Ao que parece, a relação duradoura entre Apple e Foxconn tem sido bastante benéfica para a fabricante de componentes, que aproveitou os últimos anos como fornecedora da Empresa da Maçã e juntou um caixa considerável. Agora, com a meta de expandir os seus negócios, a taiwanesa pode estar separando uma parte das economias para dar um lance bilionário em outra marca do ramo. Segundo relatos da mídia especializada, a companhia se propôs a fazer uma oferta de US$ 5,3 bilhões – cerca de R$ 22 bilhões – pela Sharp.

O acordo, porém, está longe de ser firmado, já que uma série de fatores externos podem atrapalhar negociações mais avançadas. Apesar de a tradicional empresa japonesa estar com problemas de balanço há tempos e a bolada poder ajudar a pagar dívidas que chegam a US$ 4,4 bilhões (R$ 18,3 bilhões) – fruto de empréstimos feitos com Mitsubishi e Mizuho –, um certo tradicionalismo nipônico pode fazer a Sharp parar nas mãos de outra concorrente do segmento de eletrônicos, e por um valor muito menor.

A novela entre Foxconn e Sharp já data de algum tempo, uma vez que a fabricante de Taiwan já tentou comprar a divisão de telas LCD da japonesa no ano passado e tenha iniciado uma oferta por 10% das ações dela em 2013. Além disso, o fato de a companhia sediada no arquipélago oriental produzir displays para dispositivos mobile – incluindo iPhones – daria uma força para aproximar as duas empresas, não é? O governo do Japão, aparentemente, não concorda com isso e pode selar a compra por US$ 2,5 bilhões (R$ 10,4 bilhões).

O caso é que o Innovation Network Corp. of Japan, um fundo de investimentos federal, supostamente faria a proposta acima e, mesmo que ela seja menos da metade da oferecida pela Foxconn, talvez tenha prioridade na hora de selar um acordo, simplesmente para manter um dos grandes nomes do país – e suas tecnologias – “em casa”. Para tentar contornar a situação, a companhia taiwanesa já garantiu que, caso realize a compra, não deve mexer no quadro de funcionários de alto-escalão.

De qualquer modo, ninguém vai precisar ficar na expectativa para conferir o desfecho dessa história por muito tempo, uma vez que a Sharp deve se pronunciar a respeito do futuro da marca em sua próxima reunião de relatórios fiscais, no próximo dia 4 de fevereiro. A expectativa é que, até essa data, uma decisão sobre o possível comprador seja tomada e se dê início a toda papelada para a passagem do bastão.

Já viu que a Foxconn pode estar tentando ampliar seus negócios? Comente no Fórum do TecMundo!