Apesar de não ser uma celebridade do mundo dos games, Carl Ledbetter tem uma importância fundamental nos bastidores da nova geração: ele é o chefe de design da divisão do Xbox One e foi o responsável por aprovar o visual final de todo o console. Ou seja, se você gostou ou detestou a aparência do aparelho, é com ele que deve conversar.

Em uma entrevista concedida ao site MCV, ele revelou vários processos curiosos do período de desenvolvimento do projeto, assim como a dificuldade em fazer certas escolhas.

A primeira e talvez mais polêmica seja o tamanho: não há como negar que o Xbox One seja grande. Ledbetter sabe disso, mas diz que não existe outra alternativa. "Todo mundo ficou frustrado, o que nós queríamos é que tudo fosse fino como um wafer (...). Mas a realidade é que existem muitos problemas em relação ao resfriamento quando você usa um número grande de watts no processador, então o negócio precisa ter um certo tamanho. Há sempre uma dinâmica interessante entre engenharia e design, restrições em volta do desempenho", explica.

Controle

A equipe envolvida testou até 200 protótipos de controles e passou 500 horas testando o direcional com 1,1 mil pessoas diferentes. "Se alguém está usando o controle e depois de 30 minutos diz 'minhas mãos estão começando a doer', então é uma falha. Mas, se depois de 30 minutos tudo o que eles estão pensando é sobre o jogo, estamos fazendo certo", afirma Ledbetter.

Ele ainda assume a falha no controle do primeiro Xbox. "Ele funcionava, mas não tinha o tamanho certo para as pessoas".

Ser ignorado é bom

Os três anos que a equipe de 35 pessoas passou trabalhando no design do Xbox One parece ter valido a pena: segundo Ledbetter, o aparelho fica ao lado da TV (especialmente na sala-de-estar, que ele afirma ser o local perfeito) sendo simplesmente ignorado — e isso é ótimo. Estranho? É que, para o designer, isso significa que não há problemas como dores nas mãos, dificuldade para ligar ou desligar o aparelho, distrações por conta de uma aparência feia ou uma luz que está forte demais.

Ledbetter ainda diz que pequenos detalhes fazem a diferença nessa área. A proporção 16:9 foi escolhida para refletir uma TV widescreen e vários detalhes externos lembram (ou ao menos deveriam lembrar) a Dashboard do console. E, mesmo ficando satisfeito com o resultado, ele diz que problemas com preço ("Podemos colocar isso? Talvez sim, mas nos custaria uns US$ 300 extras") e tecnologia ("Temos muitas ideias que por um motivo ou outro não podemos usar") ainda existem. Quem sabe ele não consegue realizar esses desejos no próximo?

Via BJ

Cupons de desconto TecMundo: