Com a expansão das tecnologias móveis e da internet, o mundo tem visto cada vez mais aparelhos diferentes surgindo para criar novas ou satisfazer antigas necessidades da nossa época. Contudo, você sabia que o conceito de streaming de música já tem mais de um século? E os robôs? O primeiro deles foi construído antes mesmo do nascimento de cristo!

Para você ficar por dentro da história das tecnologias mais comentadas da atualidade, o pessoal do ListVerse separou alguns dos precursores esquecidos de tecnologias que consideramos modernas. O TecMundo compilou esse conteúdo para você em forma de lista. Confira:

Streaming de música

Serviços como o Spotify, Play Música e Apple Music podem ser o que há de mais moderno quando o assunto é ouvir música hoje em dia, mas o conceito de transmitir música pagando por uso e não comprando a música em si é secular. O primeiro dispositivo capaz de fazer isso foi o “telharmonium”, criado em 1901 por Thaddeus Cahill.

Trata-se de uma máquina de música gigantesca que permitia a qualquer pessoa ligar para o telefone da empresa responsável pelo equipamento e, instantaneamente começar a ouvir música instrumental. O telharmonium começou a funcionar comercialmente em 1906 e ocupava um andar inteiro de um prédio em Nova York. Em 1916, ele foi desligado porque não dava muito retorno financeiro e a qualidade do áudio que transmitia era ruim.

Robôs

Eles já estão entre nós há muitos anos, mas a cada novo modelo criado por aí, todo mundo fica impressionado com suas capacidades. Contudo, a existência de robôs em si não é coisa nova. A humanidade tem experimentado com isso há mais de dois mil anos.

O primeiro robô que se tem registro foi criado em 350 a.C. por Arquitas de Tarento, um filósofo e inventor italiano. O equipamento é conhecido como o primeiro drone, tinha o formato de um pombo e conseguia voar por até 200 metros de distância.

Smartwatches

2015 foi ano dos smartwatches para a indústria, uma vez que vários modelos foram lançados e alguns aparelhos chegaram inclusive a sua segunda geração. Contudo, o primeiro relógio considerado inteligente foi lançado pela HP em 1977. Isso quer dizer que o aparelho chegou ao mercado 17 anos antes do primeiro smartphone.

Ele se chamava HP-01 e contava com 28 botões que só podiam ser apertados com uma caneta stylus. Ele possuía um cronômetro, calendário, avisos, alarme, calculadora e agenda diária. O aparelho era basicamente uma obra prima da engenharia eletrônica, com 38 mil transistores, seis chips e três baterias.

Cartões de crédito

Os cartões de crédito estão no mercado há algumas décadas, mas muita gente ainda não os utiliza por várias razões. Alguns pensam até que é modernidade demais para o simples fato de pagar o supermercado. Os primeiros cartões desse tipo que conhecemos hoje surgiram nos EUA nos anos 1960, mas seus predecessores já estavam no mercado há mais de 100 anos.

Eles eram basicamente cartões de papel ou moedas de metal que identificavam consumidores confiáveis em certas lojas. Com isso, elas vendiam fiado para essas pessoas que, em seguida, iam fazer os pagamentos no fim do mês.

Na década de 1960, surgiu o Diners Club para unificar todos esses cartões de fidelidade e, mais tarde, uma rede uniformizada de cartões gerou a Visa.

Videogames

Os videogames estão presentes no nosso mundo desde a infância dos jovens adultos de hoje. Contudo, faz muito mais tempo que eles surgiram. Em 1950, um laboratório nuclear foi construído em Nova York e, para mostrar aos moradores que as experiências feitas ali não representavam nenhum risco para a comunidade, os administradores do lugar criaram um dia em que as pessoas da cidade poderiam visitar as instalações.

Contudo, como aquilo era completamente ininteligível para elas, o cientista William Higinbotham, pesquisador do laboratório, pegou um velho osciloscópio, conectou a um computador analógico antigo e criou um game chamado “Tennis for Two” para aliviar o tédio dos visitantes. Este foi o primeiro jogo eletrônico a ser criado do qual se têm notícia. Os visitantes então começaram a fazer fila e ficar ali por horas apenas para jogar o game por 1 minuto cada.

Gorilla Glass

Apesar de estar em praticamente todos os smartphones modernos, o Gorilla Glass não é uma invenção recente. Esse tipo de vidro foi criado pela Corning por acidente, quando um químico da empresa tentou fazer uma peça de vidro em uma fornalha defeituosa. O resultado foi uma placa esbranquiçada forte e flexível como nenhum outro material criado pela empresa até então. Isso aconteceu em 1952, e a Corning deu a esse vidro o nome de “Chemcor”. Ele era superforte, mas caro demais para se usar em carros e outros elementos de segurança.

Em 2005, Steve Jobs convenceu a empresa a trabalhar novamente com o Chemcor, mas agora em uma versão muito mais fina e límpida, com apenas 1,3 mm de espessura. O vidro então estaria presente no primeiro iPhone da Apple e se chamaria Gorilla Glass.

Computador portátil

Os notebooks de hoje conseguem fazer muita coisa, mas eles não são nada novos no que diz respeito a computadores portáteis. O primeiro PC portátil foi o Osborne 1, criado em 1981 pela Osborne Computers. Ele tinha um teclado removível, uma pequena tela de 5’’ e dois drives de disquete duplos. O aparelho pesava 11 kg e contava com apenas 64 Kb de memória.

Biocombustível

O governo brasileiro e os de muitos outros países estão empenhados em tornar combustíveis renováveis mais populares, como o biodiesel e o álcool. Contudo, o primeiro motor a diesel inventado no século 19 já podia funcionar a biodiesel e também a diesel feito de petróleo. Era um motor bicombustível.

Câmeras digitais

Apesar das câmeras fotográficas existirem há séculos, a fotografia digital é bem mais recente. Nos anos 2000, as câmeras digitais começaram a se popularizar, e, hoje, todo smartphone tem pelo menos duas delas dentro de si.

A fotografia digital foi inventada pelo engenheiro coreano Steven Sasson, da Kodak. A primeira câmera desse tipo foi fabricada em 1975, mas a Kodak nunca aperfeiçoou o projeto e nunca fez um lançamento comercial, temendo afetar a venda de filmes fotográficos. Apesar disso, registrou várias patentes sobre o invento.

Em vez de um cartão de memória, a tal câmera tinha uma fita cassete para salvar as imagens e demorava 23 segundos para processar uma única foto de míseros 0,01 MP.

Só em 2001 a Kodak lançou sua primeira câmera digital e nunca deu muita bola para esse mercado. Quando as câmeras analógicas morreram, a empresa foi junto para o buraco, falindo finalmente em 2012. Um ano depois, a marca voltou ao mercado para vender suprimentos e equipamentos de impressão.