A Samsung Electronics divulgou na última quarta-feira (27) seu relatório fiscal para o quarto trimestre fiscal de 2016. Durante o período, a companhia registrou um lucro operacional de 6,14 trilhões de wons (R$ 20,7 bilhões) com vendas de 53,3 trilhões de wons — ambos os resultados mostram uma evolução em relação ao que foi registrado em 2015.

No entanto, isso não foi suficiente para impedir que a companhia amargasse uma queda de 40% ano a ano em seu lucro líquido, que em 2015 foi de 3,22 trilhões de wons (R$ 10,8 bilhões). Entre os fatores que influenciaram isso está a desaceleração do segmento de smartphones e uma queda nos preços pagos pelos componentes produzidos pela empresa.

Com isso, a Samsung acredita que 2016 será um ano difícil para seus negócios — a companhia espera crescimentos de somente um dígito nas vendas de seus smartphones e tablets. Para combater isso, a fabricante deve apostar em uma “mistura aprimorada de produtos”, incluindo novas entradas na série Galaxy A e a produção de softwares mais competitivos.

Estratégias para o futuro

Entre os fatores que ajudaram a diminuir o lucro da companhia no setor mobile estão o lançamento de modelos do iPhone com telas maiores — o produto da Apple domina os lucros do segmento “Premium”. Além disso, a companhia sul-coreana está tendo dificuldade em competir nos segmento de entrada e intermediário com eletrônicos de baixo custo produzidos na China.

Dongjin “DJ” Koh, novo chefe da divisão mobile da companhia, tem em seu histórico o desenvolvimento de softwares de sucesso, o que deve servir como elemento-chave para o futuro da organização. A companhia também foi prejudicada pela queda nos preços de painéis LCD e OLED, o que foi compensado pelo aumento nos pedidos de telas OLED — mercado que deve crescer no longo a médio prazo.

A Samsung também deve aproveitar as Olimpíadas de 2016 para vender mais televisores com tamanho avantajado e produtos premium, como seu refrigerador Family Hub, que possui uma tela sensível ao toque. Para completar, a companhia deve apostar cada vez mais na Internet das Coisas e no segmento das “Smart Homes” para continuar se mantendo relevante no mercado de tecnologia.

Você acredita que a Samsung vai manter sua posição de gigante tecnológico? Comente no Fórum do TecMundo