(Fonte da imagem: Reprodução/Reuters)

Os investimentos feitos pelas empresas de telefonia para implementar a rede 4G no país podem ter reflexo negativo sobre a qualidade da banda larga 3G em curto prazo. O principal motivo para isso seria o fato de que as operadoras teriam que remanejar investimentos de forma a dar prioridade à nova tecnologia, o que pode afetar aquela que já atende a 70 milhões de usuários.

Segundo a Ericsson e a Nokia Siemens, responsáveis por 70% do mercado de estações rádio-base para 3G no Brasil, houve uma desaceleração no segmento entre janeiro e março deste ano. “Grande parte dos recursos foram canalizados para cumprir a meta de cobertura da Copa das Confederações, então deu uma segurada no 3G”, afirmou à Reuters Wilson Cardoso, diretor de tecnologia para a América Latina da Nokia Siemens.

Apesar de os fornecedores continuarem otimistas quanto ao crescimento do segmento, a contenção nos investimentos mostra que as empresas adotaram uma nova postura com a chegada do 4G. “Não tem como as operadoras não continuarem investindo no 3G... mas existem dois problemas: um é o congestionamento da rede e outro é a cobertura”, afirma Eduardo Tude, da consultoria Teleco.

Problemas de rede

E é justamente quando se trata de capacidade de rede que a qualidade das conexões de banda larga móvel sofre no país. Aspectos como a estabilidade e velocidade das redes têm sido questionados por consumidores, órgãos reguladores e instituições de defesa do consumidor, que concordam que os planos vendidos não correspondem à velocidade oferecida pelas operadoras.

“Se você tem determinada infraestrutura capaz de atender ‘X’ usuários, e você vende 3 vezes ‘X’, a sua qualidade vai ser negligenciada”, explica Dane Azanzi, diretor superintendente do Instituto Avanzi. “As operadoras não conseguem implementar um sistema na mesma velocidade que vendem (os planos)”, finaliza.

Cupons de desconto TecMundo: