Uma empresa alemã chamada FlyShip está trabalhando em um veículo dos mais curiosos, capaz tanto de operar na água quanto no ar – ou quase isso. Não, não estamos falando de algo como um hidroavião, mas do exato oposto: um barco com asas que permitem a ele planar sobre a água.

O veículo, chamado de FlyShip FS-100, utiliza um conceito bastante interessante para alcançar essa façanha. Enquanto muitos barcos normais simplesmente flutuam na água, o FlyShip traz um par de asas dobráveis que, quando estendidas, geram um empuxo suficiente para que o veículo plane a alguns centímetros do mar, graças a um par de enormes ventiladores traseiros.

E por que não simplesmente gerar mais potência para levantar voo por completo? Embora o FlyShip FS-100 seja capaz de fazer isso, mantendo voo a alguns metros de altura por curtos períodos, a ideia é por traz disso está na economia de energia.

O conceito tem como base um fenômeno da aerodinâmica chamado Efeito Solo, que basicamente permite ao barco criar um “colchão de ar” sob suas asas curvadas. Isso, por sua vez, resulta em uma performance 250% mais eficiente do que um veículo capaz de voar normalmente – e do que se ele estivesse lidando com o atrito da água. Caso você esteja se perguntando, ele ainda é considerado apenas um barco.

Transporte mais barato e eficiente

Vale notar que a tecnologia por trás do FlyShip não é exatamente nova; de fato, já existem vários barcos capazes de planar sobre a água se utilizando exatamente da mesma técnica. A diferença é que, enquanto os veículos existentes atualmente só carregam alguns poucos passageiros, este aqui é realmente grande: o FlyShip pode comportar até cem pessoas, o que o torna um possível substituto para viagens comerciais ou passeios turísticos.

O interior da área onde os passageiros ficariam, no veículo

Analisando os números, a ideia poderia se mostrar extremamente eficiente. Apesar de seu enorme tamanho (ele possui 37 metros de comprimento e 40 metros de uma ponta a outra das asas), o FlyShip voa a velocidades de até 250 km/h facilmente; em comparação, barcos de transporte comuns mal costumam alcançar 75 km/h.

Ao mesmo tempo, este veículo é muito mais econômico e barato de se fabricar do que um avião comum. Em comparação a um Airbus A318, por exemplo, a diferença é enorme: enquanto a aeronave custa mais de 70 milhões de dólares para ser produzida, o custo do FS-100 gira em torno dos 37 milhões. Além disso, o barco consome em torno de 270 litros de combustível por hora, apenas, contra os 3,3 mil litros do avião.

É claro que, apesar de tudo, o FlyShip não é tão barato quanto um barco comum nem veloz como um avião comercial. Mas esse não era o objetivo da empresa com este projeto. “Nossa tecnologia está pela primeira vez fechando o óbvio e altamente procurado espaço entre o lento-mas-barato transporte por barco e a rápida-mas-cara viagem de avião”, disse Daniel Schindler, um dos funcionários da companhia, ao site Daily Mail.

Por mais que a própria empresa já imagine usos para o FlyShip FS-100 que vão de transportes civis e governamentais a vigilância militar, não adianta ter esperanças de ver isso se tornar realidade. Até o momento, o veículo existe apenas como um projeto da empresa e não tem qualquer previsão de sair do papel.

Você acha que barcos voadores podem ser o futuro do transporte? Comente no Fórum do TecMundo