atualmente no mercado. Ela é composta por quatro chips da Asic de 500 GH/s de potência cada um; juntos, eles totalizam 2 TH/s capazes de gerar quase 1 BTC por dia. Coolers de água são responsáveis por manter o PC funcionando sem fritar os seus próprios componentes. O próximo lote desses brinquedinhos deve ser enviado aos compradores em meados de abril, mas a pré-venda já está esgotada.

Se você estiver procurando algo ainda mais barato, o jeito é adquirir o modelo mais simples da família Fast-Hash One Silver, fabricada pela Virtual Mining Corp. O equipamento possui uma potência baixa (64 GH/s), mas é bem mais compacto do que outras máquinas do tipo e possui a vantagem de ser expansível (ou seja, você poderá melhorar seu desempenho posteriormente caso deseje). Outro ponto positivo das Fast-Hashs é a possibilidade de organizá-las em hacks estilo datacenter. Cada unidade está saindo por US$ 1,5 mil (R$ 3,5 mil sem impostos).

Um Fast-Hash One de baixa potência (Fonte da imagem: Reprodução/Virtual Mining Corp)

Um futuro incerto

O fato é que, como sempre, o mercado de bitcoins está um tanto instável. Enquanto investidores especializados afirmam que a tendência é que a moeda aumente de valor, a China tem complicado bastante a vida dos usuários desse sistema econômico alternativo. Vários bancos asiáticos foram proibidos de trabalhar com a criptomoeda, o que causou uma desvalorização passageira em dezembro de 2013.

Por outro, tem crescido cada vez mais o número de serviços e estabelecimentos que aceitam BTCs normalmente. Vale lembrar que uma concessionária cadanense chocou o mundo no fim do ano passado ao vender um Tesla Model S por cerca de 55 bitcoins para um consumidor anônimo. E não para por aí: até a Virgin Galatic mostrou interesse em aceitar dinheiro digital como pagamento para futuras viagens especiais.

E você, o que acha dos bitcoins? Acredita que elas têm futuro ou logo cairão no esquecimento? Não deixe de nos contar sua opinião através do campo de comentários e não se esqueça de reler nosso artigo especial sobre coisas que você pode comprar com a moeda e não sabia.