As empresas americanas que trabalham com redes e telecomunicações não têm tido muita sorte nos negócios internacionais depois dos casos de espionagem que vazaram graças ao Edward Snowden em 2012.

Microsoft, Verizon e CISCO têm enfrentado dificuldades com projetos ao redor do mundo, e todo o escândalo fez com que a Telebrás, que não deu chance para nenhuma companhia estadunidense, agilizasse os planos de um projeto que visa expandir a conexão direta entra o Brasil e a Europa, o que deve diminuir a dependência da maioria das redes atuais que passa pelos Estados Unidos.

A construção deve começar em 2015 e tem prazo de 18 meses. A estrutura em solo brasileiro será feita em Fortaleza e o cabo submarino atravessará o Oceano Atlântico até chegar a Portugal.

Conforme declarações da presidente Dilma Rousseff em coletiva de imprensa no dia 20 deste mês, também há outros planos para ligar cabos diretamente com a África e com a Ásia e somente serão feitas parcerias com marcas nacionais, europeias ou asiáticas.