Imagem de: Cientistas trabalham em bateria mais fina que fio de cabelo
Fonte: Alexander Kozen/Universidade de Maryland

Cientistas trabalham em bateria mais fina que fio de cabelo

1 min de leitura
Avatar do autor

Ao divulgar seus estudos mais recentes, pesquisadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, revelaram dados associados a nanobaterias, que são 80 mil vezes mais finas que um fio de cabelo e capazes de melhorar o armazenamento de energia.

De acordo com as informações divulgadas, tais baterias seriam úteis para eletrônicos, carros e até mesmo edifícios, tendo como uma de suas vantagens a possibilidade de ser carregada totalmente em 12 minutos – e esse processo pode ser repetido milhares de vezes.

Processo de construção

Segundo os pesquisadores, elas são construídas com nanoporos, buracos em folhas de cerâmica com a espessura de um grão de sal e que possuem todos os componentes necessários para produzir corrente elétrica. Há um bilhão desses buracos, que são conectados como uma colmeia e poderiam facilmente preencher o espaço de um selo postal.

“Ficamos surpresos com o desempenho”, disse Eleanor Gillete, doutoranda em química e uma das responsáveis pelo estudo, ao site da National Geographic. Ela também atribui a rapidez do carregamento da bateria às curtas distâncias necessárias para transportar a corrente elétrica, e que o tamanho delas permite que várias sejam colocados em um espaço pequeno.

“Isso é um grande avanço”, comentou George Crabtree, diretor do Joint Center for Energy Storage Research do Argonne National Laboratory. Para ele, nanoporos oferecem múltiplas vantagens, e uma vez que são identificados seus tamanhos ideais eles terão resultados consistentes garantidos, o que tornaria o uso em grande escala ainda mais promissor.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Cientistas trabalham em bateria mais fina que fio de cabelo